Menu
2019-05-16T06:53:00-03:00
Estadão Conteúdo
ministro na linha de frente

Confusão generalizada toma conta do plenário durante audiência com Weintraub

Parlamentares que apoiam o governo reagiram a críticas e xingamentos feitos por oposicionistas ao ministro da Educação

16 de maio de 2019
6:53
img20190515205239015MED
Convocação do ministro da Educação, Abraham Weintraub, a fim de prestar esclarecimentos sobre os cortes orçamentários na pasta. - Imagem: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Após mais de cinco horas de audiência pública em que o ministro da Educação, Abraham Weintraub, é ouvido e questionado por deputados na Câmara, uma confusão generalizada tomou conta do plenário. Parlamentares que apoiam o governo reagiram a críticas e xingamentos feitos por oposicionistas ao titular da pasta.

Em discurso, a deputada Talíria Petrone (Psol-RJ) afirmou que o ministro demonstrou "profundo desconhecimento" sobre a pauta da Educação no País e chamou Weintraub de "debochado" e "incompetente". Assim que desceu da tribuna, deputados governistas começaram a tirar satisfações.

A discussão levou o primeiro-vice-presidente da Casa, Marcos Pereira (PRB-SP), a suspender a sessão por cinco minutos. Diante da gritaria, ele chegou a ameaçar encerrar a sessão naquele momento. Ela está marcada para acabar às 21h.

Momentos antes, outro bate-boca já havia tumultuado a reunião. Ao iniciar sua fala, o deputado André Janones (Avante-MG) cobrou atenção de Weintraub. "Olha para mim enquanto eu estou falando, seu covarde, seu debochado. Eu prestei atenção no senhor durante três horas, agora preste atenção em mim", afirmou.

Ele também cobrou do ministro para "descer do pedestal" e disse que ele não merecia respeito. "O senhor é um moleque, não sabe o que é viver em uma democracia", completou. Enquanto isso, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) gritou, fora do microfone: "respeita o ministro, seu palhaço".

Janones disse ainda que o governo Bolsonaro comete erros e acertos, mas classificou a indicação de Weintraub para o cargo como um "grande erro". Ele também afirmou que as universidades não são patrimônio nem da esquerda e nem da direita, "mas do Brasil".

Convite

Mais cedo, Weitraub afirmou que convidou a deputada Tábata Amaral (PDT-SP) para uma visita ao MEC, mas disse que ela recusou. A deputada afirmou que nunca recebeu tal convite. Nos bastidores, o ministro e a líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann (PSL-SP), pediram a assessores para localizarem o documento.

Em seguida, Weintraub reafirmou no microfone que o convite foi feito, mas Tábata poderia não tê-lo recebido. Ele afirmou que seria um grande prazer recebê-la para conversar.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

uma bolada

Bradesco paga R$ 5 bilhões em juros sobre capital próprio

Valor representa R$ 0,416 por ação ordinária e R$ 0,458 por ação preferencial, após o desconto do Imposto de Renda

seu dinheiro na sua noite

Dólar abaixo de R$ 5, Selic de volta aos 7% e o investimento da Petz em página de gatinhos

Apesar dos avanços na vacinação e do relaxamento nas medidas de distanciamento social, o fato de ainda estarmos convivendo com o coronavírus e uma elevada mortalidade pela covid-19 faz com que 2021 tenha um sabor de 2020 – parte 2. Assim tem sido, pelo menos para mim. Imagino que também seja assim para todas as […]

atenção, acionista

Weg e Lojas Renner anunciam juros sobre capital próprio; confira valores

Empresa de fabricação e comercialização de motores elétricos paga R$ 86,1 milhões; provento da varejista chega a R$ 88 milhões

Alívio no câmbio

Dólar fica abaixo dos R$ 5,00 pela primeira vez em mais de um ano — e o empurrão veio dos BCs

O dólar à vista terminou o dia em R$ 4,96, ficando abaixo dos R$ 5,00 pela primeira vez desde 10 de junho de 2020. O Ibovespa caiu

Constitucionalidade em xeque

Autonomia do Banco Central: STF retoma julgamento no dia 25, mas recesso pode estender votação até agosto

A lei em análise restringe os poderes do governo federal sobre a autoridade máxima da política monetária do País

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies