Menu
2019-11-07T11:56:52-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Não vai ter Disney?

Mais de US$ 21 bilhões saíram do país e fuga tende a aumentar

Ano de 2019 vai confirmando maior saída anual de dólares desde 1982. Olhando em 12 meses, a buraco no fluxo cambial passa dos US$ 41 bilhões

6 de novembro de 2019
15:51 - atualizado às 11:56
Dolar-nota-barco
Imagem: Shutterstock

Os dados do Banco Central (BC) sobre o fluxo cambial mostram que cerca de US$ 21,5 bilhões deixaram o país entre janeiro e outubro. E esses mesmos dados nos mostram que a tendência é de aumento nessa saída nos dois meses que faltam para fechar o ano.

Historicamente, os meses de novembro e dezembro são marcados por saída de dólares, com empresas fechando balanço e remetendo dividendos e investidores fazendo zeragem de posições em renda fixa e ações. Assim, 2019 tem tudo para marcar a maior fuga de capital desde 1982, início da série histórica do BC. Para dar um parâmetro, todos os meses de dezembro desde 2010 têm fluxo negativo. No ano passado, apenas o último mês do ano teve saída de US$ 12,7 bilhões.

Nesta quarta-feira, foi frustrada a expectativa de algum fluxo positivo de capitais em função da baixa participação de companhias estrangeiras no megaleilão da cessão onerosa das áreas do pré-sal. Assim, não chega a surpreender a forte puxada de alta na cotação do dólar, que sobe 2%, uma das maiores altas diárias do ano, para R$ 4,07 (veja nossa cobertura de mercados).

O que os dados do BC e o leilão desta quarta-feira nos contam é que no lado do fluxo não há suporte para acentuados movimentos de queda na cotação da moeda americana. No entanto, o fluxo sozinho não faz preço. Há também a questão das expectativas dos agentes (parte delas frustradas hoje) e essas vão variar de acordo com o humor internacional, novos leilões de infraestrutura e outros vetores.

Antes de seguir adiante, repito aqui o conselho prático, já dado por aqui outras vezes: "Seja qual for o comportamento futuro do câmbio, é prudente você sempre manter uma exposição em dólar na sua carteira. Nós inclusive já escrevemos uma reportagem para ajudar você nessa tarefa."

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

No fim de outubro, o dólar tinha marcado forte queda semanal de 2,7%, e comentamos que a linha dos R$ 4, que era respeitada desde 16 agosto, poderia cair. De fato, o dólar bateu R$ 3,98 no dia 30, mas logo voltou a tomar fôlego.

Na época, a queda vinha sendo atribuída à aprovação final da reforma da Previdência e às expectativas com o leilão do pré-sal. Do lado externo, segue a expectativa de dólar mais fraco em função da queda de juros e outras ações do Federal Reserve (Fed), banco central americano, mas parece que esse vetor tem sido menos determinante na formação de preço por aqui.

Pior desde 1999

De volta aos dados do fluxo cambial, olhando os dados em 12 meses, as cifras são ainda mais chamativas. O fluxo cambial é negativo em US$ 41,554 bilhões, maior cifra desde que abandonamos o regime de bandas cambiais em 1999.

As saídas estão concentradas na conta financeira, que acumula US$ 62,566 bilhões negativos nos 12 meses até outubro. Na conta comercial temos um modesto ingresso de US$ 21,787 bilhões.

Já escrevemos que o leitor não deveria ficar surpreso com tal movimentação do mercado, mas vale lembrar que desde abril, o próprio BC vem alertando para uma mudança estrutural no mercado de câmbio brasileiro.

Em resumo, a queda das taxas de juros no mercado doméstico estimulou um forte movimento de troca de dívidas externas por dívidas locais.

Assim, companhias, notadamente a Petrobras, compraram dólares, pagaram as dívidas externas, e tomaram dívida por aqui. O próprio presidente do BC, Roberto Campos Neto, já explicou em esse fenômeno (veja aqui).

Junto disso, temos que o Brasil deixou de ser o paraíso das operações de arbitragem de taxa de juros (carry-trade). Leia-se, pegar dólar no mercado externo a custo quase zero e virar ganhar Selic de 14% ou mais.

Grosso modo, somando as duas coisas, não temos o dólar de curto prazo vindo arbitrar juros e, além disso, temos maior demanda pela moeda para pagamentos externos.

Quem dá a liquidez em dólares então? Primeiro os bancos, com suas posições vendidas, que estão ao redor dos US$ 23,6 bilhões. Mas como há limites regulatórios, é o BC que vem atuando no mercado à vista, como disse que faria, fazendo a troca de derivativos (swaps) por moeda à vista.

O quadro preocupa? Podemos dizer que não. Como disse o próprio Campos Neto, temos um movimento inédito de alta do dólar com queda da inflação, do risco país e dos juros futuros. A desvalorização não está associada a uma crise de balanço de pagamentos e o mercado também não está pedindo mais juros para financiar a dívida brasileira.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

tensões diplomáticas

Príncipe saudita hackeou celular de Jeff Bezos via WhatsApp, diz jornal

Segundo a publicação, uma análise considerou “altamente provável” que a invasão no telefone tenha sido desencadeada por um arquivo de vídeo

Aumentando o valor de mercado

Caixa Seguridade arrecada R$ 9,6 bilhões com parcerias em preparação para IPO

Arrecadação de R$ 9,5 bilhões é referente às sociedades já anunciadas com a francesa CNP Assurances, a japonesa Tokio Marine e a brasileira Icatu

MANDE SUA PERGUNTA

Tira-dúvidas HOJE às 13h: Como se aposentar aos 40 anos (ou o mais rápido possível)

Rodolfo Amstalden e Richard Camargo falam hoje às 13h sobre metodologia para acelerar independência financeira

Esquenta dos mercados

Um olho em Davos e outro na China: risco de epidemia entra no radar dos mercados

Autoridades chinesas agem rápido para tentar conter a nova espécie de coronavírus encontrada no país. Os mercados globais ensaiam uma recuperação após dia de perdas

na expectativa

Não há prazo para EUA fecharem ‘fase 2’ de acordo com a China, diz secretário

Segundo Mnuchin, a chamada “fase 2” poderá ser concluída antes ou depois da eleição presidencial americana, marcada para novembro

futuro chegou

Brasil cria centro para indústria 4.0 no Fórum Econômico Mundial

Entidade pretende preparar empresas para nova revolução industrial

hora do adeus

BNDES inicia venda de ações da Petrobras e pode levantar até R$ 23 bilhões

Banco público protocolou, junto à CVM, o pedido de registro da oferta pública secundária de até 734,2 milhões papéis ordinários

comunicado

Petrobras diz que Carf proferiu decisão desfavorável à empresa em processos de R$ 9 bilhões

Segundo a companhia, as ações tratam da cobrança de PIS/Cofins-Importação sobre as remessas ao exterior para pagamento de contratos de afretamento em 2011 e 2012

Levantamento

Fontes de renda extra e foco na casa própria: como as classes C e D poupam e organizam as finanças

De acordo com pesquisa feita para o Seu Dinheiro, um terço das pessoas de classes C e D trabalha a mais quando precisa de dinheiro, e apenas 29% conseguem poupar; principal objetivo financeiro é a casa própria.

Sem medo da Disney+

Netflix surpreende e supera a projeção de crescimento da base de assinantes no 4º trimestre

A Netflix chegou ao quarto trimestre numa posição diferente da habitual. De pioneira nas transmissões via streaming, a companhia agora é uma veterana da indústria — novatas como a Disney+ e a Apple TV+ chegaram com tudo ao mercado, buscando roubar a coroa da empresa. A filosofia da aposentadoria precoce: já pensou em poder se […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements