Menu
2019-11-07T10:24:36+00:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Balanço

Banco do Brasil tem lucro maior e reduz distância para concorrentes privados em rentabilidade

No terceiro trimestre, o resultado do banco alcançou R$ 4,543 bilhões, uma alta de 33,5% e acima das projeções dos analistas

7 de novembro de 2019
7:54 - atualizado às 10:24
Fachada do edifício sede do Banco do Brasil em Brasília.
Fachada do edifício sede do Banco do Brasil em Brasília. - Imagem: Fernando Bizerra/Agência Senado

Depois de três anos, o Banco do Brasil se aproxima do objetivo de alcançar o mesmo patamar de rentabilidade dos principais concorrentes privados. No terceiro trimestre, o lucro líquido do banco alcançou R$ 4,543 bilhões, uma alta de 33,5% em relação ao mesmo período do ano passado.

O resultado recorrente – que exclui itens extraordinários do trimestre – ficou acima da projeção média de R$ 4,328 bilhões dos analistas, de acordo com a Bloomberg.

Junto com o lucro, a rentabilidade do Banco do Brasil deu um salto e alcançou 18% no terceiro trimestre, bem acima dos 13,6% do mesmo período do ano passado. Apenas para efeito de comparação, o retorno do Bradesco, o terceiro maior entre os quatro grandes bancos de capital aberto, ficou em 20,2% no terceiro trimestre.

O objetivo de se equiparar aos concorrentes privados foi estabelecido ainda na gestão de Paulo Caffarelli, em 2016, ano em que o retorno do BB foi de apenas 8,8%.

Com um lucro de R$ 13,2 bilhões de janeiro a setembro, o Banco do Brasil não terá problemas em alcançar a meta estabelecida para o ano, que varia de R$ 14,5 bilhões a R$ 17,5 bilhões. O número foi revisado para cima após o resultado do trimestre.

Dentro da linha de melhorar os resultados, o Banco do Brasil selou ontem à noite o casamento com o suíço UBS que marca a criação de um negócio em conjunto na área de banco de investimentos e corretora de valores.

Crédito avança em pessoas físicas

A margem financeira, linha do resultado que contabiliza as receitas com a concessão de crédito menos os custos de captação, aumentou 5,6% em relação ao terceiro trimestre do ano passado e atingiu R$ 9,4 bilhões.

O avanço na margem foi provocado principalmente pelo aumento nos empréstimos nas linhas a pessoas físicas, já que a carteira de empresas continua em queda.

O saldo da carteira de crédito do Banco do Brasil encerrou setembro em R$ 686,7 bilhões – estável no trimestre e 0,7% abaixo do mesmo período do ano passado. A meta do banco, que foi revisada para baixo no segundo trimestre, varia entre uma queda de 2% e uma alta de 1% no crédito em 2019.

Ainda sob o efeito da recuperação judicial do Grupo Odebrecht, o índice de inadimplência do BB alcançou 3,47%, acima dos 3,25% do trimestre anterior e dos 2,81% de setembro do ano passado. Sem o efeito do "caso específico", o indicador teria encerrado o terceiro trimestre em 2,74%.

Apesar do aumento nos calotes e no crédito nos produtos para pessoas físicas, as despesas para cobrir perdas no crédito do Banco do Brasil recuaram 6,9% no trimestre, para R$ 3,3 bilhões. Na comparação com o terceiro trimestre do ano passado, porém, houve uma alta de 2,8%.

Ganho maior com tarifas

O BB também vem apresentando um bom desempenho nas receitas com prestação de serviços e cobrança de tarifas. No terceiro trimestre, elas cresceram 8,7% – acima da meta para o ano, que varia de 5% a 8% – e atingiram R$ 7,5 bilhões.

As taxas de conta corrente, administração de fundos e seguros e previdência ajudaram a puxar esse resultado.

As despesas administrativas do banco subiram apenas 1,5% na comparação com o período de julho a setembro do ano passado, para R$ 7,7 bilhões. A meta do banco para 2019 é de um avanço de entre 2% e 5%.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Tensão nos ares

Crise na Boeing: sindicatos de companhias aéreas temem a liberação do 737 Max

Com a possibilidade de as aeronaves 737 Max da Boeing serem liberadas novamente para voar, os sindicatos das companhias aéreas mostram-se preocupados

Protestos no país

Banco Central do Chile anuncia novas medidas para conter a queda do peso

A autoridade monetária do Chile irá adotar mais ferramentas para frear a trajetória de desvalorização da moeda do país, em meio à onda de protestos sociais vistos nos últimos dias

Renda fixa

CDB com remuneração de até 124% do CDI? É a oferta do C6 Bank

O C6 Bank oferece novas opções de investimento em CDB com resgates mais longos. A rentabilidade pode chegar a 124% do CDI

Expansão no país

Carrefour Brasil investe R$ 2 bilhões e quer mais parcerias

O Carrefour Brasil mostra-se otimista em relação às perspectivas para o país em 2020. Como resultado, o grupo continuará investindo e abrindo novas unidades

Tudo que vai mexer com o seu dinheiro hoje

Inflação e terno preto nunca saem de moda

Um certo frenesi sempre tomou conta das redações do país no dia de divulgação do índice de preços. A inflação brasileira é um número a acompanhar com lupa no noticiário econômico. Em um passado não tão distante, todo o mês os economistas apontavam o vilão dos custos do consumidor. O tomate virou uma espécie de […]

Agora vai?

Declarações de autoridades dos EUA mostram otimismo nas negociações com a China

O tom mais ameno assumido por duas autoridades dos EUA em relação às conversas com a China renova a esperança dos mercados quanto ao fechamento de um acordo

Siga o mestre

Warren Buffett fez novas apostas na bolsa e vendeu parte de suas ações da Apple

Um frenesi toma conta dos mercados americanos nesta sexta-feira: o lendário Warren Buffett comprou ações de duas empresas — o que faz esses papéis dispararem hoje

Feriado? Que feriado?

Os mercados estão abertos lá fora — e as bolsas dos EUA estão nas máximas

Uma sinalização animadora das autoridades americanas quanto às negociações com a China dá força aos mercados globais nesta sexta-feira

Sem crise

Sabesp tem lucro líquido de R$ 1,209 bilhão no 3º trimestre, alta de 113,9%

A Sabesp reportou forte expansão no lucro líquido e no Ebitda no terceiro trimestre deste ano, impulsionada pelo início das operações em Santo André e Guarulhos

Más notícias

A Braskem fechou o trimestre no vermelho e viu sua receita cair 18% em um ano

Empresa cujas ações têm o pior desempenho do Ibovespa no ano, a Braskem reportou um prejuízo líquido de mais de R$ 800 milhões no terceiro trimestre

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements