Menu
2019-10-10T14:29:09-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
em evento

Bolsonaro, Guedes e Onyx tentam atrair dinheiro gringo para o Brasil

No Fórum de Investimentos Brasil, discursos de autoridades brasileiras reforçaram valores como democracia, liberdade econômica e desenvolvimento sustentável

10 de outubro de 2019
11:47 - atualizado às 14:29
10/10/2019 Cerimônia de Abertura do Fórum de Investimentos Bra
Presidente da República, Jair Bolsonaro durante a Cerimônia de Abertura do Fórum de Investimentos Brasil 2019. - Imagem: Marcos Corrêa/PR

Como vender um país? O Fórum de Investimentos Brasil, organizado pelo governo tenta fazer isso, ao colocar o presidente Jair Bolsonaro e seus ministros para recepcionar investidores, empresários e oficiais de outros países.

Bolsonaro foi o último a falar na cerimônia de abertura. Dispensou o discurso preparado de 29 páginas e falou sobre sua trajetória, sobre Roraima, convidou os estrangeiros a conhecer a Amazônia, ressaltando que eles não seriam queimados, reforçou o respeito aos contratos e o protagonismo de Paulo Guedes na condução da economia e a autonomia de facto do Banco Central (BC).

“Só ligo pro BC depois que ele decide Copom. Não interfiro em nada. Campos Neto fala 100% pelo BC. Não sei se o Paulo Guedes interfere”, disse Bolsonaro em tom de piada, virando olhar para Paulo Guedes, sendo brevemente aplaudido pela plateia.

Antes disso, o presidente tinha pedido a edição de domingo do jornal “Estado de S.Paulo”, para ressaltar que a “Economia é 100% com o Guedes e não tem plano B”.

O tema Amazônia e desenvolvimento sustentável ou, como diz Bolsonaro, casamento entre meio ambiente e progresso, perpassou boa parte da fala, na qual ele reafirmou a ideia de autorizar garimpos para indígenas e homens brancos.

Livre mercado

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, deitou seus contumazes elogios a Bolsonaro e ressaltou um “nacionalismo de fins”, no qual o país quer parcerias sólidas com todos os demais países visando crescimento.

Onyx ressaltou que somos um país com regras claras, tendo liberdade como princípio, livre mercado e mérito.
“O Brasil agora tem previsibilidade para quem quiser investir”, disse, complementando que as empresas que decidirem aportar recursos têm a certeza de que “o Brasil estará solvido do ponto de vista fiscal e com oportunidades”.

Em um apelo direto, Onyx disse que o governo brasileiro quer conquistar a confiança do investidor e fazer com que ele olhe o Brasil como seguro e rentável.

Guedes destacou a democracia e o livre mercado como “guia” do governo. Ele também elogiou a liderança de Bolsonaro e agradeceu o apoio de um “novo Congresso”. “Tem uma revolução acontecendo sob princípios liberais e democratas.”

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Ministério atualiza dados

Brasil registra mais de 31 mil mortes por covid-19

De 526.447 casos confirmados, 223.638 pacientes foram recuperados

6,8% dos recursos foram gastos

MPF investiga baixo investimento do governo Bolsonaro no combate ao coronavírus

O Ministério Público Federal determinou, nesta terça-feira, 2, a abertura de um inquérito civil público para apurar a baixa aplicação de dinheiro público, por parte do governo de Jair Bolsonaro, no combate à pandemia do novo coronavírus

A volta dos touros

Acabou a crise? 5 razões para a disparada da bolsa e a queda do dólar

O dólar à vista acumula queda de mais de 11% nas últimas 15 sessões, afastando-se de vez da faixa dos R$ 6,00 — na bolsa, o Ibovespa também teve alívio forte no período, retomando os 90 mil pontos

Atenção com contas públicas

Déficit fiscal poderá ser de 12% do PIB, diz Armínio Fraga

“Estritamente do ponto de vista fiscal, estamos trabalhando com uma margem de manobra muito apertada. Tenho comentado que a consequência disso vai ser um crescimento imenso das necessidades de financiamento do governo”, comentou Fraga ao participar de uma live promovida pelo BTG Pactual

seu dinheiro na sua noite

Velozes e furiosos, parte 91 mil

Eu não sou um grande fã de filmes de ação, e ainda menos da franquia Velozes e Furiosos. Assisti apenas ao primeiro longa da série, tentando imaginar como um roteiro tão desconectado da realidade foi parar nas telas – ainda que tenha seus momentos. Foi só alguns anos depois, durante uma discussão de bar (saudades das […]

ex-ministro da fazenda

Pedro Malan vê excesso de otimismo em órgãos internacionais para o pós-pandemia

O ex-ministro da Fazenda Pedro Malan disse nesta terça-feira, 2, que vê um excesso de otimismo nas previsões de organismos internacionais, como o Fundo Monetário Internacional (FMI), e também de parte do mercado, de uma recuperação na forma de “V” após a pandemia do coronavírus

Procurador-geral da República

Alinhado a Bolsonaro, Aras diz que Forças Armadas podem atuar em caso de ruptura

A posição do procurador está alinhada à do presidente Jair Bolsonaro, que tem citado o artigo 142 da Constituição como uma saída para a crise do governo com o Supremo

Alívio inesperado?

Dólar despenca a R$ 5,20 e Ibovespa sobe forte: o que aconteceu com o mercado?

Enquanto o mundo passa por forte turbulência, os mercados estão mais calmos que nunca: o dólar teve a maior queda diária desde 2018 e o Ibovespa foi às máximas em quase três meses

Dados de associação

Comércio paulistano cai 67% nas vendas de maio

Mês é estratégico em razão do Dia das Mães

Presidente da Câmara

MP que estabelece crédito para folha de pagamento não pode ser votada, diz Maia

Editada no dia 3 de abril, a medida estabelece uma linha de crédito de R$ 34 bilhões para garantir o pagamento dos salários em empresas com receita anual entre R$ 360 mil e R$ 10 milhões durante a pandemia do coronavírus

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements