Menu
2019-04-04T13:45:52-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Mercados se desviam de incertezas políticas

17 de janeiro de 2019
5:28 - atualizado às 13:45
mercadodesviapolitica
Mercado tenta se desviar das preocupações políticas nos EUA e no Reino Unido, mas se depara com incertezas econômicas

O noticiário político rouba a cena no mercado financeiro global, em meios às preocupações com a paralisação do governo dos Estados Unidos (shutdown), que entra hoje no 27º dia, e com a saída do Reino Unido da União Europeia (Brexit), após a sobrevida dada a Theresa May no cargo de primeira-ministra. Mas os investidores tentam se esquivar desses dramas.

Em alusão à célebre frase de James Carville durante a campanha presidencial do então candidato Bill Clinton, no início dos anos 90, “é a economia” (!) que segue no centro das atenções. Mas o cenário econômico também está repleto de incertezas.

Durante a sessão asiática, as bolsas da região tentaram acompanhar os ganhos exibidos na véspera em Wall Street, mas foram prejudicadas por relatos de que os EUA estão investigando a chinesa Huawei por supostamente roubar segredos comerciais de empresas norte-americanas. Foi o suficiente para zerar a alta.

No final, Tóquio, Xangai e Hong Kong registraram leves baixas, reacendendo as preocupações sobre as relações entre os dois países. Autoridades de Washington e Pequim se esforçam para chegar a um acordo comercial, antes do fim da trégua tarifária, em março. Uma negociação de alto nível está marcada para este mês.

Em Nova York, os índices futuros apagaram o sinal positivo, deixando indefinida a direção para o dia. Até então, os balanços dos bancos Goldman Sachs e Bank of America sustentavam os negócios. Hoje, é a vez dos resultados trimestrais de Morgan Stanley e Netflix. Nos demais mercados, o petróleo e o dólar medem forças.

Os investidores ainda tentam manter um “rali de alívio”, apostando no apoio dos principais bancos centrais, à medida que a economia global se desacelera. A perspectiva de que os estímulos monetários serão mantidos - ou, pelo menos, o processo de retirada deles será interrompido - tenta manter o apetite por risco.

Não é bem assim...

Apesar da percepção de que o cenário econômico não está tão ruim assim, é crescente o receio quanto ao impacto na atividade norte-americana da paralisação do governo dos Estados Unidos. O chamado shutdown entra hoje no 27º dia, ainda sem sinais de desfecho, em meio ao impasse entre o presidente Donald Trump e os democratas sobre a verba para a construção de um muro na fronteira com o México.

Cálculos da Casa Branca indicam que o shutdown pode retirar 0,5 ponto percentual (pp) Produto Interno Bruto (PIB), se durar ao longo deste mês. E os investidores não vão poder ignorar essa pausa recorde na administração federal por muito mais tempo, apoiando-se apenas no tom mais suave (“dovish”) do Federal Reserve em relação a novas altas na taxa de juros norte-americana.

Afinal, o shutdown é apenas mais um erro político de Trump que pode impactar a economia. O outro erro vem da guerra comercial travada pelos EUA contra a China e os efeitos dessa disputa tanto na economia chinesa quanto no crescimento econômico global.

Mas no centro das atenções políticas, prossegue o drama britânico do Brexit, o que deprime a libra esterlina nesta manhã. Theresa May venceu ontem a moção de desconfiança contra ela e irá continuar no cargo de primeira-ministra. Um dia após a derrota esmagadora, ela obteve uma vitória apertada, por apenas 19 votos, com 325 a favor e 306 contra.

O placar significa que a maioria do Parlamento britânico confia na capacidade de May para permanecer liderando o governo e, principalmente, na habilidade dela para negociar a saída do Reino Unido da União Europeia. Ela tem até a próxima segunda-feira para propor um novo acordo para o Brexit e já negocia com a oposição, a apenas 10 semanas antes do prazo final.

Em compasso de espera

No Brasil, a espera por novidades sobre a reforma da Previdência encurta o fôlego de alta do mercado financeiro. Uma vez que a proposta da equipe econômica só deve ser conhecida no fim deste mês, falta um gatilho para os ativos locais esticarem o rali deste início de ano.

A previsão é de que as novas regras para a aposentadoria sejam apresentadas ao presidente Jair Bolsonaro na semana que vem, antes da viagem ao fórum de Davos. Porém, ele só deve “bater o martelo” sobre as medidas na volta da estreia internacional, onde estará nos holofotes da elite financeira e política mundial.

Assim, os negócios locais devem ficar carentes de notícias relevantes nos próximos dias. Com isso, a Bolsa brasileira e do dólar devem ter um desempenho mais correlacionado ao do exterior, após a recente divergência doméstica frente ao mercado internacional.

Ao menos no curtíssimo prazo. Em fevereiro, quando o Congresso volta às atividades, a tendência é de que haja um novo “descolamento” do mercado brasileiro em relação ao exterior. Afinal, é no Legislativo que os investidores poderão captar o apoio político à agenda de reformas do governo Bolsonaro.

Agenda econômica sem destaques

Na agenda econômica do dia, destaque para o índice da atividade brasileira, calculado pelo Banco Central. O IBC-Br deve rondar a estabilidade pelo segundo mês consecutivo em novembro em relação a outubro, o que reforça os sinais de que a economia doméstica ficou praticamente parada na reta final de 2018.

Já na comparação com novembro de 2017, o indicador deve avançar pela sexta vez seguida, em +1,7%. Os resultados efetivos serão divulgados às 8h30. No exterior, destaque para a leitura final do índice de preços ao consumidor (CPI) na zona do euro em dezembro, às 8h.

No calendário econômico norte-americano, estão previstos dados sobre a construção de moradias no país em dezembro; os pedidos semanais de auxílio-desemprego e o índice regional de atividade na Filadélfia. Se confirmados, todos esses indicadores dos EUA devem ser divulgados às 11h30.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Mais uma opção

Empresa protocola na Anvisa pedido para uso emergencial da Sputnik V

Neste domingo, Anvisa se reunirá para tratar de pedidos para uso de vacinas CoronaVac e a da AstraZeneca/Oxford

Seguro obrigatório

Pagamento de indenizações do DPVAT passa a ser feito pela Caixa

Banco agora é o responsável pela gestão dos recursos do seguro e pelo pagamento das indenizações. A medida começa a valer a partir desta segunda-feira

Sinal verde

Bolsonaro não deve mais barrar a Huawei no leilão do 5G no Brasil

Segundo fontes do Palácio do Planalto e do setor de telecomunicações, o banimento da empresa chinesa provocaria um custo bilionário com a troca dos equipamentos

Impasse

Guedes monta operação ‘apara arestas’ para manter Brandão à frente do Banco do Brasil

Por enquanto, o presidente do BB está no “limbo” na avaliação de funcionários do próprio banco, sem uma manifestação pública do presidente e de Guedes

IPO

Espaçolaser pode arrecadar até R$ 3 bilhões em estreia na B3

Maior rede de clínicas de depilação do País lançou ontem sua oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês)

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies