Menu
2019-06-25T11:01:02-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Agenda cheia movimenta mercados

Discurso do presidente do Fed, Jerome Powell, ata do Copom e IPCA-15 estão entre os destaques

25 de junho de 2019
5:29 - atualizado às 11:01
agendacheia
Mas atenção do mercado está na reunião do G20 e no relatório da Previdência

A terça-feira está repleta de divulgações e eventos econômicos relevantes, com forças para agitar o mercado financeiro, no Brasil e no exterior. Mas os investidores estão mesmo atentos é na cena política, de onde podem surgir novidades capazes de definir o cenário para os ativos de risco no curto prazo, lançando luz para o segundo semestre deste ano.

Com isso, o radar dos negócios no exterior segue na reunião do G20, a partir da sexta-feira, quando os presidentes de Estados Unidos e China devem se encontrar para negociar a questão da guerra comercial. A expectativa pelo encontro tende a esvaziar a reação ao discurso do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, hoje (14h).

Afinal, uma ação imediata do Fed depende de uma piora considerável nos indicadores econômicos norte-americanos, após a autoridade monetária reforçar uma dependência de dados (data dependency) para definir o próximo passo em relação aos juros. E os riscos à atividade vão depender do desfecho da reunião entre Donald Trump e Xi Jinping, no Japão.

Ainda assim, Powell deve repetir hoje o tom suave (“dovish”) da reunião na semana passada, quando o Fed mostrou-se pronto para agir. Essa postura manteve a reunião de julho “viva” para o primeiro corte em dez anos na taxa norte-americana. Mas a autoridade monetária quer esperar e ver como os riscos se desenvolvem antes de puxar o gatilho.

Cautela nos mercados

À espera da reunião entre os presidentes norte-americano e chinês, as principais bolsas asiáticas fecharam em queda. Xangai e Hong Kong lideraram as perdas, caindo ao redor de 1%, ao passo que Tóquio cedeu 0,5%. O sinal negativo também prevalece entre os índices futuros das bolsas de Nova York, contaminando a abertura do pregão europeu.

Os investidores mostram cautela, apesar dos relatos de que os representantes das equipes de EUA e China, Robert Lighthizer e Liu He, teriam conversado ontem por telefone. Afinal, sabe-se que Trump e Xi não podem apenas concordar em retomar as negociações comerciais, sem ter que eliminar nenhum dos pontos críticos.

Enquanto aguardam novidades sobre a resolução da disputa comercial, consolidando um consenso, os investidores redobram a postura defensiva, em meio à escalada da tensão entre EUA e Irã. O país persa afirmou que as sanções adotadas por Washington significam um caminho diplomático fechado “para sempre”.

Com isso, a busca por proteção em ativos seguros fortalece o ouro e o iene, enquanto o rendimento (yield) do título norte-americano de 10 anos (T-note) volta a encostar em 2%. Já o petróleo recua. Ou seja, os investidores estão encontrando poucas razões para esticar o rali recente por ativos de risco, o que pode afetar o comportamento dos mercados por aqui.

Aqui tem Copom, inflação e Previdência

Aliás, no Brasil, a agenda econômica do dia traz como destaques a ata da reunião da semana passada do Comitê de Política Monetária (Copom), a prévia da inflação oficial ao consumidor brasileiro (IPCA-15) em junho e a retomada das discussões sobre a reforma da Previdência na comissão especial.

O documento do Banco Central abre o dia (8h), mas não deve trazer novidades. Após o comunicado que acompanhou a decisão de manter a Selic em 6,50% pela décima vez seguida ter deixado claro que um corte na taxa básica depende de um avanço concreto na agenda de reformas, o conteúdo da ata pode até ser mais enxuto, deixando as novidades para o Relatório Trimestral de Inflação (RTI), que sai na quinta-feira.

Talvez hoje o Copom esclareça, na ata, o peso dado ao risco de uma eventual frustração com as reformas, agora “preponderante”, e a avaliação de que o cenário de recuperação econômica foi “interrompido”. Ainda assim, o balanço para a inflação evoluiu de maneira “favorável”. Assim, o Comitê pode estar apenas ganhando tempo para a decisão de julho.

Também perde força o resultado do IPCA-15 de junho (9h), uma vez que tampouco é novidade que a inflação está correndo em uma zona confortável. A previsão é de uma leitura mensal próxima a zero, no menor nível para o mês desde 2006, com a taxa acumulada em 12 meses ficando abaixo de 4% após três meses seguindo acima dessa marca - lembrado que a meta perseguida pelo BC neste ano é de 4,25%.

Com isso, o radar dos investidores estará concentrado é na volta aos trabalhos na Câmara, onde os deputados ainda irão discursar sobre a proposta de novas regras para aposentadoria. A expectativa é de que seja montada uma força-tarefa para que os quase 80 inscritos possam falar até amanhã, abrindo caminho para votação do parecer até quinta-feira.

O texto do relator, com os ajustes finais, deve ser apresentado na quarta-feira, quando devem ser incorporadas mudanças sugeridas durante as sessões de discussão na comissão especial. O mercado acredita que será preservada uma potência fiscal perto de R$ 1 trilhão em dez anos, com a proposta sendo aprovada em plenário antes do recesso.

Já o governo está confiante na aprovação da reforma na Câmara em julho. Em uma onda que mistura otimismo e contagem de votos, o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, garante ter mais de 330 votos para aprovar a Previdência em plenário, o que levaria a uma vitória expressiva, acima dos 308 votos necessários.

Agenda tem outros destaques

Também pode ser destaque hoje, o julgamento da suspeição do então juiz da Lava Jato Sergio Moro no caso do triplex do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Mas ao que tudo indica, o Supremo Tribunal Federal (STF) deve adiar para o segundo semestre a análise do habeas corpus em que a defesa do petista pede a anulação do julgamento.

Entre os indicadores econômicos domésticos, destaque ainda para o índice de confiança do consumidor em junho (8h), que pode registrar a quinta queda seguida, nos menores níveis desde o fim do ano passado. No exterior, também sai o índice de confiança do consumidor norte-americano (11h), além de dados do setor imobiliário nos EUA pela manhã.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Dinheiro no bolso

Banco do Brasil anuncia pagamento de R$ 333 milhões em JCP do 4T20

Dessa forma serão pagos no dia 30 de dezembro e terão como base a posição acionária do dia 11 de dezembro de 2020

seu dinheiro na sua noite

Maradona e o rali da bolsa

O baixinho Maradona passa por dois marcadores, toca para o companheiro e depois corre para disputar a bola na área. Ele dá um salto e, de alguma forma, consegue subir mais que o goleiro inglês Peter Shilton para empurrar (literalmente) a bola para as redes. O lance do antológico gol de mão do craque argentino […]

fechamento dos mercados

Ibovespa desacelera com queda de Petrobras, mas fecha acima de 110 mil com Itaú e Vale e sobe 4% na semana

Bolsas americanas fecham para cima, renovando máximas históricas, em sessão mais curta; por aqui, ações de Petrobras reduziram alta perto do fim da sessão, eventualmente virando e fechando em queda, tirando índice acionário local da proximidade do pico intradiário

Urgente

Guilherme Boulos é diagnosticado com Covid-19

As agendas de campanha foram todas suspensas, e a coordenação da campanha vai propor à TV Globo que o último debate, previsto para hoje, seja feito de forma virtual.

Novidade no mercado

CMN: corretora de título e valor mobiliários pode prestar serviço de pagamento

Com isso, as SCTVM e SDTVM deverão optar entre a manutenção das atuais contas de registro ou a utilização de contas de pagamento.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies