Menu
2019-10-14T14:21:49-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
a bula do mercado

Fed e Copom reúnem-se em meio à expectativa de mais alívio monetário

Investidores esperam corte nos juros tanto nos EUA quanto no Brasil, onde taxa deve renovar piso histórico

18 de setembro de 2019
6:16 - atualizado às 14:21
selo bula do mercado
Imagem: Seu Dinheiro

Os ativos financeiros globais iniciam a quarta-feira envoltos na cautela que tradicionalmente precede a reunião de política monetária do Federal Reserve Bank (Fed) em meio a algumas dúvidas pontuais quanto à possibilidade de o banco central norte-americano voltar a cortar sua taxa de juro de referência em um momento no qual investidores de todo o mundo pressionam por mais alívio monetário.

Ainda que a cautela dê o tom, os investidores respiram aliviados com a afirmação de autoridades sauditas de que a produção de petróleo do país será restabelecida em duas ou três semanas depois dos ataques rebeldes do último sábado contra sua infraestrutura.

Um dia depois de o petróleo ter registrado a maior alta da história em apenas um dia, o preço do barril devolveu parte considerável dos ganhos já na sessão de ontem, dando espaço para que os investidores finalmente pudessem concentrar o foco no Fed e, localmente, na decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central do Brasil (BCB).

Fed teme queimar etapas

Na véspera do anúncio da decisão do juro pela autoridade monetária dos Estados Unidos, previsto para as 15h, uma disparada nas taxas de curto prazo por lá levou o Fed regional de Nova York a promover uma recompra emergencial de US$ 75 bilhões em títulos para fornecer liquidez ao mercado. Foi a primeira ação do gênero em uma década.

No meio do rebu, o mercado chegou a sinalizar uma possível manutenção na taxa de referência pelo Fed. Entretanto, agentes do mercado financeiro agora mostram-se praticamente unânimes quanto à expectativa de um corte “preventivo” de 0,25 ponto porcentual (pp) na taxa de juro nos EUA.

A expectativa maior diz respeito às sinalizações - seja no comunicado ou na entrevista coletiva do presidente do Fed, Jerome Powell, prevista para logo depois do anúncio - quanto à possibilidade de cortes futuros.

Ainda que o Fed esteja sob intensa pressão dos agentes do mercado e até mesmo do presidente dos EUA, Donald Trump, a autoridade monetária norte-americana está claramente preocupada com o risco de queimar etapas. Diretores do Fed temem que a interferência preventiva no juro deixe o banco central sem instrumentos adequados para agir quando for realmente necessário.

Selic deve registrar novo piso histórico

Às 18h, quando os mercados financeiros já estiverem fechados, o Copom anunciará sua decisão de juro. E surpresa haverá se não houver corte, ou se este vier abaixo de 0,50 pp. Praticamente não há dúvidas entre os investidores de que a taxa Selic será conduzida a um novo piso histórico, baixando dos atuais 6,00% para 5,50% ano.

Na avaliação dos especialistas do mercado, o Copom encontra-se num beco sem saída, uma vez que a inflação oficial segue em nível confortável e a atividade econômica brasileira continua fraca.

E enquanto os investidores aguardam as decisões de juro do Fed e do Copom, a cautela deve dar o tom nos negócios no Ibovespa e nos mercados de câmbio, enquanto ajustes pontuais podem ocorrer nos contratos futuros de juros.

Na Ásia, os mercados de ações fecharam com oscilações estreitas. As bolsas de valores europeias, por sua vez, abriram com um leve viés positivo, enquanto os indicadores futuros de Nova York sinalizam leve baixa.

No mundo dos indicadores, a Fundação Getúlio Vargas (FGV) divulga às 8h a segunda prévia de setembro do IGP-M, que pode trazer mais elementos a respeito da falta de pressão inflacionária

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

expandindo atuação

Yduqs anuncia compra de grupo Athenas por R$ 120 milhões

Empresa é formada por cinco instituições localizadas no Rio Branco (AC), JiParaná (RO), Rolim de Moura (RO), Pimenta Bueno (RO) e Caceres (MT)

nas redes

Pandemia faz presidente perder seguidores, diz FGV

Para o diretor de Análise de Políticas Públicas da FGV, Marco Aurélio Ruediger, o governo falhou na avaliação sobre o impacto que a pandemia teria

entrevista

‘JBS abriu 3 mil vagas em maio à pandemia’, diz presidente da empresa

Empresa tem sofrido, especialmente no sul do País, questionamentos pelo alto índice de contaminação de funcionários por covid-19

esquenta dos mercados

Exterior positivo em dia de payroll deve impulsionar a bolsa brasileira

Mercado acionário global volta a mostrar otimismo com a reabertura econômica e pacotes de estímulos para recuperação da economia. O destaque do dia é a divulgação do payroll americano

país não é bem visto por democratas

Comitê da Câmara dos EUA se opõe a acordo com o Brasil

Ex-embaixador em Washington, Rubens Ricupero afirma que a carta dos democratas da Ways and Means “enterra” qualquer possibilidade de acordo

medida anticrise

Governo deve estender auxílio emergencial por mais dois meses

Equipe econômica avalia editar uma medida provisória para ampliar o período de duração do benefício, criado para dar suporte a trabalhadores informais, autônomos, desempregados e microempreendedores individuais

dinheiro no caixa

Centauro levanta R$ 900 milhões em oferta de ações

Empresa deve usar os recursos para o financiamento de aquisições de empresas em curso e futuras que possam contribuir para a execução de sua estratégia de crescimento

em meio à crise

Governo transfere R$ 83,9 milhões do Bolsa Família para investir em propaganda

Medida atinge os recursos previstos para a região Nordeste do País; Secom já havia aumentado para R$ 17,8 milhões suas despesas com propaganda

Entrevista

Vitreo não será “mais uma” plataforma de investimentos na concorrência com XP, diz CEO

Patrick O’Grady conta por que a Vitreo, que possui hoje R$ 4,5 bilhões e 60 mil clientes, decidiu entrar na disputa pelo território ocupado hoje por mais de duas dezenas de corretoras, bancos e fintechs

SEXTOU COM RUY

As grandes vencedoras na crise e o “vício” das perdedoras no lucro

O problema dessas empresas “reloginho” – com lucros estáveis e recorrentes – é que elas atraem acionistas que só conseguem pensar nos dividendos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements