⚠️ DIVIDENDOS EM RISCO? Lula e Bolsonaro querem taxar seus proventos e podem atacar sua renda extra em 2023. Saiba mais aqui

2019-10-14T14:21:48-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
A bula do mercado

Ataques na Arábia Saudita impõem incerteza aos mercados

Analistas ainda tentam determinar os efeitos do incidente ocorrido no final de semana sobre o petróleo

17 de setembro de 2019
6:44 - atualizado às 14:21
selo bula do mercado
Imagem: Seu Dinheiro

Os ativos financeiros globais voltam a iniciar o dia sob o impacto dos ataques ocorridos no fim de semana contra as instalações sauditas de petróleo enquanto analistas ainda tentam determinar se os efeitos da ação reivindicada por rebeldes iemenitas sobre a produção da commodity representam um choque de médio ou longo prazo ou se serão contornados em breve.

Metade da produção saudita de petróleo foi interrompida por causa dos ataques de sábado. Isto representa uma queda de mais de 5% da produção mundial de petróleo. O governo saudita assegura que “em breve” um terço da produção afetada estará normalizada, mas especialistas advertem que o pleno restabelecimento deve ocorrer somente dentro de algumas semanas, talvez meses.

Enquanto não houver clareza sobre o real impacto dos ataques, especialmente os geopolíticos, a tendência é de que a volatilidade persista. Se ontem o preço do barril de petróleo atingiu a maior alta já registrada em apenas um dia, os mercados abriram hoje com uma discreta devolução dos ganhos da véspera.

Por aqui, analistas advertem que a situação deve se transformar em um teste para a política de preços da Petrobras, que desde o governo Michel Temer repassa para o mercado interno de combustíveis o peso das oscilações do câmbio e do preço do barril de petróleo nos mercados internacionais.

Lembrando que há apenas alguns dias, o preço do óleo diesel foi reajustado em mais de 30% nas refinarias e que até pouco tempo atrás a economia ainda sentia os efeitos da greve de caminhoneiros de maio do ano passado.

Investidores cogitam adiamento de corte pelo Fed

Às vésperas da reunião de política monetária do Federal Reserve Bank dos Estados Unidos (Fed), os ataques levaram mais analistas a passarem a considerar a possibilidade de o banco central norte-americano adiar um esperado corte na taxa básica de juro.

Outro aspecto levado em consideração pelos especialistas é a retomada das negociações entre Estados Unidos e China para contornar a guerra comercial, que figura como uma das principais preocupações da autoridade monetária norte-americana.

Ainda assim, a aposta majoritária entre os investidores é de que, mesmo a contragosto, o Fed anunciará amanhã um corte de 0,25 ponto porcentual (pp) em sua taxa de referência.

Expectativa de corte na Selic segue firme

Por aqui, às vésperas da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central do Brasil (BCB), agentes do mercado financeiro seguem apostando firme em um novo corte de 0,50 pp na taxa Selic, levando-a a um novo piso histórico (5,50% ao ano).

Há quem veja no corte da Selic uma espécie de panaceia para os males do País, mas é crescente a percepção de que a queda na taxa básica de juro na atual situação pouco ou pode fazer pela economia real, especialmente com o dólar consistentemente acima dos R$ 4,00.

Com isso, os contratos futuros de juros (DI) devem seguir se ajustando para baixo, descoladas da volatilidade esperada no câmbio e no Ibovespa.

China segura taxa de juro de médio prazo

O fato é que não apenas no Brasil, mas em todo o mundo, os agentes dos mercados financeiros acreditam que somente uma rodada de alívio monetário em grande escala será capaz de conter a desaceleração econômica global.

Hoje, a recusa do banco central chinês (PBoC) em cortar sua taxa de juro de médio prazo e a desvalorização no câmbio oficial ajudaram a derrubar os preços das ações nos mercados da China, de Hong Kong e da maior parte da Ásia. Lembrando que os bancos central do Japão e da Inglaterra fecharão na quinta-feira uma semana com decisões de política monetária em todos os cantos do mundo.

Na Europa, as bolsas de valores abriram sem direção clara, oscilando dentro de margens estreitas, enquanto os índices futuros de Nova York sinalizavam queda nos preços dos ativos.

No mundo dos indicadores, atenção para os dados da produção industrial norte-americana em agosto, a serem divulgados pelo Fed às 10h15.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Quem apoia Lula e Bolsonaro no segundo turno, Elon Musk de volta ao Twitter e as ações mais indicadas para outubro; confira os destaques do dia

4 de outubro de 2022 - 18:55

Se ontem (03) a forte alta do Ibovespa foi muito além dos ganhos vistos em Wall Street, hoje o dia foi marcado pelo movimento contrário.  Em Nova York, os investidores seguiram otimistas com a possibilidade de que os mais recentes dados da economia americana possam levar o Federal Reserve a diminuir o ritmo do seu […]

FECHAMENTO DO DIA

Peões se movimentam no xadrez político e Ibovespa tem alta limitada; dólar cai a R$ 5,16

4 de outubro de 2022 - 18:37

O principal índice da bolsa brasileira teve alta de 0,08%, enquanto o dólar à vista caiu 0,11%, a R$ 5,1680. Isso porque as atenções dos investidores estão de volta ao tabuleiro político do país.

Alívio no bolso

Pensão alimentícia agora é isenta de IR, e quem pagou o imposto nos últimos anos pode reaver a bolada; veja como

4 de outubro de 2022 - 18:21

Plenário do STF confirmou decisão de junho que isenta pensão alimentícia de imposto de renda; veja se você já pode parar de pagar o carnê-leão e como pleitear o ressarcimento dos valores pagos nos últimos cinco anos

Crédito privado

Após resgates superarem 75% do patrimônio, Captalys fecha fundo Orion para novas aplicações

4 de outubro de 2022 - 17:42

Em comunicado enviado aos cotistas, a Captalys informa que a presidente, Margot Greenman, vai se dedicar exclusivamente a retornar o capital integralmente aos cotistas

INCLUSÃO E DIVERSIDADE

Vivo abre mais de 400 vagas para pessoas com deficiência; saiba como participar do processo seletivo

4 de outubro de 2022 - 17:35

As oportunidades, com atuação presencial ou remota em 15 cidades do país, são para as áreas corporativas e comercial; as inscrições vão até 13 de outubro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies