Esse conteúdo é exclusivo para o
Seu Dinheiro Premium.
Seja Premium
Quero ser Premium Já sou Premium
O que você vai receber
Conteúdos exclusivos
Indicações de investimento
Convites para eventos
Principais ações indicadas pelas corretoras em dezembro - Seu Dinheiro
Menu
2019-12-05T07:56:00-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
SD Premium - Ações do mês

Varejistas no topo e de olho em 2020: as principais indicações de ações para fechar bem o ano

Natal, Black Friday, 13º na conta e o saque do FGTS impulsionam as ações do setor de consumo, para a alegria das varejistas. Confira as indicações

5 de dezembro de 2019
5:34 - atualizado às 7:56
Selo Ação do mês
Selo Ação do mês - Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

Dezembro sempre chega acompanhado de algumas tradições. É hora de correr para comprar presentes para entes queridos e o amigo secreto da firma, montar a árvore de natal e planejar o ano novo. No meu caso ainda tenho uma celebração a mais na lista: também comemoro o meu aniversário.

Aqui no Seu Dinheiro já virou tradição de começo de mês trazer para você o Top 3 das ações recomendadas pelas corretoras e instituições financeiras.

Posso adiantar que o setor que mais se destacou nas minhas conversas tem tudo a ver com esse período festivo. Para o economista da Nova Futura, André Alírio, o setor de consumo está entre os que mais vão se beneficiar da gradual recuperação econômica, ainda em 2019.

“Nossas ações recomendadas priorizam segmentos vinculados ao consumo e que já estejam com boa performance, associados justamente a essa recuperação da economia”. Já deu para sentir um gostinho de quem se destacou no nosso pódio nessa arrancada final do ano, né?

Com a economia mais aquecida e representando as varejistas, com quatro indicações, o Grupo Pão de Açúcar (PCAR4) foi o campeão do mês, seguido de perto pelas ações da Via Varejo (VVAR3), indicada três vezes. O Banco do Brasil (BBAS3) fecha o top 3, também com três indicações.

Confira a lista completa de papéis recomendados, que conta com um total de 31 ações diferentes. Você pode conferir as ações indicadas no mês passado neste link.

Negócios de família

A Via Varejo (VVAR3) faz a sua estreia entre as queridinhas do mês. Os papéis ordinários da companhia dona de marcas como Casas Bahia, Ponto Frio e Extra.com tem reconquistado o coração (e a carteira) dos investidores desde que a família Klein voltou ao controle, em junho deste ano.

E as expectativas para 2020 não poderiam ser melhores. Como já falamos, o cenário para o consumo se mostra cada vez mais positivo e a intensa reorganização operacional comandada por Michael Klein deve mostrar o seu impacto já no ano que vem. 

A família Klein hoje detém cerca de 28% das ações da Via Varejo, que tem Michael como presidente do conselho de administração. Em 2019 os papéis da companhia apresentam uma valorização de 116,40%.

Os últimos anos foram bem complicados para a companhia. Tanto que as primeiras mudanças não demoraram a chegar após a retomada do controle pela família fundadora. O varejo físico e digital foram reintegrados e a empresa corre atrás do prejuízo tecnológico.

Klein usou como cartada para compor a sua gestão grandes executivos de empresas como Magazine Luiza, iFood e Mercado Livre e contratou a consultoria da gigante McKinsey para ajudar na transformação digital da Via Varejo, que deve ser o pilar de expansão para os próximos anos.

Provando que as coisas agora as coisas serão diferentes no digital, a companhia também lançou o banco digital banQi. Uma parceria com a Airfox, a plataforma é voltada para às classes C, D e E.

Mas nem tudo são flores e os últimos meses foram bem agitados para a companhia. Primeiro, a chegada da Amazon Prime no Brasil balançou as ações das varejistas (Via Varejo inclusa). Depois, uma denúncia anônima na empresa envolvendo possíveis irregularidades contábeis foi gatilho para a criação de um comitê de investigação. A notícia trouxe grande volatilidade aos papéis.

Por fim, houve a divulgação do balanço do terceiro trimestre. A dona das Casas Bahia anunciou um prejuízo líquido de R$ 383 milhões, mas por estar longe de ser uma surpresa, o resultado não afetou negativamente a empresa. As ações responderam bem já que o projeto de reestruturação comandado por Klein dá margem para otimismo.

A liberação do FGTS, Black Friday e o Natal impulsionam ainda mais as boas perspectivas para a companhia. “Esperamos números positivos para Via Varejo no final do ano. Para o ano que vem, com a expectativa da retomada do consumo, a companhia deve ser uma das principais empresas a capturar esse possível aumento no consumo do varejo”, conta o analista  Luis Sales, da Guide Investimentos.

No último mês, a ação teve uma valorização de 25,50% e estava cotada a R$ 9,50 no fechamento do dia 03/12.

Mudanças à vista

Falando em Via Varejo, a sua ex-controladora, o Grupo Pão de Açúcar (PCAR4), também se beneficiou bastante da venda da fatia para a família Klein. Em um cenário amplamente positivo para a companhia, as ações preferências do GPA foram as favoritas dos analistas.

E essa venda foi justamente o ponto de virada para a companhia, que nos últimos três anos vinha tentando se desfazer da dona das Casas Bahia e sofria também com o noticiário negativo em torno de sua controladora, a varejista francesa Casino, sempre cercada de polêmicas.

Ao vender sua fatia para Klein, o GPA conseguiu um bem-vindo alívio no caixa e passou a focar sua atenção na comercialização de gêneros alimentícios, que proporcionam uma margem muito maior e menos cíclica que o segmento de eletrodomésticos. O dinheiro extra foi aplicado rapidamente e o GPA comprou a varejista colombiana Éxito, forte regionalmente no ramo alimentício.

A companhia está em ritmo acelerado e correndo atrás do tempo perdido. Depois de dois anos sem abrir lojas, planeja inaugurar de cinco a sete novas unidades e reformar outras 17 para implantar um novo modelo de varejo, apoiado no uso de tecnologia digital e produtos frescos. 

Para Rafael Cardoso, do Daycoval investimentos, questões ligadas à reestruturação da companhia e o lento processo de retomada econômica brasileira não ajudaram o grupo a sustentar os preços dos papéis em R$ 100. Mas os próximos resultados devem vir mais fortes e impulsionar a alta. “Dados de atividade, consumo e renda mais sólidos tendem a favorecer a alta de preços embasada nos bons fundamentos do ativo”, comenta.

No terceiro trimestre, a empresa derrapou e apresentou números menores do que os esperados. O lucro líquido aos controladores consolidado subiu 29,9% e foi a R$ 128 milhões. A receita líquida teve uma alta de 2,9%, indo a R$ 6,578 bilhões, mas a expectativa do mercado era uma alta em torno dos 10%.

Após a venda da Via Varejo e a reestruturação, o próximo passo do Pão de Açúcar é converter suas ações para ordinárias (ON, com direito a voto) e adentrar o Novo Mercado na bolsa de valores.

A melhora na governança, inclusive, é outro ponto de destaque no mês. A assembleia que deve deliberar acerca da passagem para o Novo Mercado está marcada para o dia 30. Ilan Arbetman, analista da Ativa Investimentos, destaca a importância do momento e comenta: “Acreditamos que a precificação do papel se intensifique já ao longo do mês”.

Em sua primeira aparição em nosso ranking, em julho, a possibilidade da migração já mexia com as ações. No último mês, a ação apresentou uma queda de 5,60%, puxado pelos resultados mais fracos do que o esperado, e estava cotada a R$ 79,59 no fechamento do dia 03/12.

Vende-se?

As ações ordinárias do Banco do Brasil (BBAS3) não são nenhuma novidade nas listas das mais queridas do mercado. 

Desde o começo do ano o ativo tem se mantido firme e constante entre as indicações. Grande parte pela guinada liberal que o governo Bolsonaro trouxe para o banco estatal. A defesa de uma extensa pauta de privatização faz os olhos dos investidores brilharem. E assim, em 2019, o ativo acumula uma alta de 9,09%.

Depois do presidente Rubem Novaes defender a privatização do banco, recentemente foi a vez do ministro da economia Paulo Guedes e sua equipe trazerem o tema novamente para a roda. 

Segundo uma publicação do jornal O Globo, a equipe econômica comandada por Guedes estuda e tenta convencer o presidente Jair Bolsonaro da necessidade de privatização do Banco do Brasil. O mercado se animou com a notícia e as ações tiveram uma alta de 2,02%. Ontem, porém, o presidente Jair Bolsonaro descartou a venda do controle da instituição.

Com ou sem privatização, os mercados continuam comemorando os números relacionados aos desinvestimentos feitos pelo BB, como, por exemplo, a oferta de ações bilionária com a venda de papéis que pertenciam ao fundo de infraestrutura do FGTS e à tesouraria do banco.

Em sua carteira de recomendações para o mês de dezembro, a Necton destaca os números recentes do banco, que têm mostrado gradual ganho de rentabilidade nos últimos anos e um crescimento de 13,3% na margem financeira líquida.

O guidance (projeção) da companhia para o consolidado do ano também traz bons sinais de recuperação e mostra números cada vez mais próximo aos dos bancos privados. No terceiro trimestre, o banco estatal teve um lucro líquido de R$ 4,543 bilhões, uma alta de 33,5%.

Segundo a Necton, "em termos de múltiplos de negociação, o Banco do Brasil encontra-se descontado frente aos seus pares". No último mês, os papéis da companhia se valorizaram cerca de 2,78% e estavam cotados a R$ 48,39 no fechamento do dia 03/12.

E o que esperar de 2020?

Eu considero dezembro um mês de reflexão dos onze meses que passaram e uma preparação para o ano que logo chega. Por isso, quando fui conversar com os analistas e gestores para saber quais as ações favoritas para o mês, não pude deixar de pedir alguns spoilers sobre o que eles esperam para 2020.

No geral, economistas e analistas esperam um ano de destaque para a agenda econômica, principalmente no andamento de pautas como a reforma tributária e o pacto federativo. André Alírio, economista da Nova Futura, por exemplo, acredita que a bolsa tem um potencial de crescimento entre 20% a 30% no próximo ano.

Depois do ano de ‘teste’, a cobrança por resultados mais consistentes também será grande. “Esperamos ao longo do ano uma economia mais responsiva e que já comece a mostrar alguma evolução qualitativa”, diz Ilan Albertman, da Ativa.

O analista também acredita que o Banco Central continuará com os cortes de juros, iniciado em julho, mas, apenas uma vez, o que pode fazer a Selic chegar a 4,00%. Um corte adicional ainda é esperado em 2019.

Wagner Faccini Salaverry, da Quantitas, também vê ano positivo para o mercado brasileiro. No radar está um crescimento de vendas e resultados para as companhias negociadas, aumento de investidores na renda variável e a manutenção dos juros em patamares historicamente baixos

“Esperamos que a combinação desses fatores permita a valorização tanto pela correção dos lucros quanto pelo aumento dos múltiplos de negociação pagos pelos investidores”, diz Salaverry.

Rafael Cardoso, economista-chefe do Banco Daycoval, destaca alguns eventos importantes para o primeiro semestre do ano que vem, como o impulso da atividade econômica motivado pelo saque do FGTS. Para o analista, a inflação também deve terminar o ano pressionada, posição que deve se manter no início de 2020.

O ano eleitoral, com eleições municipais após o recesso de julho, deve esvaziar o Congresso na segunda parte do ano. Isso pode atrapalhar a aprovação do “Plano Mais Brasil”, apresentado pelo governo recentemente. "Acreditamos que a PEC Emergencial deverá ser aprovada no primeiro trimestre do ano, mas somos céticos quanto as demais medidas", completa Cardoso.

Lá fora, tanto Rafael Cardoso como Ilan Arbetman apostam no avanço de um acordo na guerra comercial, mas uma solução definitiva ainda deve demorar. “Esperamos que elas continuem se arrastando, dado que seu principal ponto envolve tecnologia, e as discussões ainda se encontram fora do eixo central e focada em questões muito incipientes”, afirma o analista da Ativa.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

precaução

Por receio do coronavírus, China adia reabertura do mercado de ações

Originalmente, os negócios nas bolsas de Xangai e de Shenzhen seriam retomados na sexta-feira; agora, serão voltam segunda

Produtos de investimento

Na disputa com plataformas, Itaú lança fundo que segue carteira recomendada pelo banco

Fundo lançado há pouco mais de uma semana na rede já conta com R$ 500 milhões em patrimônio e permite que cliente invista em toda a carteira de recomendações em um único produto

Vítima da guerra das maquininhas

Lucro da Cielo cai pela metade em 2019 e despenca 68% no 4º trimestre

A estratégia deliberada da empresa controlada por Banco do Brasil e Bradesco é sacrificar as margens de lucro para defender a liderança do mercado de maquininhas de cartão. Os números refletem bem esse esforço, para o bem e para o mal

POLÍTICA

Moro diz que quem vai decidir o vice (em 2022) é o presidente; mas ideal é o vice Mourão

O ministro considerou que “pode ser que no futuro lá distante volte a se cogitar isso” e defendeu: “Não acho uma boa ideia”. “Os ministérios juntos são mais fortes.”

APROVADA SEM RESTRIÇÕES

Cade aprova compra da Embraer pela Boeing

A operação analisada pelo Cade prevê duas transações. Uma delas consiste na aquisição pela Boeing de 80% do capital do negócio de aviação comercial da Embraer, que engloba a produção de aeronaves regionais e comerciais de grande porte (operação comercial)

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Bolsa contaminada pelo coronavírus

Caro leitor, A semana começou mal para as bolsas do mundo todo. O avanço do coronavírus na China durante o fim de semana colocou os mercados de molho nesta segunda. Já foram confirmados quase 3 mil casos em mais de dez países, sendo a maioria deles na China. Até agora, foram computadas 82 mortes. Os […]

Cautela elevada

Em dia de queda de 3% do Ibovespa com alerta sobre coronavírus, ações de drogaria sobem

A disseminação do coronavírus elevou a aversão ao risco nos mercados financeiros, derrubando o Ibovespa e fazendo o dólar romper a marca de R$ 4,20. Apenas cinco ações do índice subiram, incluindo Raia Drogasil

DE OLHO NO CORONAVÍRUS

‘Índice do medo’ atinge patamar visto no auge da guerra comercial e sobe mais de 25%

Na máxima intradiária, o indicador chegou a bater a casa dos 19,02 pontos, valor que não era visto desde outubro do ano passado quando ele atingiu a marca dos 19,28 pontos

CONCESSÕES

Maia definirá até dia 30 quando lei de concessões vai a plenário, dizem deputados

“Se ele (presidente da Câmara) estiver convencido de que esse texto é um texto bom, que atende a sociedade, eu acho que a gente vota ele rápido”, disse também o deputado João Maria

CRÉDITO

Demanda por crédito do consumidor cai em dezembro e cresce em 2019, diz Boa Vista

Considerando os segmentos que compõem o indicador, o Financeiro apresentou elevação de 6,1% no ano, enquanto o segmento Não Financeiro registrou evolução de 2,5% na mesma base de comparação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements