Menu
2019-05-01T17:11:52-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Juros

Fed mantém taxa de juros e reafirma paciência

BC americano afirmou taxa entre 2,25% e 2,5% e voltou a falar em sólido crescimento econômico. Presidente Jerome Powell disse que comitê está confortável com atual política monetária

1 de maio de 2019
15:20 - atualizado às 17:11
Fed banco central americano
Sede do Federal Reserve (Fed) - Imagem: Federal Reserve

O Federal Reserve (Fed), banco central americano, manteve a taxa básica de juros entre 2,25% e 2,5%, e reafirmou “paciência” no ajuste das condições futuras da política monetária.

O resultado veio dentro do esperado pelo mercado e junto com a decisão, foi anunciada uma redução na taxa que o Fed remunera o excesso de reservas bancárias depositadas junto à instituição, de 2,4% para 2,35%.

A reação do mercado foi brevemente positiva. O Dow Jones subiu 0,20%, acelerando de 0,11% antes da decisão. O S&P ganhava 0,18%, contra 0,10%, e o Nasdaq tinha valorização de 0,21%, desacelerando de 0,4%. Mas na última meia hora de pregão o humor mudou e os índices fecharam em baixa de 0,61%, 0,57% e 0,75%, respectivamente, mesmo com o tom neutro da decisão e da entrevista do presidente Jerome Powell.

No comunicado apresentado após a decisão, o Fed fala que a economia cresce a uma “taxa sólida”, contrastando com a avaliação de desaceleração com relação a essa “taxa sólida” na sua reunião de março.

No lado da inflação, o BC fala que as medidas “recuaram” e estão rodando abaixo de sua meta de 2%, em comparação com a avaliação anterior de preços ao redor da meta.

Entrevista

O presidente do Fed, Jerome Powell, reconheceu que os dados de crescimento e do mercado de trabalho vieram mais fortes do que o antecipado, enquanto a inflação surpreendeu para baixo, refletindo a queda no preço do petróleo no começo do ano.

Ainda assim, o Powell reafirmou ao longo da entrevista que o Fed está confortável com o desenho atual da política monetária e que o comitê não leva em conta flutuações de curto prazo. “O comitê está confortável com a nossa política atual.”

A inflação baixa, disse ele, permite que o Fed seja paciente em determinar os próximos passos da política monetária e que movimentos de alta ou baixa são considerados apenas quando há mudanças de tendência nos preços, mas que esse não parece ser o caso agora.

Com relação ao crescimento, Powell disse esperar um resultado “saudável” para o restando do ano, com alguma recuperação do consumo e do investimento.

O Fed também vê condições financeiras melhores que na reunião de março, reflexo das ações de política monetária e fiscal não só nos EUA, mas de outros países.

O sistema financeiro está sólido e bem capitalizado e eventual preocupação com o estoque de dívida não financeira decorre do impacto que esse ambiente poderia ter no crescimento futuro da economia.

Sobre as reclamações e pressões do presidente Donald Trump, Powell voltou a dizer que o Fed não é uma instituição política com preocupações de curto prazo e que a instituição mantém o foco na sua missão de manter a inflação próxima de 2% com pleno emprego.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

atenção, acionista

Carrefour paga R$ 175 milhões em juros sobre capital próprio e altera valor de dividendos

Cifra equivale a R$ 0,088148225 por ação em circulação; também anunciou uma modificação do valor por ação dos dividendos aprovados em abril, de R$ 0,382372952 para R$ 0,382361396

maior apetite por risco

Empresas do Brasil captam US$ 4,6 bilhões; montante deve aumentar com ofertas de Stone e Light

Emissores brasileiros haviam paralisado planos de captar no exterior nos últimos meses, em meio à turbulência interna com a pandemia e o aumento do juro norte-americano

em meio ao aumento de consumo de frango

SuperFrango, de Goiás, retomará IPO de R$ 1 bilhão

Após resolver adiar a operação, a empresa fará uma apresentação mais cuidadosa de seu negócio aos analistas; oferta é estimada entre R$ 1 bilhão e R$ 1,5 bilhão

levantamento

Estatais descumprem critérios do marco do saneamento

GO Associados calculou que as companhias públicas do Rio Grande do Norte, Santa Catarina, Alagoas, Maranhão, Amazonas, Pará, Piauí, Roraima, Rondônia e Amapá não atendem a todos os critérios da “etapa 1” do decreto – que prevê o cumprimento de índices mínimos dos indicadores econômicos-financeiros

questionamentos em brasília

Novo marco de saneamento é alvo de ofensiva no Supremo e no Congresso

No Supremo, mais de 20 empresas estatais que prestam hoje serviços no setor querem a volta da possibilidade de fechar os chamados “contratos de programa”, diretamente com as Prefeituras e sem licitação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies