Menu
2019-11-18T14:16:35-03:00
Estadão Conteúdo
pacote de medidas

Governo enviará ao Congresso proposta de reforma com imposto sobre consumo

Roteiro traçado pelo ministério prevê o envio da reforma ao Congresso em quatro etapas, que devem começar ainda em novembro e se estender até meados de 2020

18 de novembro de 2019
14:13 - atualizado às 14:16
O ministro da Economia do Brasil, Paulo Guedes, concede entrevista coletiva.
Imagem: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Depois de reformular a sua proposta, abandonando a ideia de criar uma nova CPMF, rejeitada pelo presidente Jair Bolsonaro, o Ministério da Economia fechou, enfim, um novo pacote de medidas para mudar o complexo sistema tributário do País. O roteiro traçado pelo ministério prevê o envio da reforma ao Congresso em quatro etapas, que devem começar ainda em novembro e se estender até meados de 2020.

Na primeira fase, a ser deflagrada até o fim do mês, o governo deverá enviar ao Legislativo um projeto de lei que unifica o Programa de Integração Social (PIS) e a Contribuição para o Financiamento de Seguridade Social (Cofins), incidentes sobre produtos e serviços.

Na segunda fase, prevista para o início do ano, o plano é encaminhar a mudança no Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), que passará a existir como tributo seletivo sobre certos bens.

A terceira fase, a ser enviada no primeiro trimestre, vai se concentrar no Imposto de Renda de pessoas físicas, incluindo aumento da faixa de isenção e criação de novo alíquota para os mais ricos, e jurídicas.

A última etapa, em meados do ano que vem, será dedicada à desoneração da folha de salários das empresas. "A nossa ideia é não demorar entre uma fase e outra para enviar ao Congresso", diz o secretário especial da Receita Federal, José Barroso Tostes Neto.

Em sua primeira entrevista desde que assumiu o cargo, há pouco mais de um mês, no lugar do economista Marcos Cintra, defenestrado por defender um imposto nos moldes da CPMF, Tostes, de 62 anos, afirmou ao jornal O Estado de S. Paulo que a proposta do governo é "totalmente aderente" aos projetos de reforma tributária em tramitação no Congresso.

Calibragem

Segundo ele, a diretriz do ministro da Economia, Paulo Guedes, diante da crise fiscal é manter a carga tributária atual, na faixa de 35% do Produto Interno Bruto (PIB). No futuro, afirma o secretário, com o crescimento da economia, a meta é reduzir o peso dos impostos sobre cidadãos e empresas.

Para impedir que a carga tributária aumente ou diminua, o governo vai propor um sistema automático de calibragem, que funcionará como balança, a ser desencadeado anualmente. Se a carga aumentar, a alíquota será reduzida, e vice-versa.

O tributo resultante da fusão do PIS e da Confins terá alíquota de 11% a 12% e receberá o nome de Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS).

Seguirá o modelo de imposto sobre valor agregado (IVA), adotado em 180 países, em que todos os créditos poderão ser usados pelas empresas para diminuir o valor a pagar, o que não acontece hoje.

Dentro do objetivo de aplicar alíquota única a todos os setores e acabar com regimes especiais, o governo deverá rever a desoneração da cesta básica. Em troca, deverá restituir à população de baixa renda gasto com o tributo em um adicional em programas sociais como Bolsa Família.

Tostes diz, porém, que alguns setores poderão ter regime diferenciado. "O conceito é cobrar de forma geral, mas estamos avaliando casos que mereçam tratamento especial." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

MERCADOS HOJE

Ibovespa abre o dia em alta, em busca da terceira sessão de recuperação; dólar sobe

De olho em Brasília, os investidores repercutem a ampliação da agenda de privatizações e a PEC Emergencial, que parece ter empacado no Senado

Exile on Wall Street

Nado em água doce, sonhando com o mar

O rio corre para o mar. Em toda sua sabedoria interiorana, os filósofos João Mineiro e Marciano entendiam que essa é a frase que, com apenas seis palavras delineadas, resume a vida. “Você pode até não gostar, mas o rio corre para o mar…”. Se me permitem, se ainda dá tempo, eu adicionaria apenas duas […]

acordo conveniente

BR Distribuidora e Lojas Americanas fecham parceria em lojas de conveniência

Empresas vão formar uma nova empresa para explorar negócio de lojas dentro e fora dos postos de combustíveis

PEC emergencial

Receita Federal pode ficar sem recursos com desvinculação de gastos da PEC emergencial, dizem auditores

O gasto mínimo com saúde, educação e administração tributária é um dos pontos que encontra resistência no Congresso

O melhor do Seu Dinheiro

O futuro dos fundos imobiliários e uma estreia no Seu Dinheiro

Em janeiro do ano passado, a redação do Seu Dinheiro havia acabado de deixar o “coworking” onde ficou praticamente desde a estreia do site para alugar um espaço em um prédio comercial. Mas nem deu tempo de curtir o “sonho da sala própria”. Com a pandemia da covid-19, dois meses depois já estávamos todos em […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies