Menu
2019-10-21T10:40:12-03:00
Somos tão jovens

O estilo conectado da bancada ‘sub-30’

Para analistas, a presença de jovens é positiva ao contribuir para a diversidade do Parlamento, possibilitar inovações nas práticas parlamentares e “oxigenar” o sistema. No Brasil, a idade mínima para ser eleito deputado é 21 anos.

21 de outubro de 2019
10:40
img20190327190514279MED
Dep. Tabata Amaral (PDT - SP) - Imagem: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

Após uma eleição marcada pela renovação de 52% da Câmara, pelas críticas à "velha política" e pela força das redes sociais, o número de deputados com menos de 30 anos segue baixo: hoje eles são 14 dos 513 parlamentares e representam 2,7% do total. O número ficou estável nas últimas legislaturas.

A parcela da população que tem entre 20 e 29 anos, no entanto, é de 16,5%, aponta o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Apesar da baixa presença, algumas práticas inovadoras adotadas pelos jovens parlamentares têm sido notadas: gabinetes compartilhados e projetos em conjunto.

Para analistas, a presença de jovens é positiva ao contribuir para a diversidade do Parlamento, possibilitar inovações nas práticas parlamentares e "oxigenar" o sistema. No Brasil, a idade mínima para ser eleito deputado é 21 anos.

"Se uma parcela da população tem sub-representação, qualquer matéria que impacta esse grupo não será tão bem discutida", avaliou o deputado Felipe Rigoni (PSB-ES), de 28 anos. "Porque quem vive a situação não está discutindo", disse ele, que é o primeiro deputado federal cego.

"Era fundamental que a gente tivesse mais mulheres, jovens, negros porque a sociedade tem mais destes grupos que aqui não tem. Isso faz falta", concorda o deputado João Campos (PSB-PE), de 26 anos, filho do ex-governador Eduardo Campos.

Mais jovem deputado, Kim Kataguiri (DEM-SP), 23 anos - relator do projeto que prevê mudanças na lei de licenciamento ambiental - não associa a idade a virtudes ou vícios. "Não acho que seja necessariamente ruim (a baixa presença de jovens). Você pode ser excelente político com muita idade e péssimo político com pouca idade", afirmou.

A maior parte dos jovens da Câmara possui características em comum: presença nas redes sociais, participação em movimentos de renovação política e o fato de terem nascido em uma "geração conectada".

Inteligência artificial, segurança digital, economia do conhecimento e digitalização de serviços públicos foram assuntos tratados por eles nestes primeiros meses de mandato. Eles também se auxiliam e dizem ter uma boa relação e propostas em comum.

Um dos projetos, por exemplo, é feito em conjunto por Luisa Canziani (PTB-PR) e João Campos, e trata da prestação digital de serviços na administração pública.

Outro, de autoria de Tabata Amaral (PDT-SP), 25 anos, Rigoni e outros parlamentares, prevê mudanças na Lei dos Partidos para assegurar mais democracia interna e transparência dentro das siglas.

Rigoni, Tabata e o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), de 44 anos, - todos em primeiro mandato - organizaram um gabinete compartilhado para dividir despesas de funcionários especializados em temas técnicos. Rigoni e Tabata também fizeram processos seletivos para contratar funcionários de gabinete - algo pouco comum, já que são cargos de livre indicação. Cada deputado tem direito a 25 empregados.

"A importância de ter jovens é mudar um pouco a perspectiva do debate, trazer discussões como modelos de ensino novos, educação com inovação, revolução 4.0", diz a deputada Luísa Canziani (PTB-PR), de 23 anos, que preside a Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher.

"Se o jovem peca pela falta de experiência, ele impõe, por outro lado, uma exigência de mudança", disse o cientista político Carlos Melo, do Insper.

O pesquisador Vitor Oliveira, da USP, foi no mesmo sentido: "A renovação é positiva, traz qualidade de representatividade e novas práticas políticas".

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Em baixa

Índice alemão IFO de sentimento das empresas sobe levemente em fevereiro

Resultado surpreendeu negativamente analistas consultados pelo The Wall Street Journal

Tensão no exterior

Surto de coronavírus na Itália gera pânico e faz as bolsas globais despencarem

A aversão ao risco toma conta dos mercados globais nesta segunda-feira, em resposta à chegada do coronavírus à Europa. As bolsas do velho continente despencam e os futuros de NY caem forte

Hora de mudar

Doria diz que Brasil deve se reposicionar sobre política ambiental

Governador paulista vê risco de o país ficar cada vez mais fora da mira dos investidores internacionais

Dinheiro no bolso

Bancos distribuem R$ 52 bilhões em dividendos a seus acionistas em 2019

Para este ano, porém, o valor dos dividendos pode ser menor por conta do menor volume de crédito fornecido pelos grandes bancos

Surto mundial

Aústria interrompe tráfego de trens para a Itália por receio do coronavírus

Casos italianos da doença aumentaram para pelo menos 152, o maior número fora da Ásia

Agenda de resultados

Em clima de Carnaval, Ambev divulga balanço anual nesta semana; veja o que esperar dos números

Cervejaria tem tudo para entregar resultados mais positivos em 2019, após sofrer com números fracos e a maior concorrência nos últimos anos

Acesso liberado

Os segredos da bolsa: ações para não ficar de ressaca na quarta-feira de cinzas

Enquanto a bolsa está fechada para o Carnaval, fique atento ao desempenho dos ADRs de companhias brasileiras nos EUA — eles darão uma pista importante sobre como será a reabertura das negociações por aqui, na quarta-feira

Clima tenso na política

Bolsonaro ainda não respondeu carta dos governadores, diz Doria

Mandatários estaduais acusam o presidente de dar declarações que ferem a democracia brasileira

Planejando o futuro

3 erros que você deve evitar ao planejar seus investimentos para aposentadoria

Fique de olho pois nesse longo caminho existem algumas ciladas que muita gente acaba caindo

Os movimentos do magnata

Warren Buffett vendeu mais de US$ 800 milhões em ações da Apple no último trimestre. Mas o que isso significa?

Conheça algumas razões para que esse volume de ações da Apple tenha saído das mãos de um dos maiores investidores do mundo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements