Menu
2019-06-29T11:37:02-03:00
Estadão Conteúdo
O que vem pela frente

G20 reconhece risco de tensões geopolíticas e comerciais à economia global

Reconhecimento de uma nova realidade comercial aponta uma mudança em relação ao comunicado da reunião de 2018

29 de junho de 2019
11:34 - atualizado às 11:37
G20
G20 - Imagem: Alan Santos/Presidência da República

O comunicado final da reunião de cúpula do G20 reconheceu a intensificação das tensões geopolíticas e comerciais e apontou que essas questões são riscos à expansão da economia mundial.

"O crescimento global parece estar se estabilizando e, em geral, prevê-se uma recuperação moderada no fim deste ano e ao longo de 2020. Essa recuperação é apoiada pela continuação de condições financeiras acomodatícias e medidas de estímulo em vigor em alguns países. No entanto, o crescimento permanece baixo e os riscos estão inclinados para o lago negativo", diz o texto.

O reconhecimento dos riscos derivados das tensões comerciais aponta uma mudança em relação ao comunicado da reunião do G20 de 2018, quando não havia menção à escalada de medidas protecionistas por parte dos membros do grupo, apenas uma menção a "questões comerciais".

O texto deste ano aponta, ainda, que os líderes do G20 reafirmaram o compromisso de usar "todas as ferramentas de políticas para alcançar um crescimento forte, sustentável, equilibrado e inclusivo" com a intensificação do diálogo entre os integrantes do grupo e com ações para aumentar a confiança.

O comunicado do G20 apontou, ainda, que a política fiscal deve ser "flexível e favorável ao crescimento", ao mesmo tempo em que ressaltou que a recomposição de colchões e a garantia da dívida como parcela do Produto Interno Bruto (PIB) estão em um caminho sustentável.

Em relação à política monetária, os líderes do G20 pontuaram que ela continuará a apoiar a atividade econômica e a assegurar a estabilidade de preços.

"As decisões dos bancos centrais precisam permanecer bem comunicadas", destacaram. Para eles, ainda, a implementação de reformas estruturais aumentará o potencial de crescimento.

Sobre o Acordo de Paris de mudanças climáticas, o comunicado explicita que os países signatários do tratado reafirmaram o compromisso com sua implementação completa, refletindo responsabilidades comuns e diferenciadas, conforme suas respectivas capacidades e circunstâncias próprias.

O documento menciona, que, em 2020, os líderes dos países que apoiam o acordo pretendem comunicar, atualizar ou manter as contribuições determinadas, "levando em conta que mais esforços globais serão necessários".

Os Estados Unidos reiteraram a decisão de abandonar o Acordo de Paris com a alegação de que o pacto coloca em desvantagem os trabalhadores americanos.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

balanço

Pix movimenta R$ 11,8 bilhões na primeira semana de operação

Volume considera as transações realizadas entre o dia 16 de novembro, início da ferramenta, até ontem, dia 22

ainda não é oficial

Biden deve nomear Janet Yellen como secretária do Tesouro, diz jornal

Se confirmada pelo Senado, Janet Yellen será a primeira mulher a assumir a função; bolsas subiram com a notícia

fim do dia

Tudo para cima: Ibovespa fecha em alta com vacina de Oxford 70% eficaz, enquanto risco fiscal pressiona dólar e juros

Principal índice da B3 fecha no maior patamar desde 21 de fevereiro e acumula ganhos de 14% em novembro. Paralisia com reformas e crescente dívida pública instigam alta da moeda americana

Corrida contra o tempo

Moody’s: vacinação em massa tem potencial significativo de melhora do PIB global

Hoje foi a vez da AstraZeneca, que seguiu as farmacêuticas Moderna e Pfizer nas semanas anteriores, todas com eficácia na casa dos 90%.

privatizações na agenda

Guedes diz que é preciso privatizar os Correios ‘antes que o ativo se deteriore’

Ministro classificou como importante a rede de entregas da estatal; ele justificou demora em desestatizações e reiterou que auxílio emergencial acaba no final do ano

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies