2019-05-22T08:16:51-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Mercado aposta em agenda positiva

Votação de medidas na Câmara cria um sentimento positivo em torno do andamento da reforma da Previdência

22 de maio de 2019
5:38 - atualizado às 8:16
agendapositiva
No exterior, idas e vindas de EUA e China mantém clima de tensão no comércio

O mercado financeiro doméstico corrigiu boa parte dos exageros recentes, quando o Ibovespa perdeu o nível dos 90 mil pontos e o dólar superou a marca de R$ 4,10, em um processo técnico de ajuste, apoiado no ambiente externo mais favorável aos ativos de risco. Mas qualquer melhora adicional nos negócios - aqui e lá fora - carece de fatos consistentes.

E é a isso que o investidor está atento. Ontem à noite, foi aprovada a medida provisória (MP) da companhia aérea, que libera 100% da participação de empresas estrangeiras no setor - e a volta do despacho gratuito de bagagem em voos. A medida ainda precisa ser votada hoje no Senado para virar lei.

Agora, a expectativa recai na MP 870, que reestrutura o número de ministérios. Os partidos do Centrão recuaram e decidiram que não vão votar pela recriação das pastas da Integração Nacional e Cidades, mantendo o que o governo desejo. A votação deve acontecer hoje na Câmara. Já a reforma tributária deve avançar na CCJ e ser votada mesmo sem ouvir a posição do governo sobre a pauta.

Essa maior disposição dos deputados em apreciar as medidas de interesse do Executivo criam um sentimento mais positivo também em torno do andamento da reforma da Previdência no Congresso, rumo à aprovação. O prazo para apresentação de emendas à proposta foi estendido até o dia 30, mas permanece a previsão de que o relatório será apresentado em 15 de junho. E a economia fiscal de R$ 1 trilhão em dez anos deve ser preservada no texto.

Exterior mais negativo

Com isso, os mercados domésticos podem tentar dar continuidade à correção técnica vista nos últimos dias, içando um pouco mais o Ibovespa e valorizando o real. Mas o ambiente externo parece não ajudar nessa tentativa de melhora adicional, podendo minar o otimismo local.

Os índices futuros das bolsas de Nova York amanheceram no vermelho, após uma sessão repleta de cautela na Ásia, com os negócios refletindo a persistente tensão comercial entre Estados Unidos e China. O governo Trump está considerando cortar o fluxo de tecnologia norte-americana às empresas chinesas, ampliando a rede de restrição que vai além da Huawei.

O alvo, agora, seriam as líderes mundiais em vigilância por vídeo. Ao mesmo tempo, porém, cresce o número de empresas dos EUA que entoam o coro pela fim da sobretaxa de importação aos produtos chineses e das restrições aos negóciosgu com o país.

Em reação, Xangai teve perdas moderadas (-0,49%) e Hong Kong leve alta (+0,13%), enquanto Tóquio ficou de lado (+0,05%). Segundo o embaixador chinês nos EUA, Cui Tiankai, “a porta ainda está aberta” para as negociações comerciais entre Washington e Pequim. Mas ele culpou os EUA pelo colapso nas tratativas, dizendo que a Casa Branca “mudou muito de ideia”. Não há, portanto, pressa para retomar as conversas.

Essas idas e vindas de EUA e China na guerra comercial só confirmam a percepção de que a disputa entre as duas maiores economias do mundo está mais para uma relação “perde-perde”, sem vencedores. E isso inibe o apetite por ativos de risco, o que deixa as praças europeias sem um rumo definido. Já o dólar mede forças em relação às moedas rivais e o petróleo cai.

Ata do Fed em destaque

A agenda econômica desta quarta-feira segue com poucos destaques. No Brasil, merece atenção apenas os dados parciais de maio sobre a saída e entrada de dólares do país (12h30), que podem refletir o apetite (ou a falta de) do investidor estrangeiro por aplicar em ativos brasileiros, bem como o impacto do dólar mais caro na balança comercial.

Já no exterior, o destaque fica com a ata da reunião deste mês do Federal Reserve (15h). No encontro, a autoridade monetária frustrou as expectativas de parte do mercado financeiro, que apostava em um tom suave (“dovish”), indicando a possibilidade de um corte de juros na taxa norte-americana ainda neste ano.

Logo cedo, o presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, discursa. Entre os indicadores econômicos, saem os estoques semanais de petróleo bruto e derivados nos EUA (11h30) e uma série de índice de preços [ao consumidor, ao produtor e de moradias] no Reino Unido em abril.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

NOVO MODELO DE NEGÓCIOS

Varejo adota ‘loja-contêiner’ para fugir dos custos de shoppings e aluguéis; conheça o que são os estabelecimentos modulares

A estreante no formato é a Chilli Beans, de óculos de sol. “Acho que não teria uma Eco Chilli se não houvesse pandemia”, afirma o CEO, Caito Maia

NÃO MEXE NO MEU QUEIJO

Membros do mercado financeiro defendem Lei das Estatais em documento enviado ao ao Congresso; revogação seria ‘retrocesso’

O texto também cita o relatório de 2020 em que a OCDE afirma que a Lei das Estatais deixou os conselhos de empresas públicas mais independentes de interferências

NESTA SEGUNDA-FEIRA

Governador de São Paulo fará coletiva nesta segunda-feira após Bolsonaro aprovar isenção do ICMS sem garantia de compensação aos estados

O presidente da República vetou o fundo de ajuda aos estados após sancionar o teto do imposto estadual

SEU DOMINGO EM CRIPTO

‘Compre na baixa’ anima e bitcoin (BTC) busca os US$ 22 mil; criptomoedas aguardam semana de olho no Fed

Entre os destaques da próxima semana estão o avanço dos juros nos Estados Unidos e um possível default da Rússia

DE OLHO NO FUTURO

Goldman Sachs quer entrar no mundo da ‘renda fixa’ em criptomoedas e lidera grupo para comprar a Celsius por US$ 2 bilhões

O staking vem crescendo nos últimos meses e é motivo de certa preocupação após o caso da Celsius — e o banco de Wall Street quer um pedaço dele

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies