Menu
2019-07-29T12:57:53-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
rombo

Contas públicas têm déficit primário de R$ 5,7 bi no primeiro semestre

Número equivale a 0,16% do PIB; déficit fiscal no primeiro semestre ocorreu em função do superávit de R$ 24,674 bilhões do governo central, segundo o BC

29 de julho de 2019
12:56 - atualizado às 12:57
notas de real
Notas e moedas de real - Imagem: Shutterstock

As contas do setor público acumularam um déficit primário de R$ 5,740 bilhões no primeiro semestre, o equivalente a 0,16% do Produto Interno Bruto (PIB), informou o Banco Central. O déficit fiscal no primeiro semestre ocorreu em função do superávit de R$ 24,674 bilhões do governo central (0,71% do PIB).

Os governos regionais (Estados e municípios) apresentaram um superávit de R$ 19,077 bilhões (0,55% do PIB) no período. Enquanto os Estados registraram um superávit de R$ 17,519 bilhões, os municípios tiveram um saldo positivo de R$ 1,558 bilhão. As empresas estatais registraram um resultado negativo de R$ 143 milhões no período.

Já o setor público consolidado (governo central, Estados, municípios e estatais, com exceção de Petrobras e Eletrobras) apresentou déficit primário de R$ 12,706 bilhões em junho, informou nesta segunda-feira, 29, o Banco Central (BC).

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

O resultado representa o menor déficit para o mês desde junho de 2016, quando houve déficit de R$ 10,061 bilhões. Em maio, havia sido registrado déficit de R$ 13,008 bilhões.

O resultado primário consolidado do mês passado ficou dentro do intervalo das estimativas de analistas do mercado financeiro ouvidos pelo Projeções Broadcast, que iam de déficit de R$ 15 bilhões a déficit de R$ 6 bilhões. A mediana estava negativa em R$ 11,1 bilhões.

O resultado fiscal de junho foi composto por um déficit de R$ 12,212 bilhões do governo central (Tesouro, Banco Central e INSS). Já os governos regionais (Estados e municípios) influenciaram negativamente o resultado com R$ 55 milhões no mês. Enquanto os Estados registraram um superávit de R$ 87 milhões, os municípios tiveram resultado negativo de R$ 143 milhões. As empresas estatais registraram déficit primário de R$ 439 milhões.

A meta de déficit primário do setor público consolidado considerada pelo governo é de R$ 132,0 bilhões para 2019. No caso do governo central, a meta é um déficit de R$ 139,0 bilhões.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Gasto público

O setor público consolidado teve gasto de R$ 17,396 bilhões com juros em junho, após esta despesa ter atingido R$ 34,550 bilhões em maio, informou nesta segunda-feira, 29, o Banco Central.

O governo central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) teve no mês passado despesas na conta de juros de R$ 12,678 bilhões. Os governos regionais registraram gasto de R$ 4,048 bilhões e as empresas estatais, de R$ 669 milhões.

No primeiro semestre, o gasto com juros somou US$ 181,112 bilhões, o que representa 5,18% do PIB.

Em 12 meses até junho, as despesas com juros atingiram R$ 357,320 bilhões (5,11% do PIB).

Déficit nominal

O setor público consolidado registrou um déficit nominal de R$ 30,102 bilhões em junho. Em maio, o resultado nominal havia sido deficitário em R$ 47,558 bilhões e, em junho de 2018, deficitário em R$ 57,941 bilhões.

No mês passado, o governo central registrou déficit nominal de R$ 24,891 bilhões. Os governos regionais tiveram saldo negativo de R$ 4,103 bilhões, enquanto as empresas estatais registraram déficit nominal de R$ 1,108 bilhão.

No primeiro semestre, o déficit nominal somou R$ 186,852 bilhões, o que equivale a 5,35% do PIB.

Em 12 meses até junho, há déficit nominal de R$ 456,894 bilhões, ou 6,54% do PIB.

Dívida bruta

A Dívida Bruta do Governo Geral fechou junho aos R$ 5,499 trilhões, o que representa 78,7% do Produto Interno Bruto (PIB). O porcentual é igual ao verificado em maio. No melhor momento da série, em dezembro de 2013, a dívida bruta chegou a 51,5% do PIB.

A Dívida Bruta do Governo Geral - que abrange o governo federal, os governos estaduais e municipais, excluindo o Banco Central e as empresas estatais - é uma das principais referências para avaliação, por parte das agências globais de rating, da capacidade de solvência do País. Na prática, quanto maior a dívida, maior o risco de calote por parte do Brasil.

O BC informou ainda que a Dívida Líquida do Setor Público (DLSP) passou de 54,7% para 55,2% do PIB em junho de 2019. A DLSP atingiu R$ 3,860 trilhões.

*Com Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

olho nos números

Relatório aponta nível baixo de investimento de estatais no 1º ano de Bolsonaro

Estatais federais executaram 45,7% dos investimentos previstos para 2019 e a aplicação dos recursos ao longo do ano foi direcionada basicamente para a Região Sudeste

Câmbio

A alta do dólar preocupa? Com a palavra, o presidente do Banco Central

Campos Neto disse que o BC avalia constantemente se a alta do dólar retarda as decisões de investimento ou contamina as perspectivas de inflação

de olho nas finanças

48% dos brasileiros não controlam o próprio orçamento, mostra pesquisa CNDL/SPC

Segundo o levantamento, a frequência de análise de orçamento é inadequada mesmo entre a maioria dos 52% de brasileiros que utilizam alguma forma de controle de suas finanças

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta terça-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

presidente ficou irritado

Assessor do Planalto é afastado por usar avião da FAB

Vicente Santini usou uma aeronave oficial para se deslocar até Nova Délhi, na Índia

Exile on Wall Street

Contágio: e agora, o que fazer?

Medo de uma grande pandemia transmitida rapidamente num mundo globalizado e interconectado encontra representação mitológica tão forte que virou blockbuster em Hollywood

Alívio

Ibovespa acompanha o exterior e opera em alta, recuperando parte das baixas de ontem

O Ibovespa ensaia uma recuperação após as perdas massivas da sessão passada, apesar de o noticiário referente ao coronavírus continuar inspirando cautela

Nunca vi contexto tão favorável para negócios no Brasil, diz CEO do Magazine Luiza

Frederico Trajano afirmou ter planos “extremamente ambiciosos” para a rede varejista nos próximos anos após oferta de ações de quase R$ 5 bilhões

atento ao cenário

Coronavírus pode reduzir previsão de crescimento, mas é cedo para cravar, diz OMC

Diretor da entidade disse que, por enquanto, há apenas especulação dos economistas apontando revisão para baixo dos números

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

12 notícias para você começar o dia bem informado

Enquanto acompanham o avanço do coronavírus, os investidores olham também para as novidades no mundo corporativo. Os números da Cielo vieram piores do que as expectativas, que já eram bem negativas. A JBS anunciou um negócio bilionário na China. E a união de Embraer e Boeing ganhou o aval do Cade.   O que você precisa saber hoje: […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements