A AÇÃO QUE ESTÁ REVOLUCIONANDO A INFRAESTRUTURA DO BRASIL E PODE SUBIR 50%. BAIXE UM MATERIAL GRATUITO

2019-10-14T14:21:49-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
a bula do mercado

Fed e Copom reúnem-se em meio à expectativa de mais alívio monetário

Investidores esperam corte nos juros tanto nos EUA quanto no Brasil, onde taxa deve renovar piso histórico

18 de setembro de 2019
6:16 - atualizado às 14:21
selo bula do mercado
Imagem: Seu Dinheiro

Os ativos financeiros globais iniciam a quarta-feira envoltos na cautela que tradicionalmente precede a reunião de política monetária do Federal Reserve Bank (Fed) em meio a algumas dúvidas pontuais quanto à possibilidade de o banco central norte-americano voltar a cortar sua taxa de juro de referência em um momento no qual investidores de todo o mundo pressionam por mais alívio monetário.

Ainda que a cautela dê o tom, os investidores respiram aliviados com a afirmação de autoridades sauditas de que a produção de petróleo do país será restabelecida em duas ou três semanas depois dos ataques rebeldes do último sábado contra sua infraestrutura.

Um dia depois de o petróleo ter registrado a maior alta da história em apenas um dia, o preço do barril devolveu parte considerável dos ganhos já na sessão de ontem, dando espaço para que os investidores finalmente pudessem concentrar o foco no Fed e, localmente, na decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central do Brasil (BCB).

Fed teme queimar etapas

Na véspera do anúncio da decisão do juro pela autoridade monetária dos Estados Unidos, previsto para as 15h, uma disparada nas taxas de curto prazo por lá levou o Fed regional de Nova York a promover uma recompra emergencial de US$ 75 bilhões em títulos para fornecer liquidez ao mercado. Foi a primeira ação do gênero em uma década.

No meio do rebu, o mercado chegou a sinalizar uma possível manutenção na taxa de referência pelo Fed. Entretanto, agentes do mercado financeiro agora mostram-se praticamente unânimes quanto à expectativa de um corte “preventivo” de 0,25 ponto porcentual (pp) na taxa de juro nos EUA.

A expectativa maior diz respeito às sinalizações - seja no comunicado ou na entrevista coletiva do presidente do Fed, Jerome Powell, prevista para logo depois do anúncio - quanto à possibilidade de cortes futuros.

Ainda que o Fed esteja sob intensa pressão dos agentes do mercado e até mesmo do presidente dos EUA, Donald Trump, a autoridade monetária norte-americana está claramente preocupada com o risco de queimar etapas. Diretores do Fed temem que a interferência preventiva no juro deixe o banco central sem instrumentos adequados para agir quando for realmente necessário.

Selic deve registrar novo piso histórico

Às 18h, quando os mercados financeiros já estiverem fechados, o Copom anunciará sua decisão de juro. E surpresa haverá se não houver corte, ou se este vier abaixo de 0,50 pp. Praticamente não há dúvidas entre os investidores de que a taxa Selic será conduzida a um novo piso histórico, baixando dos atuais 6,00% para 5,50% ano.

Na avaliação dos especialistas do mercado, o Copom encontra-se num beco sem saída, uma vez que a inflação oficial segue em nível confortável e a atividade econômica brasileira continua fraca.

E enquanto os investidores aguardam as decisões de juro do Fed e do Copom, a cautela deve dar o tom nos negócios no Ibovespa e nos mercados de câmbio, enquanto ajustes pontuais podem ocorrer nos contratos futuros de juros.

Na Ásia, os mercados de ações fecharam com oscilações estreitas. As bolsas de valores europeias, por sua vez, abriram com um leve viés positivo, enquanto os indicadores futuros de Nova York sinalizam leve baixa.

No mundo dos indicadores, a Fundação Getúlio Vargas (FGV) divulga às 8h a segunda prévia de setembro do IGP-M, que pode trazer mais elementos a respeito da falta de pressão inflacionária

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Magalu (MGLU3) dispara, BC amigo das criptomoedas e outros destaques do dia

12 de agosto de 2022 - 19:07

O mercado financeiro começou a semana olhando aterrorizado para os céus. Já era esperado que os dias fossem marcados pelo avistamento de dragões no ar, mas não se sabia ao certo o tamanho da encrenca que precisaria ser enfrentada.  Com traumas dos episódios recentes, quando a cada mês a ameaça se mostrava maior e mais […]

FECHAMENTO DO DI

Alívio com inflação leva Ibovespa a subir 6% na semana; Magazine Luiza (MGLU3), Hapvida (HAPV3) e Via (VIIA3) disparam após balanço

12 de agosto de 2022 - 18:41

Os indicadores melhores do que o esperado deram um respiro para o Ibovespa nesta semana; dólar caiu quase 2%

SEMANA EM CRIPTO

Ethereum (ETH) rouba a cena e dispara 14%, mas bitcoin (BTC) encerra semana acima dos US$ 24 mil; saiba o que esperar das criptomoedas

12 de agosto de 2022 - 17:56

O otimismo com a atualização do éter, as sanções ao Tornado Cash e o real digital são alguns dos destaque da semana

FEBRABAN TECH 2022

Setor financeiro melhora planos para o metaverso e já fala em criptomoedas como ‘espinha dorsal’ do processo — mas isso vai levar algum tempo; entenda

12 de agosto de 2022 - 17:40

O Febraban Tech 2022 foi realizado entre os dias 9 e 11 de agosto, em São Paulo; confira alguns destaques

COM PASSAGENS DE SAÍDA

Cinco empresas chinesas vão retirar seus ADRs da Bolsa de Nova York — saiba por quê

12 de agosto de 2022 - 17:02

As estatais anunciaram planos de retirada voluntária de seus ADRs ainda neste mês; a decisão acontece em meio à desacordo entre os órgãos reguladores da China e dos EUA

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies