Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-07-24T17:05:02-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
a bula do mercado

Regras para liberação do FGTS na mira dos investidores

Enquanto os investidores aguardam detalhes antes de poderem mensurar com mais precisão o impacto da medida, analistas têm observado a ação com cautela

24 de julho de 2019
6:35 - atualizado às 17:05
selo bula do mercado
Imagem: Seu Dinheiro

Os ativos financeiros locais iniciam o dia de hoje diante da expectativa em torno do anúncio prometido pelo governo Jair Bolsonaro referente às regras para o saque do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS).

Os detalhes sobre os planos do governo ainda são vagos. As informações disponíveis até o momento dão conta de que os saques serão limitados a R$ 500 por conta de FGTS, seja ela ativa ou inativa. De acordo com o ministro da Economia, Paulo Guedes, a medida injetaria R$ 30 bilhões na economia até o fim de 2019 e mais R$ 12 bilhões no decorrer de 2020.

Em meio às pressões do setor de construção civil, que levaram o governo a abandonar uma proposta anterior de liberação de até 35% do saldo dos correntistas, Guedes vinha manifestando a preocupação de que a medida não se limitasse a um “voo de galinha”. Em conversa com jornalistas, o ministro antecipou que o anúncio oficial trará “novidades”.

Uma dessas novidades seria a liberação para que os trabalhadores realizem saques anuais das quantias depositadas em suas contas ativas e inativas de FGTS. A pegadinha para o correntista que fizer tal opção seria a perda do direito ao saque dos valores integrais no momento da demissão.

Em tempos de desemprego em alta, a opção tem contornos de tiro no próprio pé na busca por um alívio imediato, especialmente para os trabalhadores com saldos mais elevados nas contas de FGTS.

Analistas mantêm pé atrás

Enquanto os investidores aguardam detalhes antes de poderem mensurar com mais precisão o impacto da medida, analistas têm observado a ação com cautela. Primeiro, pelo fato de há apenas dois anos, sob Michel Temer, o governo ter tentado medida similar sem que o resultado chegasse perto dos efeitos prometidos.

Na ocasião, a liberação do saldo das contas inativas do FGTS injetou R$ 44 bilhões na economia, com impacto residual no PIB. Parte considerável dos recursos foi usada na quitação de dívidas. Atualmente, mais de 40% da população adulta do país está endividada. E o nível médio de endividamento supera os R$ 3 mil.

Especialistas em educação financeira acreditam que o padrão deve se repetir e advertem que o tão desprezado “voo de galinha” talvez nem aconteça. Ainda assim, há quem considere que a limitação dos saques a R$ 500 direcionaria o dinheiro ao consumo, fazendo com que os recursos circulem com mais dinamismo.

Na prática, porém, as expectativas em relação à evolução do PIB brasileiro vão de mal a pior. O mais recente organismo a revisar para menos de 1% a expectativa de crescimento da economia brasileira em 2019 foi o Fundo Monetário Internacional (FMI), que ontem cortou drasticamente sua projeção - de 2,1% para 0,8%.

Enquanto isso, o tão esperado “choque do gás” limitou-se à criação de um Comitê de Monitoramento da Abertura do Mercado de Gás Natural (CMGN). O objetivo de comitê é “quebrar o monopólio” da Petrobras no setor de petróleo e gás natural no território nacional.

Nos mercados financeiros, cautela prevalece

A cautela dos investidores com as medidas prometidas pelo governo levou o Ibovespa a descolar da maioria das demais bolsas de valores do mundo e fechar em baixa ontem. Ao contrário do movimento visto na semana passada, a mudança de posição governo pesou sobre as ações de varejistas e permitiu uma recuperação dos papéis das empresas do setor de construção. E apesar de o dólar ter-se apreciado ante o real, os contratos futuros de juros registraram queda nas taxas ante a expectativa de corte de juro pelo Banco Central na semana que vem. Hoje, a cautela deve prevalecer pelo menos até a divulgação de mais detalhes sobre a medida.

Na Ásia, as principais bolsas de valores fecharam em alta ainda repercutindo a notícia da viagem do encarregado de negócios norte-americano (USTR) Robert Lighthizer e do secretário de Tesouro Steven Mnuchin à China, marcada para a próxima semana, para retomar as negociações comerciais entre Washington e Pequim.

Na Europa, entretanto, os principais índices de ações iniciaram em queda em meio à cautela com a expectativa em torno do anúncio de política monetária do Banco Central Europeu (BCE), esperado para amanhã. A expectativa é de que, caso não dê início a um afrouxamento monetário, o BCE ao menos sinalize um corte de juro para setembro. Enquanto isso, os índices futuros de Nova York sinalizam queda.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Tendências da bolsa

AGORA: Ibovespa futuro abre em alta puxado por Nova York e dólar recua a R$ 5,46; confira

O dia é esvaziado, tanto no cenário doméstico quanto no exterior; investidores aguardam reunião do Fed semana que vem

O melhor do Seu Dinheiro

Oportunidade de investimento com a bola de neve da PEC dos precatórios, recorde da Caixa em 2021, preço dos combustíveis e outros destaques do dia

O furo no teto com a “PEC do Calote” vai afetar diversos setores da economia, mas pode beneficiar os investimentos alternativos; entenda como

Energia

Pátria compra usinas hidrelétricas da britânica ContourGlobal no Brasil em negócio de R$ 1,7 bilhão

Além das hidrelétricas, o Pátria pode adquirir os ativos de energia eólica da ContourGlobal, que é dona do complexo Asa Branca, no Rio Grande do Norte

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas operam mistas pela manhã após inflação recorde da Zona do Euro e Ibovespa olha coletiva do presidente do Banco Central hoje

Sem maiores indicadores para o dia, o foco vai para a corrida eleitoral, com as falas dos presidenciáveis em foco nesta quinta-feira

DE OLHO NAS DÍVIDAS JUDICIAIS

Além do furo no teto: como a PEC dos precatórios afeta os credores, mas abre uma grande oportunidade de investimento

Com a regra fiscal ameaçada, o motivo inicial para a criação da emenda acabou sendo relegado a segundo plano, mas seus desdobramentos podem beneficiar os investimentos alternativos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies