Menu
2019-03-20T16:24:30-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Juros

Fed mantém taxa de juros e reforça que será “paciente”. Mercado reage positivamente

Banco Central americano deixa taxa entre 2,25% e 2,5% e diz que atividade segue firme, mas em ritmo menor que o visto no fim de 2018.

20 de março de 2019
15:13 - atualizado às 16:24
Jerome Powell, presidente do Federal Reserve
Jerome Powell, presidente do Federal Reserve -

O Federal Reserve (Fed), banco central americano, manteve a taxa de juros entre 2,25% e 2,5%. No comunicado apresentado após a reunião, o colegiado comandando por Jerome Powell refirma que será “paciente” na condução da política monetária para garantir a expansão da economia, fortes condições no mercado de trabalho e inflação na meta de 2%.

A decisão veio dentro do esperado, mas teve impacto positivo no mercado, pois o conhecido "gráfico de pontos", que capta a expectativas do membro do colegiado não projeta mais elevação de juros agora em 2019. As bolsas americanas operavam em baixa e mudaram de rumo após a decisão. O Dow Jones caia 0,62% antes do anúncio e, há pouco, subia 0,11%. O S&P 500 saiu de baixa de 0,46% para alta de 0,33%.

Na avaliação sobre o ambiente econômico, o Fed reconhece que o mercado de trabalho permanece forte, mas que o crescimento da atividade está menor se comparado ao fim do ano passado.

Além disso, dados recentes sugerem menor crescimento do consumo e dos investimentos no primeiro trimestre. Algo que era visto como “crescendo solidamente” na reunião realizada no fim de janeiro.

Segundo o Fed, a inflação, medida em 12 meses, recuou captando, basicamente, o comportamento dos preços de energia e alimentos. Tirando esses itens, a inflação segue ao redor dos 2%.

O Fed também anunciou uma nova estratégia envolvendo seu balanço de ativos. Entre as ações está a redução no ritmo mensal de diminuição de US$ 30 bilhões para US$ 15 bilhões. A partir de outubro, o Fed também passará a reinvestir em títulos do Tesouro os pagamentos de juros e principal que recebe de outros ativos, até o limite de US$ 20 bilhões.

Em apresentação, o presidente Jerome Powell, explicou que a redução na expectativa de crescimento e aperto nas condições financeira, no fim de 2018, estão entre os fatores que garantem essa “paciência” do Fed na definição da política monetária. Outros fatores citados foram a redução do crescimento em outros países, o Brexit e as disputas comerciais globais. A projeção de crescimento, que estava na linha de 2,5% em setembro, caiu para a casa de 2,1% agora. Apesar disso, ele afirma que as perspectivas ainda são positivas para o ano. "É um bom momento para sermos pacientes", disse Powell, em conversa com jornalistas.

 

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Em baixa

Índice alemão IFO de sentimento das empresas sobe levemente em fevereiro

Resultado surpreendeu negativamente analistas consultados pelo The Wall Street Journal

Tensão no exterior

Surto de coronavírus na Itália gera pânico e faz as bolsas globais despencarem

A aversão ao risco toma conta dos mercados globais nesta segunda-feira, em resposta à chegada do coronavírus à Europa. As bolsas do velho continente despencam e os futuros de NY caem forte

Hora de mudar

Doria diz que Brasil deve se reposicionar sobre política ambiental

Governador paulista vê risco de o país ficar cada vez mais fora da mira dos investidores internacionais

Dinheiro no bolso

Bancos distribuem R$ 52 bilhões em dividendos a seus acionistas em 2019

Para este ano, porém, o valor dos dividendos pode ser menor por conta do menor volume de crédito fornecido pelos grandes bancos

Surto mundial

Aústria interrompe tráfego de trens para a Itália por receio do coronavírus

Casos italianos da doença aumentaram para pelo menos 152, o maior número fora da Ásia

Agenda de resultados

Em clima de Carnaval, Ambev divulga balanço anual nesta semana; veja o que esperar dos números

Cervejaria tem tudo para entregar resultados mais positivos em 2019, após sofrer com números fracos e a maior concorrência nos últimos anos

Acesso liberado

Os segredos da bolsa: ações para não ficar de ressaca na quarta-feira de cinzas

Enquanto a bolsa está fechada para o Carnaval, fique atento ao desempenho dos ADRs de companhias brasileiras nos EUA — eles darão uma pista importante sobre como será a reabertura das negociações por aqui, na quarta-feira

Clima tenso na política

Bolsonaro ainda não respondeu carta dos governadores, diz Doria

Mandatários estaduais acusam o presidente de dar declarações que ferem a democracia brasileira

Planejando o futuro

3 erros que você deve evitar ao planejar seus investimentos para aposentadoria

Fique de olho pois nesse longo caminho existem algumas ciladas que muita gente acaba caindo

Os movimentos do magnata

Warren Buffett vendeu mais de US$ 800 milhões em ações da Apple no último trimestre. Mas o que isso significa?

Conheça algumas razões para que esse volume de ações da Apple tenha saído das mãos de um dos maiores investidores do mundo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements