Menu
2019-05-31T08:45:33-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Trump eleva tensão comercial

Presidente dos EUA decide taxar produtos mexicanos por causa da imigração ilegal, ampliando o receio com a guerra de tarifas

31 de maio de 2019
5:40 - atualizado às 8:45
trumptensaocomercial
No Brasil, mês de maio chega ao fim com os investidores “embelezando” as carteiras

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, resolveu usar a tarifação de produtos importados como arma não apenas na guerra comercial, mas para ameaçar outros países que incomodam a Casa Branca. O alvo desta vez foi o México. Ontem à noite, Trump anunciou que irá taxar em 5% todos os produtos mexicanos por causa da imigração ilegal.

A notícia foi suficiente para derrubar os índices futuros das bolsas de Nova York, que amanheceram em queda firme, diante do aumento da preocupação dos investidores com a guerra de tarifas. O peso mexicano, por sua vez, caiu ao menor nível em quase dois meses em relação ao dólar, em meio à surpresa com o anúncio de Trump.

Segundo o presidente norte-americano, a tarifa de 5% sobre todas as importações mexicanas começa em 10 de junho e irão valer até que o país interrompa o fluxo de imigrantes ilegais aos EUA. Caso o movimento persista, as tarifas irão subir para 10% em julho e em mais 5% a cada mês subsequente, até chegar a 25% em outubro.

A decisão de Trump de usar a expressão “You are tarrifed” (Você está taxado) como mote, em substituição ao “You are fired” (Você está demitido) que o tornou famoso na TV, eleva a incerteza quanto à implementação de um novo acordo comercial na América do Norte, envolvendo EUA, México e Canadá, o USMCA, que ficaria no lugar do Nafta.

Outros países, incluindo a China e os da União Europeia (UE), estão simplesmente observado as decisões de Washington e, talvez, concluindo que acordos comerciais negociados com os EUA são de pouco valor. Até porque, chama a atenção o fato de o México ter superado a China, em março, e se tornado o exportador número um do mundo aos EUA, uma vez que as exportações chinesas à América vem sendo prejudicadas pela guerra comercial.

China em contração

Aliás, a guerra comercial tem causado estragos na atividade chinesa, elevando o temor de desaceleração da economia global. Dados deste mês mostraram que a indústria na China foi prejudicada pela queda nos pedidos de exportação, o que levou o índice oficial de gerentes de compras (PMI) a 49,4, de 50,1 em abril. A previsão era de queda a 49,9.

Uma leitura abaixo de 50 indica contração da atividade. Já no setor de serviços chinês, o PMI permaneceu estável em 54,3 em maio. Em reação, as bolsas de Xangai e de Hong Kong encerraram em queda, mas longe das mínimas do dia, digerindo também a declaração do vice-presidente norte-americano, Mike Pence, de que "os EUA podem mais do que dobrar as tarifas [contra produtos chineses], se necessário".

O pregão na Ásia foi afetado pelas preocupações comerciais, envolvendo China e México, o que levou os investidores a busca por refúgio no iene. A valorização da moeda japonesa prejudicou a Bolsa de Tóquio, que liderou as perdas na região, com -1,6%. Na Europa, as bolsas também abriram pressionadas, com o euro e a libra medindo forças ante o dólar.

Já o preço do barril de petróleo recua. O sentimento entre os investidores é de que as preocupações comerciais devem continuar até o fim do mês que vem, quando se espera que os líderes dos EUA e da China irão se reunir durante a cúpula do G20, no Japão. Mas as chances de um acordo são cada vez mais remotas...

Afinal, qual é o objetivo de fazer um acordo comercial se Washington pode impor tarifas sobre os produtos importados arbitrariamente?

Por aqui, tudo azul

Maio acaba nesta sexta-feira e o último dia do mês deve ser destinado aos ajustes finais nos ativos locais, após os investidores “embelezarem” suas carteiras, fazendo cair por terra a máxima do mercado financeiro (internacional) que diz “Sell in May and Go Away”. Ao contrário, o que se viu por aqui foi um movimento firme de recuperação.

A visão mais otimista do investidor (local) em relação ao cenário político em Brasília fez o Ibovespa aproximar-se novamente dos 100 mil pontos, após ser negociado abaixo dos 90 mil pontos em meados deste mês, e distanciou o dólar da faixa de R$ 4,00, após superar a marca de R$ 4,10 no pior momento de maio.

Ao que tudo indica, essa melhora foi sustentada pela estratégia mais amena e menos beligerante do governo Bolsonaro, que deixou de lado os conflitos quase diários com outros Poderes e concentrou os esforços na composição de uma base aliada para aprovar medidas no Congresso. A pausa nas mensagens pela rede social também ajudou - e muito.

Hoje, porém, a volatilidade pode ser o nome do jogo, com os investidores já se preparando para o último mês do primeiro semestre. Ainda mais após os dados fracos sobre a atividade nos setores industrial e de serviços na China em maio e diante da escalada da tensão comercial contra o México.

Agenda segue forte

A agenda econômica do dia segue trazendo indicadores relevantes. No Brasil, saem os dados atualizados sobre o desemprego, sendo que a taxa de desocupação até abril deve registrar a primeira queda do ano. Ainda assim, o nível tende seguir elevado, atingindo 12,5% da população brasileira, ou pouco mais de 13 milhões de pessoas.

Os números efetivos serão divulgados às 9h. Depois, às 10h30, sai a nota do Banco Central com dados sobre as contas públicas. Já no exterior, o calendário norte-americano está repleto de divulgações importantes. A começar pelos dados sobre renda pessoal e gastos com consumo em abril, às 9h30, juntamente com o índice de preços PCE.

O indicador é conhecido por ser a medida preferencial de inflação do Federal Reserve. Ontem, a abertura dos dados do Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA mostrou que o PCE foi revisado para baixo, ficando ainda mais distante do alvo de 2% perseguido pelo Fed. Também na agenda dos EUA, sai a leitura final da confiança do consumidor em maio (12h).

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

pandemia

Covid-19: Brasil passa das 210 mil mortes causadas pela pandemia

Nas últimas 24 horas, as autoridades de saúde registraram 452 óbitos pela covid-19

seu dinheiro na sua noite

Antes tarde do que mais tarde

Com o uso emergencial de duas vacinas contra o coronavírus aprovado no Brasil, ainda que com muito atraso em relação a outros países (incluindo emergentes), o brasileiro pode enfim vislumbrar a possibilidade de um retorno à vida normal. Está certo que ainda vai demorar, e provavelmente veremos o resto do mundo voltar à normalidade, enquanto […]

Fechamento

Vacina empolga, mas incertezas ainda são muitas e limitam os ganhos do Ibovespa; dólar fica estável

Embora o início da vacinação tenha criado um princípio de euforia, as incertezas ainda são muitas e nublam o cenário

atenção, acionista

Itaúsa anuncia o pagamento de juros sobre capital próprio adicionais

Base do pagamento é a posição acionária final do dia 22 de janeiro; provento tem retenção de 15% de imposto de renda na fonte, resultando em juros líquidos de R$ 0,01768 por ação

insatisfações com a estatal

Petrobras sai em defesa de sua política de preços

Estatal listou uma série de respostas para justificar eventuais aumentos concedidos ou que possam vir a ser feitos este ano, diante de preços de petróleo em franca recuperação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies