🔴 5 MOEDAS PARA MULTIPLICAR SEU INVESTIMENTO EM ATÉ 400X – VEJA COMO ACESSAR LISTA

Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Um dia que vale por cem

Governo Bolsonaro completa hoje 100 dias de mandato e a data no mercado financeiro é marcada por uma forte agenda de eventos e indicadores relevantes no Brasil e no exterior

Olivia Bulla
Olivia Bulla
10 de abril de 2019
5:18 - atualizado às 6:15
No exterior, guerra comercial e desaceleração econômica global preocupam

O presidente Jair Bolsonaro chega hoje aos cem primeiros dias de mandato e a data é marcada por uma forte agenda de indicadores e eventos econômicos, capazes de agitar o mercado financeiro hoje. Ainda assim, o foco dos investidores segue na capacidade do novo governo de romper com a “velha política” e avançar com a agenda de reformas.

O primeiro passo nessa direção foi dado ontem. Sem grandes novidades, o parecer da reforma da Previdência foi lido na primeira comissão da Câmara dos Deputados, que analisa se a proposta fere algum princípio constitucional. A votação do texto, que preservou na íntegra o projeto original do governo, está marcada para a semana que vem.

O cenário ideal para o mercado doméstico é de que o projeto seja aprovado sem alterações, deixando as eventuais mudanças para a próxima etapa, durante discussão na comissão especial. E é aí que mora o perigo. Os principais riscos estão relacionados ao tempo de negociação até a aprovação e o quanto do conteúdo será diluído durante esse período.

Para o investidor, quanto mais próximo for a proposta final aprovada no Congresso do texto original apresentado pela equipe econômica, chegando perto de uma economia fiscal de R$ 1 trilhão em dez anos, melhor. Ou seja, a expectativa já embutida nos preços dos ativos locais é de que o Legislativo irá aprovar uma reforma robusta, com a potência fiscal esperada pelo ministro Paulo Guedes (Economia).

Tudo vai depender, porém, do desempenho do Executivo nas negociações com o parlamentares, sem a prática costumeira do “toma-lá-dá-cá”. Por ora, percebe-se que a base de apoio é bem mais fraca do que se imaginava e a articulação política pode esbarrar na popularidade de Bolsonaro, que é a menor após três meses de governo desde 1985.

Novas ameaças

Já no exterior, as polêmicas envolvendo o presidente norte-americano, Donald Trump, que ameaçou impor novas tarifas contra a Europa, elevam o temor dos mercados internacionais em relação à desaceleração econômica global. Afinal, a possibilidade de sobretaxar produtos europeus pode provocar um revés nas negociações comerciais com a China.

Um dos principais receios dos chineses é justamente em relação à imprevisibilidade de Trump. Pequim alega riscos quanto ao descumprimento do acordo à revelia do temperamento do comandante da Casa Branca, ao mesmo tempo em que o presidente chinês, Xi Jinping, mostra-se resiliente.

Por mais que tais ameaças do governo Trump possam ser uma estratégia de Washington em busca de vantagens comerciais, não se trata de uma postura positiva para a economia global, que já vive um momento de fraqueza. A revisão para baixo nas estimativas do Fundo Monetário Internacional (FMI) ontem para o crescimento mundial já reflete esse movimento.

Diante disso, as principais bolsas da Ásia encerraram a sessão de forma mista, em meio ao aumento da tensão entre Estados Unidos e União Europeia (UE) e à redução do FMI para a economia global ao nível mais baixo desde a crise financeira de 2008. As perdas foram lideradas por Tóquio (-0,5%), ao passo que Hong Kong teve leve baixa e Xangai, leve alta.

Em Wall Street, os índices futuros das bolsas de Nova York ensaiam ganhos, tentando recuperar-se das perdas ontem, o que tenta embalar a abertura do pregão europeu. Nos demais mercados, o petróleo segue em alta, beneficiado pelas interrupções na oferta da commodity e também pela fraqueza do dólar, que mede forças em relação às moedas rivais.

Agora, os investidores aguardam pela forte agenda econômica desta quarta-feira, em busca de mais pistas sobre a saúde da economia global. Os eventos e indicadores previstos para o dia podem aumentar a ansiedade nos mercados com risco ou trazer calma aos negócios, em meio ao ambiente econômico-financeiro bastante complicado.

Inflação, BCE e Brexit em destaque

O calendário do dia está carregado no Brasil e no exterior. Entre os indicadores econômicos, o destaque fica com a inflação de março ao consumidor brasileiro (9h) e norte-americano (9h30). A estimativa para o IPCA é de aceleração, a 0,6% em relação a fevereiro, confirmando a recente pressão de alta nos preços no varejo.

Com isso, a taxa acumulada em 12 meses deve se afastar da meta perseguida pelo Banco Central (4,25%), indo a 4,4%. Tal comportamento tem reduzido o ímpeto das apostas quanto a novos cortes na taxa de juros (Selic) em breve. Já o CPI dos EUA deve manter o ritmo lento, com a ausência de pressão inflacionário mantendo o Federal Reserve paciente.

Também no calendário doméstico, antes do IPCA, sai a primeira prévia deste mês do IGP-M (8h) e, depois, é a vez dos números preliminares de abril sobre a entrada e saída de dólares no país (12h30). Já nos EUA, além do CPI, merece atenção a ata da reunião de março do Fed (15h), quando abandonou a previsão de aumento nos juros do país neste ano.

Entre os indicadores econômicos norte-americana, serão conhecidos também os estoques no atacado em fevereiro (11h), os estoques semanais de petróleo bruto e derivados (11h30) e o orçamento do Tesouro em fevereiro (15h). No fim do dia, a China divulga os índices de preços ao consumidor e ao produtor em março.

Na Europa, serão conhecidos vários indicadores de atividade no Reino Unido, mas o destaque fica com a reunião de emergência de líderes europeus sobre a saída dos britânicos da União Europeia. O encontro pode decidir se o Brexit acontecerá nesta sexta-feira ou se será adiado - para maio, junho ou, quiçá, em até um ano.

Já no bloco comum, o Banco Central Europeu (BCE) anuncia a decisão sobre a taxa de juros na zona do euro, às 8h45. Não se espera novidades em termos de política monetária, após novas medidas de estímulo anunciadas em março. Ainda assim, merece atenção a entrevista coletiva do presidente do BCE, Mario Draghi, às 9h30.

Compartilhe

A Bula do Mercado

Mercado se despede de 2019

30 de dezembro de 2019 - 5:12

Pregão espremido entre o fim de semana e as comemorações pela chegada de 2020 marca o fim dos negócios locais em 2019

A Bula do Mercado

A Bula da Semana: Adeus ano velho

30 de dezembro de 2019 - 4:43

Mercado doméstico se despede de 2019 hoje e inicia 2020 na quinta-feira repleto de expectativas positivas

A Bula do Mercado

Mercado testa fôlego na reta final de 2019

27 de dezembro de 2019 - 5:20

Ibovespa e Wall Street têm melhorado suas marcas nos últimos pregões do ano, diante do forte consumo na temporada de festas

A Bula do Mercado

Mercado se prepara para a chegada de 2020

26 de dezembro de 2019 - 5:23

Faltando apenas três pregões no mercado doméstico para o fim de 2019, investidores já se preparam para rebalanceamento de carteiras no início de 2020

A Bula do Mercado

Mercado à espera da folga de feriado

23 de dezembro de 2019 - 5:27

Pausa no mercado financeiro por causa das comemorações de Natal reduz a liquidez dos negócios globais

A Bula da Semana

Então, é Natal

23 de dezembro de 2019 - 4:55

Pausa no mercado doméstico, amanhã e quarta-feira, por causa das festividades natalinas reduz a liquidez dos negócios ao longo da semana

A Bula do Mercado

Mercado se prepara para festas de fim de ano

20 de dezembro de 2019 - 5:34

Rali em Nova York e do Ibovespa antecede pausa para as festividades de Natal e ano-novo, que devem enxugar liquidez do mercado financeiro nos próximos dias

A Bula do Mercado

CPMF digital e impeachment agitam mercado

19 de dezembro de 2019 - 5:35

Declarações de Guedes embalaram Ibovespa ontem, mas criação de “CPMF digital” causa ruído, enquanto exterior digere aprovação de impeachment de Trump na Câmara

A Bula do Mercado

Mercado em pausa reavalia cenário

18 de dezembro de 2019 - 5:17

Agenda econômica fraca do dia abre espaço para investidor reavaliar cenário, após fim das incertezas sobre guerra comercial e Brexit

A Bula do Mercado

Mercado recebe ata do Copom, atento ao exterior

17 de dezembro de 2019 - 5:28

Ata do Copom, hoje, relatório trimestral de inflação e IPCA, no fim da semana, devem calibrar apostas sobre Selic e influenciar dólar e Ibovespa

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar