A AÇÃO QUE ESTÁ REVOLUCIONANDO A INFRAESTRUTURA DO BRASIL E PODE SUBIR 50%. BAIXE UM MATERIAL GRATUITO

2019-02-01T08:46:19-02:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Congresso em foco

Deputados e senadores eleitos (e reeleitos) iniciam os trabalhos hoje e a expectativa recai na eleição para as presidências da Câmara e do Senado

1 de fevereiro de 2019
5:28 - atualizado às 8:46
Montagem de votação no Congresso
Decisão de colocar em votação projetos de reforma do governo Bolsonaro depende do Congresso

O novo Congresso Nacional assume hoje, após as eleições de outubro promoverem a maior renovação na composição da Câmara e do Senado desde 1990. Fragmentado partidariamente e conservador nos valores, o poder Legislativo será fundamental para as pretensões liberais e reformistas do governo Bolsonaro

Ciente disso, o mercado financeiro brasileiro está atento às eleições dos presidentes das duas Casas, que também acontecem hoje (18h). Os partidos políticos têm se articulado para definir os votos. Mas o Congresso caminha para ter a mesma “cara”, com Rodrigo Maia e Renan Calheiros à frente dos eleitos sob o signo da rejeição da velha política.

Entre os deputados, o nome do DEM é franco favorito. Já no Senado, o (pe)emedebista alagoano pode chegar à presidência da Casa pela quinta vez. Mas a escolha de ambos pode ser uma boa notícia ao Executivo, já que sinalizam apoio à agenda de reformas e às propostas de privatizações.

Mas enquanto Maia deve ser reeleito com larga vantagem, a situação no Senado é mais complexa. O maior adversário de Renan na disputa pode ser o voto aberto. Até por isso, os contrários à reeleição dele articulam para que a votação não seja secreta. Em tese, isso pode constranger seus apoiadores, tornando mais difícil a vitória de Renan.

Outro mal-estar na Casa vem de Flávio Bolsonaro e a pressão por causa de movimentações bancárias atípicas apontadas pelo Coaf, envolvendo um ex-assessor do senador mais votado do Rio. Aliás, quem também volta aos trabalhos hoje é a Corte Suprema (STF) e a liminar que suspende a investigação de Fabrício Queiroz deve ser cassada.

Mercado aposta alto

O investidor vem “apostando alto” na aprovação da reforma da Previdência. E é a perspectiva de que as regras para aposentadoria serão alteradas em breve - talvez até a virada do primeiro para o segundo semestre, sem solavancos, que tem levado a Bolsa brasileira a sucessivos recordes, rumo aos 100 mil pontos, e afundado o dólar para abaixo de R$ 3,70.

Por isso, será fundamental aferir o apoio do Congresso na aprovação das reformas. O texto da Previdência deve contar com o aval de Estados e municípios, devido à crise fiscal espalhada pelo país. Ainda mais depois da sinalização do presidente Jair Bolsonaro, de que ninguém ficará de fora das novas regras - o que inclui servidores civis e os militares.

O entendimento do mercado financeiro é de que a aprovação da reforma da Previdência irá mudar de patamar o nível de juro neutro no Brasil, o que contribui para uma estabilidade maior do dólar e reduz o prêmio de risco do país. Tais condições criam um ambiente favorável à reavaliação da nota de crédito soberano (rating) pelas agências.

E o mercado, como se sabe, antecipa movimentos e já vislumbra uma melhora no rating brasileiro, recolocando o país em direção ao grau de investimento e à conquista do selo de “bom pagador”. Essa nota, é bom lembrar, é tida como critério para determinar a alocação de recursos de muitos fundos e investidores estrangeiros, atraindo capital ao país.

Em meio a essa antecipação, o principal índice acionário da Bolsa, o Ibovespa, encerrou janeiro com valorização de quase 11%. O dólar foi na direção contrária e encerrou o mês cotado na faixa de R$ 3,65, no menor nível desde o fim de outubro do ano passado - ou seja, no período pós-eleições. Já o prêmio dos juros futuros (DIs) derreteu.

Esse movimento local, porém, acompanhou o desempenho robusto dos mercados globais, com as ações ao redor do mundo registrando a melhor performance mensal em mais de sete anos.

Payroll é destaque lá fora

No exterior, depois que o Federal Reserve reiterou que irá exercitar a “paciência” antes de adotar algum movimento em relação à taxa de juros norte-americana, é fundamental que o mercado de trabalho nos Estados Unidos pare de emitir sinais de acúmulo de pressão inflacionária vinda dos salários. Do contrário, o próximo passo do Fed pode ser de alta.

Originalmente, a expectativa era de geração de 190 mil vagas de trabalho em janeiro, com a taxa de desemprego seguindo nos menores níveis em décadas, em 3,9%, ao passo que o ganho médio por hora deveria manter o ritmo de crescimento, com +0,3% no mês e +3,2% no confronto anual. É válido lembrar que a paralisação do governo dos EUA (shutdown) durante praticamente todo o mês passado tende a distorcer os números finais.

À espera dos dados efetivos, os índices futuros das bolsas de Nova York exibem leves ganhos, após uma sessão mista na Ásia. Os investidores mostram certa decepção com a ausência de acordo entre EUA e China na questão comercial, mas veem progresso nas negociações. Um novo encontro entre os presidentes Donald Trump e Xi Jinping deve ocorrer em breve.

Segundo o líder da Casa Branca, existem alguns pontos de desacordo, mas "quando Xi e eu nos encontrarmos, todos os pontos serão aceitos”. O cessar-fogo entre os dois países deve terminar em 2 de março e espera-se que a Casa Branca eleve os impostos de importação sobre US$ 200 bilhões em produtos chineses, de 10% para 25%.

Nos demais mercados, o petróleo ensaia ganhos, enquanto o dólar está mais fraco. De volta à agenda econômica, o relatório oficial sobre o emprego nos EUA (payroll) será divulgado às 11h30. Depois, às 13h, saem dados sobre a atividade nos setores da indústria e da construção civil, além da confiança do consumidor.

Ao longo do dia, serão conhecidos os resultados das vendas das montadoras norte-americanas em janeiro. Também serão conhecidos dados sobre a atividade industrial na zona do euro (7h) e no Brasil (9h), além de números sobre a inflação ao consumidor na região da moeda única e nas principais capitais brasileiras em janeiro, ambos às 8h.

A previsão para o desempenho do setor nacional é de estabilidade em dezembro, após interromper em novembro quatro meses seguidos de queda. Se confirmado, o número deve corroborar a lentidão da recuperação econômica, com a atividade perdendo tração no confronto anual e registrando o segundo resultado negativo consecutivo.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

1ª troca em 20 anos

Americanas (AMER3) anuncia Sergio Rial, ex-CEO do Santander, para o comando da companhia no lugar de Miguel Gutierrez

19 de agosto de 2022 - 19:17

Trata-se da primeira troca no cargo de diretor presidente da varejista em 20 anos; Rial assumirá cargo no início do ano que vem

Acionistas felizes

Dividendos: Telefônica (VIVT3) e Marfrig (MRFG3) pagam nova rodada de proventos. Veja as condições para receber

19 de agosto de 2022 - 19:14

A Telefônica não fixou data para o pagamento dos dividendos, mas segundo a companhia, os créditos serão realizados até 31 de julho de 2023

VAI DISPARAR?

Polo Capital aumenta participação na Tenda (TEND3) e se aproxima do gatilho para “poison pill”; construtora discutirá fim do mecanismo em assembleia

19 de agosto de 2022 - 18:36

O movimento ocorre poucos dias após a companhia anunciar que, atendendo a um pedido da gestora, vai convocar uma Assembleia Geral Extraordinária para discutir a exclusão da “poison pill” de seu estatuto social

FECHAMENTO DO DIA

Frente fria chega ao Ibovespa e índice recua 1,12% na semana; dólar vai a R$ 5,16

19 de agosto de 2022 - 18:33

Apesar da semana calma, o Ibovespa refletiu a cautela com os juros americanos e a queda das commodities

SEMANA EM CRIPTO

Nova crise no mercado, empresas entram em criptomoedas e atualização do ethereum ‘mais fraca’ marcaram semana: bitcoin (BTC) terá dias decisivos pela frente; entenda

19 de agosto de 2022 - 16:23

O bitcoin perdeu um importante suporte de preço antes dos dados da inflação dos Estados Unidos na semana que vem

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies