Menu
2019-06-26T11:03:29-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
desenhando o cenário

Confiança do comércio tem primeira alta do ano, informa FGV

Índice de Confiança do Comércio (Icom) subiu 1,8 ponto na passagem de maio para junho, aos 93,2 pontos; Já confiança da construção avançou para 82,8 pontos

26 de junho de 2019
10:56 - atualizado às 11:03
Comércio
Imagem: Fotos Públicas

O Índice de Confiança do Comércio (Icom) registrou o primeiro avanço em 2019: subiu 1,8 ponto na passagem de maio para junho, aos 93,2 pontos, informou nesta quarta-feira, 26, a Fundação Getulio Vargas (FGV). Em médias móveis trimestrais o indicador cedeu 1,2 ponto, quarta queda consecutiva.

Segundo o coordenador da Sondagem do Comércio no Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV), Rodolpho Tobler, o o resultado positivo do em junho foi influenciado pela melhora das expectativas. "Apesar da melhora, o IE-COM ainda está em nível semelhante ao do período eleitoral, sugerindo que ainda há um processo de calibragem depois de fortes quedas ao longo do início do primeiro semestre", diz.

O especialista ainda pondera que a nova queda dos indicadores de situação atual mostra que os empresários do setor estão incomodados com o ritmo das vendas, reforçando o cenário de recuperação gradual, dada a vagarosa recuperação do mercado de trabalho e o nível baixo da confiança dos consumidores.

Em junho, houve aumento na confiança em oito dos 13 segmentos pesquisados. O Índice de Expectativas (IE-COM) avançou 5,1 pontos em junho, mas ainda se encontra em patamar desfavorável, aos 99,9 pontos. Por outro lado, o Índice de Situação Atual (ISA-COM) recuou 1,5 ponto em junho, para 86,8 pontos, menor patamar desde dezembro de 2017.

"As variações do ICOM têm sido mais influenciadas pela volatilidade das expectativas ao longo dos últimos meses", diz Tobler.

A coleta de dados para a edição de junho da Sondagem do Comércio foi realizada entre os dias 3 e 24 do mês e obteve informações de 851 empresas.

Confiança da construção avança 2,1 pontos

A FGV também divulgou a confiança da construção, que avançou 2,1 pontos em junho ante maio, para 82,8 pontos, depois de ter recuado 1,8 ponto no mês anterior. Em médias móveis trimestrais, o indicador se manteve relativamente estável, ao variar 0,1 ponto, após três meses de queda.

O Índice Nacional de Custo da Construção - Mercado (INCC-M) de junho, por outro lado, acelerou o ritmo de alta a 0,44%, após 0,09% em maio. A taxa do indicador relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços desacelerou a velocidade de elevação a 0,11%, na comparação com 0,18% no quinto mês do ano. Em contrapartida, a taxa do índice referente à Mão de Obra avançou a 0,72% em junho, depois de 0,01% em maio.

Ainda que tenha mostrado uma "melhora significativa" dos indicadores em junho, a coordenadora de Projetos de Construção do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre/FGV), Ana Maria Castelo, avalia que o aumento da confiança da construção não repõe as perdas dos últimos meses. "Assim, a percepção dominante é que ao longo do semestre a atividade encolheu e aumentou o pessimismo."

Em junho, a alta do confiança da construção deveu-se tanto à melhora da situação corrente das empresas quanto às perspectivas de curto prazo do empresariado. O Índice da Situação Atual (ISA) avançou 1,2 ponto, atingindo 73,6 pontos, nível abaixo do alcançado em dezembro de 2018 (74,7 pontos).

Esse resultado foi obtido pela melhora da percepção sobre a situação atual da carteira de contratos, cujo avanço foi de 1,4 ponto, para 72,1 pontos, e da melhora da situação atual dos negócios, que subiu 1,1 ponto, para 75,3 pontos.

No caso do Índice de Expectativas, o aumento foi de 3,1 pontos, chegando a 92,5 pontos. Dentro do IE, os dois quesitos apurados contribuíram para o resultado. O indicador de demanda prevista nos próximos três meses subiu 3,8 pontos, para 93,2 pontos, o maior nível desde fevereiro (95,3 pontos), enquanto o indicador de tendência de negócios nos próximos seis meses teve elevação de 2,4 pontos, para 91,9 pontos, interrompendo uma sequência de quatro meses de queda.

O Nível de Utilização da Capacidade Instalada (Nuci) do setor avançou 2,0 pontos porcentuais, para 68,3%, o maior patamar desde novembro de 2015 (68,8%). Tanto o Nuci para Máquinas e Equipamentos quanto o Nuci para Mão de Obra também tiverem variações positivas: 1,4 e 2,1 pontos porcentuais, respectivamente.

*Com Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Tamanho menor

Zara fecha sete lojas no Brasil em plano de reorganização

O plano da empresa foi traçado em 2020 e, no Brasil, começou ainda no ano passado, com o fechamento de lojas nas cidades de Joinville (SC) e São José dos Campos (SP)

Seu Dinheiro no sábado

A única coisa que Bill Gates não pode comprar

Troca de presidente nos Estados Unidos, início da vacinação para covid no Brasil e comunicado do Banco Central com vocabulário novo. A semana que se encerra trouxe novidades importantes. É bem verdade que também teve notícia velha, daquelas que encontramos todos os dias: disputas políticas entre Jair Bolsonaro e João Dória, caos nos hospitais públicos […]

Sem dieta

McDonald’s tem planos de abrir 50 novos restaurantes na América Latina, 80% deles no Brasil

Rede pretende investir até US$ 130 milhões (R$ 690 milhões) na região e também quer reforçar o drive-thru, delivery e o aplicativo

Bilionário imunizado

Adivinha quem já foi vacinado? Bill Gates compartilha foto e diz como se sente após tomar 1ª dose

Fundador da Microsoft compartilhou foto do momento em que era vacinado e enalteceu o trabalho dos cientistas, voluntários e profissionais da saúde que trabalham no combate à pandemia

Início de cobertura

Após queda de 56%, XP revela o que espera das ações da dona da rede de restaurantes Frango Assado e Pizza Hut no Brasil

Os analistas da corretora iniciaram a cobertura das ações da IMC com recomendação neutra e preço-alvo de R$ 4,00, o que indica um potencial de alta de 8%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies