Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-11-07T11:56:52-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Não vai ter Disney?

Mais de US$ 21 bilhões saíram do país e fuga tende a aumentar

Ano de 2019 vai confirmando maior saída anual de dólares desde 1982. Olhando em 12 meses, a buraco no fluxo cambial passa dos US$ 41 bilhões

6 de novembro de 2019
15:51 - atualizado às 11:56
Dolar-nota-barco
Imagem: Shutterstock

Os dados do Banco Central (BC) sobre o fluxo cambial mostram que cerca de US$ 21,5 bilhões deixaram o país entre janeiro e outubro. E esses mesmos dados nos mostram que a tendência é de aumento nessa saída nos dois meses que faltam para fechar o ano.

Historicamente, os meses de novembro e dezembro são marcados por saída de dólares, com empresas fechando balanço e remetendo dividendos e investidores fazendo zeragem de posições em renda fixa e ações. Assim, 2019 tem tudo para marcar a maior fuga de capital desde 1982, início da série histórica do BC. Para dar um parâmetro, todos os meses de dezembro desde 2010 têm fluxo negativo. No ano passado, apenas o último mês do ano teve saída de US$ 12,7 bilhões.

Nesta quarta-feira, foi frustrada a expectativa de algum fluxo positivo de capitais em função da baixa participação de companhias estrangeiras no megaleilão da cessão onerosa das áreas do pré-sal. Assim, não chega a surpreender a forte puxada de alta na cotação do dólar, que sobe 2%, uma das maiores altas diárias do ano, para R$ 4,07 (veja nossa cobertura de mercados).

O que os dados do BC e o leilão desta quarta-feira nos contam é que no lado do fluxo não há suporte para acentuados movimentos de queda na cotação da moeda americana. No entanto, o fluxo sozinho não faz preço. Há também a questão das expectativas dos agentes (parte delas frustradas hoje) e essas vão variar de acordo com o humor internacional, novos leilões de infraestrutura e outros vetores.

Antes de seguir adiante, repito aqui o conselho prático, já dado por aqui outras vezes: "Seja qual for o comportamento futuro do câmbio, é prudente você sempre manter uma exposição em dólar na sua carteira. Nós inclusive já escrevemos uma reportagem para ajudar você nessa tarefa."

No fim de outubro, o dólar tinha marcado forte queda semanal de 2,7%, e comentamos que a linha dos R$ 4, que era respeitada desde 16 agosto, poderia cair. De fato, o dólar bateu R$ 3,98 no dia 30, mas logo voltou a tomar fôlego.

Na época, a queda vinha sendo atribuída à aprovação final da reforma da Previdência e às expectativas com o leilão do pré-sal. Do lado externo, segue a expectativa de dólar mais fraco em função da queda de juros e outras ações do Federal Reserve (Fed), banco central americano, mas parece que esse vetor tem sido menos determinante na formação de preço por aqui.

Pior desde 1999

De volta aos dados do fluxo cambial, olhando os dados em 12 meses, as cifras são ainda mais chamativas. O fluxo cambial é negativo em US$ 41,554 bilhões, maior cifra desde que abandonamos o regime de bandas cambiais em 1999.

As saídas estão concentradas na conta financeira, que acumula US$ 62,566 bilhões negativos nos 12 meses até outubro. Na conta comercial temos um modesto ingresso de US$ 21,787 bilhões.

Já escrevemos que o leitor não deveria ficar surpreso com tal movimentação do mercado, mas vale lembrar que desde abril, o próprio BC vem alertando para uma mudança estrutural no mercado de câmbio brasileiro.

Em resumo, a queda das taxas de juros no mercado doméstico estimulou um forte movimento de troca de dívidas externas por dívidas locais.

Assim, companhias, notadamente a Petrobras, compraram dólares, pagaram as dívidas externas, e tomaram dívida por aqui. O próprio presidente do BC, Roberto Campos Neto, já explicou em esse fenômeno (veja aqui).

Junto disso, temos que o Brasil deixou de ser o paraíso das operações de arbitragem de taxa de juros (carry-trade). Leia-se, pegar dólar no mercado externo a custo quase zero e virar ganhar Selic de 14% ou mais.

Grosso modo, somando as duas coisas, não temos o dólar de curto prazo vindo arbitrar juros e, além disso, temos maior demanda pela moeda para pagamentos externos.

Quem dá a liquidez em dólares então? Primeiro os bancos, com suas posições vendidas, que estão ao redor dos US$ 23,6 bilhões. Mas como há limites regulatórios, é o BC que vem atuando no mercado à vista, como disse que faria, fazendo a troca de derivativos (swaps) por moeda à vista.

O quadro preocupa? Podemos dizer que não. Como disse o próprio Campos Neto, temos um movimento inédito de alta do dólar com queda da inflação, do risco país e dos juros futuros. A desvalorização não está associada a uma crise de balanço de pagamentos e o mercado também não está pedindo mais juros para financiar a dívida brasileira.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

MELOU O NEGÓCIO

Depois de duas semanas suspensas, ações da Evergrande despencam em meio a desacordo sobre venda de fatia da incorporadora

A própria empreiteira chinesa cancelou um acordo para a venda de uma participação de 50,1% para a Hopson Development Holdings

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: exterior tem dia de correção e bolsa brasileira deve ter desempenho fraco por mais um dia após fala de Paulo Guedes sobre teto de gastos

Os balanços do exterior devem movimentar os negócios, com Evergrande de volta ao radar após fracasso na venda de uma subsidiária

LAVANDO AS MÃOS

Guedes se isenta e diz que formato do Auxílio Brasil está ‘a cargo da política’

Segundo o ministro, governo teve de fazer um ‘encaixe’ dentro do arcabouço fiscal existente

Entrevista

Um dos maiores gestores de fundos imobiliários do mercado avisa: os shoppings estão baratos e o investidor ainda não percebeu

CEO da HSI, que tem R$ 11 bilhões sob gestão, diz que os shoppings estão começando a apresentar resultados como os de antes da pandemia e vê demanda de residencial alto padrão ainda forte

Casamento legal

Cade mantém aprovação de compra de fatia da BRF (BRFS3) pela Marfrig (MRFG3)

A conselheira que havia pedido a reabertura da análise da operação mudou de posição e desistiu da reavaliação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies