Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-04-04T13:58:33-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Bolsonaro no centro do palco

Discurso do presidente brasileiro durante fórum econômico em Davos é o destaque do dia

22 de janeiro de 2019
5:27 - atualizado às 13:58
BolsoDavos
Presidente deve defender agenda de reformas e vender imagem do Brasil como um país com bom ambiente de negócios

O presidente Jair Bolsonaro está no centro das atenções nesta terça-feira, dia de agenda econômica esvaziada no Brasil e no exterior. O foco se concentra no discurso dele logo na abertura do fórum econômico mundial, em Davos, a partir das 12h30.

Os investidores estarão atentos ao tom a ser usado por Bolsonaro. A expectativa é de que ele mantenha a linha liberal, defendendo a agenda de reformas, em especial, a da Previdência. Também na fala do presidente será apresentado um roteiro de privatizações em várias áreas, tanto em infraestrutura quanto em energia.

O presidente deve evitar falar de improviso ou comentar o caso sobre movimentações financeiras suspeitas, envolvendo um dos filhos. Tampouco deve detalhar a proposta do governo de novas regras para aposentadoria. Além disso, ele deve se esquivar de temas em que é criticado, como as questões ambientais.

Resta saber se a retórica de Bolsonaro será contundente, de modo a restabelecer a confiança internacional no Brasil. Segundo ele, o discurso na abertura do evento na cidade suíça será "muito curto, objetivo, claro", a fim de dar o recado mais amplo possível sobre “o novo Brasil que se apresenta” com a chegada dele ao poder.

Olho vivo, faro fino

Bolsonaro sabe que há pouco espaço para erros. Ainda mais após o desconforto causado pelos detalhes sobre os depósitos, em espécie e fracionados, feitos nas contas de Flávio Bolsonaro. A sensação é de que o presidente precisa “mandar bem” para manter o otimismo do mercado financeiro brasileiro com o novo governo.

Ao agir assim, o presidente conseguirá acertar o tom com a elite político-financeira e ser capaz de vender a imagem de um novo perfil do Brasil, como um país com bom ambiente de negócios. Com essa mensagem, o governo que mostrar que terá condições de cobrir o rombo das contas públicas, com maior rigor fiscal.

Será, portanto, uma fala alinhada à do ministro da Economia, Paulo Guedes, que também está na cidade suíça. A comitiva presidencial conta ainda com o ministro Sergio Moro (Justiça), que têm agenda cheia para enfatizar o combate ao crime organizado, além do chanceler Ernesto Araújo (Relações Exteriores).

O destaque dado ao presidente - será a primeira vez que um latino-americano abre o evento - reforça o interesse e a curiosidade da comunidade internacional sobre o governo brasileiro. Ainda mais após a desistência de vários outros líderes importantes, que cancelaram a presença no fórum de Davos.

Entre as baixas no evento, destaque para as ausências da primeira-ministra britânica, Theresa May, além dos presidentes francês, Emmanuel Macron; norte-americano, Donald Trump; chinês, Xi Jinping; e argentino, Mauricio Macri. Todos eles estão às voltas com suas próprias crises domésticas.

Exterior pesado

O temor com a desaceleração econômica global volta a pesar nos mercados internacionais. Um dia após a China registrar o menor crescimento em 30 anos, o Fundo Monetário Internacional (FMI) reduziu a previsão de alta do Produto Interno Bruto (PIB) no mundo em 2019 e em 2020, o que penaliza os negócios no exterior.

As principais bolsas asiáticas encerraram a sessão em queda, com as perdas lideradas em Xangai e Hong Kong, onde o recuo superou 1%. As praças chinesas reagiram ao alerta feito pelo presidente Xi a outras lideranças do Partido Comunista, de que é preciso “prevenir riscos maiores” para garantir a saúde da economia.

No Ocidente, os índices futuros das bolsas de Nova York voltam do fim de semana prolongado no vermelho, à medida que paralisação do governo dos EUA (shutdown) entra na quinta semana. Ao que tudo indica, porém, Trump e os líderes democratas deram o primeiro passo em direção a uma resolução do impasse.

Mas ainda não está claro o quanto a Casa Branca está disposta em fazer um acordo. Com isso, os investidores redobram a postura defensiva, em meio à busca por proteção em ativos seguros, como o iene japonês e o título norte-americano de 10 anos (T-note). O yuan chinês caiu, após as declarações incomuns de Xi.

Já as moedas europeias não exibem uma direção única, com o euro ensaiando alta, enquanto a libra esterlina recua, após May descartar um novo plebiscito sobre a saída do Reino Unido da União Europeia (UE). Ela também negou que irá adiar a data do Brexit, em 29 de março. Nas commodities, o petróleo cede.

O apetite por risco está mais baixo, diante das perspectivas cada vez mais escuras quanto ao crescimento econômico global e em relação à guerra comercial. O otimismo nas negociações sino-americanas diminuiu, após relatos de que houve pouco progresso em questões-chave e chegou-se a um ponto de “make-or-brake”.

Dia de agenda fraca

Ainda na cidade suíça, Bolsonaro também irá participar de um jantar, acompanhando de outros presidentes da América Latina. Alguns encontros bilaterais foram agendados, mas a coletiva de imprensa que o presidente concederia em Davos não está mais na programação oficial.

O evento havia sido incluído pelos organizadores. Entre os indicadores econômicos, o calendário doméstico está esvaziado e não traz nenhuma divulgação relevante. Já no exterior, saem dados do setor imobiliário nos EUA em dezembro (13h) e sobre o sentimento econômico na zona do euro neste mês (8h).

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Coluna do jojo

Mercados hoje: Em terra de Copom, quem sobe os juros é rei

Para hoje, além da continuidade da temporada de resultados com pesos pesados – por aqui, esperamos nomes como Gerdau, Banco do Brasil e Petrobras –, mais pesquisas de opinião sobre o sentimento empresarial estão por vir

O melhor do seu dinheiro

O que mexe com seu dinheiro: bolão do Copom na bolsa, novo fundo da Inter, IPO da Raízen e mais

Bem, amigos do Seu Dinheiro. Hoje é dia de decisão! Com o desfalque do diretor Bruno Serra, que testou positivo para a covid-19, o Banco Central entra em campo nesta quarta-feira para definir a taxa básica de juros (Selic). Haja coração! As reuniões do Comitê de Política Monetária (Copom) são para a imprensa econômica o […]

Cliente difícil

Barrada na alfândega: Carne de unidade da BRF não é mais bem vinda na China

País asiático suspende compra de produtos suínos e de aves processados na unidade de Lucas do Rio Verde (MT), alegando problemas no transporte

Esquenta dos Mercados

Pré-mercado: cautela antes da decisão do Copom e risco fiscal devem dividir atenção com balanços do dia

Em meio ao exterior positivo, bolsa brasileira deve lidar com cenário interno de incertezas quanto ao teto de gastos

Preparar para decolagem

Renovação total: Gol faz acordo para adquirir aviões novos; veja os detahes

Presidente da companhia aérea afirma que movimento é uma antecipação à esperada retomada da demanda por viagens após a pandemia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies