Menu
2019-10-10T14:29:09-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
em evento

Bolsonaro, Guedes e Onyx tentam atrair dinheiro gringo para o Brasil

No Fórum de Investimentos Brasil, discursos de autoridades brasileiras reforçaram valores como democracia, liberdade econômica e desenvolvimento sustentável

10 de outubro de 2019
11:47 - atualizado às 14:29
10/10/2019 Cerimônia de Abertura do Fórum de Investimentos Bra
Presidente da República, Jair Bolsonaro durante a Cerimônia de Abertura do Fórum de Investimentos Brasil 2019. - Imagem: Marcos Corrêa/PR

Como vender um país? O Fórum de Investimentos Brasil, organizado pelo governo tenta fazer isso, ao colocar o presidente Jair Bolsonaro e seus ministros para recepcionar investidores, empresários e oficiais de outros países.

Bolsonaro foi o último a falar na cerimônia de abertura. Dispensou o discurso preparado de 29 páginas e falou sobre sua trajetória, sobre Roraima, convidou os estrangeiros a conhecer a Amazônia, ressaltando que eles não seriam queimados, reforçou o respeito aos contratos e o protagonismo de Paulo Guedes na condução da economia e a autonomia de facto do Banco Central (BC).

“Só ligo pro BC depois que ele decide Copom. Não interfiro em nada. Campos Neto fala 100% pelo BC. Não sei se o Paulo Guedes interfere”, disse Bolsonaro em tom de piada, virando olhar para Paulo Guedes, sendo brevemente aplaudido pela plateia.

Antes disso, o presidente tinha pedido a edição de domingo do jornal “Estado de S.Paulo”, para ressaltar que a “Economia é 100% com o Guedes e não tem plano B”.

O tema Amazônia e desenvolvimento sustentável ou, como diz Bolsonaro, casamento entre meio ambiente e progresso, perpassou boa parte da fala, na qual ele reafirmou a ideia de autorizar garimpos para indígenas e homens brancos.

Livre mercado

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, deitou seus contumazes elogios a Bolsonaro e ressaltou um “nacionalismo de fins”, no qual o país quer parcerias sólidas com todos os demais países visando crescimento.

Onyx ressaltou que somos um país com regras claras, tendo liberdade como princípio, livre mercado e mérito.
“O Brasil agora tem previsibilidade para quem quiser investir”, disse, complementando que as empresas que decidirem aportar recursos têm a certeza de que “o Brasil estará solvido do ponto de vista fiscal e com oportunidades”.

Em um apelo direto, Onyx disse que o governo brasileiro quer conquistar a confiança do investidor e fazer com que ele olhe o Brasil como seguro e rentável.

Guedes destacou a democracia e o livre mercado como “guia” do governo. Ele também elogiou a liderança de Bolsonaro e agradeceu o apoio de um “novo Congresso”. “Tem uma revolução acontecendo sob princípios liberais e democratas.”

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

rearranjo no segmento

Dona da Farm negocia fusão com a Shoulder, de moda feminina

Empresas mantém conversa “em fase preliminar”, em um momento de rearranjo do segmento; Grupo Soma comprou recentemente a NV e a Lauf

Meme bilionário

O que está por trás da valorização de 500% do Dogecoin em uma semana?

O projeto levou várias pessoas a ficarem milionárias, mas pode fazer muita gente perder dinheiro daqui para frente

Chama o doutor

Após desconto em IPO, ações da Mater Dei estreiam em queda na B3

A situação atual do mercado e a fila de companhias de saúde prontas para abrirem o capital prejudica a rede de hospitais

mudanças na estatal

Conselho confirma general indicado por Bolsonaro para presidir Petrobras e novos diretores

Joaquim Silva e Luna assume o cargo então ocupado por Roberto Castello Branco Branco, demitido porque Bolsonaro estava insatisfeito com política de preços

Só a Vale salva

Tá difícil viver de renda: empresas cortaram R$ 38 bilhões em dividendos na pandemia

Muitas companhias optaram por distribuir menos dinheiro aos acionistas e preservar o caixa durante a crise econômica

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies