Esse conteúdo é exclusivo para o
Seu Dinheiro Premium.
Seja Premium
Quero ser Premium Já sou Premium
O que você vai receber
Conteúdos exclusivos
Indicações de investimento
Convites para eventos
Ibovespa e mercados na semana: Só restam mais três meses
Menu
2019-09-30T05:23:37-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula da Semana

A Bula da Semana: Só restam mais três meses

Na reta final de 2019, dúvidas sobre impeachment de Trump, guerra comercial contra a China e reforma da Previdência ainda pairam no ar

30 de setembro de 2019
5:23
ultimotrimestre

A semana começa em tom de despedida, com o último dia de setembro marcando também o fim do terceiro trimestre deste ano. Mas a chegada do novo mês e, de quebra, do último trimestre de 2019 não deve ser acompanhada daquele típico sentimento de esperanças renovadas, já que muitas incertezas pairam no ar.

A principal dúvida de curto prazo é o processo de impeachment contra o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Ainda não se sabe o impacto na eleição de 2020 de um eventual pressão do norte-americano sobre a Ucrânia para fornecer informações em relação ao ex-vice-presidente Joe Biden. Mas o fato já tem gerado ruídos no mercado.

Além de ser mais um fator de incerteza e gerar volatilidade nos negócios, o processo antecipa o debate eleitoral nos EUA, podendo prejudicar tanto a candidatura do republicano quanto a do democrata. Talvez Biden já não seja o candidato mais provável do partido rival a vencer Trump no pleito.

Além disso, não se sabe como o impeachment afetará as relações comerciais dos EUA, em especial com a China. Afinal, o presidente chinês, Xi Jinping, tende a ver menos motivos para assinar um acordo com Washington, alimentando esperança de um novo presidente na Casa Branca em 2021.

Uma semana pelos 70 anos

Aliás, o gigante emergente faz uma pausa nesta semana dourada (Golden Week), quando comemora os 70 anos da Revolução Comunista, liderada por Mao Tse-tung, que pôs um fim ao “século de humilhação” e criou a República Popular da China. As comemorações paralisam o pregão em Xangai de amanhã até a próxima segunda-feira, enquanto Hong Kong fecha somente na terça-feira.

Porém, antes de sair de cena, a China divulgou dados sobre o desempenho dos setores industrial e de serviços em setembro, que devem influenciar a sessão de hoje. Nos próximos dias, também saem indicadores de atividade nos EUA, Brasil e zona do euro, mas o destaque da agenda da semana fica com o relatório oficial de emprego nos EUA (payroll).

Os números sobre a atividade ao redor do mundo podem lançar luz sobre o atual estágio do ciclo econômico, em meio aos sinais de desaceleração global. O temor é de que os bancos centrais não consigam combater essa perda de tração, com a política suave (“dovish”) de juros muito baixos ou negativos combinada com estímulos adicionais (QE) sendo insuficiente para resolver a fraqueza do crescimento em muitos países.

Muitos BCs já começam a mostrar essa visão. Ainda mais por desconhecerem os impactos nos preços ao consumidor de um eventual conflito comercial mais duradouro entre as duas maiores economias do mundo. Tem-se, então, o risco de uma espiral inflacionária em um ambiente de baixo crescimento - quiçá recessão. A ver o que o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, tem a falar sobre o tema, na sexta-feira.

Sai ou não sai?

Por aqui, o cenário benigno da inflação somado à atividade fraca, em ritmo gradual de recuperação, abre espaço para a taxa básica de juros buscar novas mínimas ainda neste ano. A previsão é de que a Selic caia abaixo de 5% em breve, podendo permanecer em um nível baixo por um período prolongado. O dólar, por sua vez, segue sendo uma incógnita.

Mas o calendário econômico mais fraco desta semana concentra a atenção dos investidores na votação do parecer do relator da reforma da Previdência, Tasso Jereissati, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, provavelmente amanhã. A previsão é de que na tarde do mesmo dia a matéria seja apreciada no plenário da Casa, em primeiro turno.

O adiamento da votação, esperado para a semana passada, preocupou o investidor e deixou uma sensação de desentendimento entre os poderes. A expectativa ainda é de que o calendário de votação seja mantido, com a aprovação das novas regras para aposentadoria pelos senadores acontecendo até o dia 10. Para tanto, o governo pode ser pressionado a liberar mais recursos de emendas parlamentares.

Encerrada a discussão em torno da nova Previdência, não deve haver tempo hábil para o Congresso debater mais uma reforma ainda neste ano. Ainda mais diante das controvérsias em torno da proposta de alteração do sistema tributário, que coloca em xeque diferentes pontos de interesse da classe empresarial.

O assunto que deve entrar no radar em Brasília é o Orçamento de 2020, com a equipe do ministro Paulo Guedes (Economia) se esforçando para cumprir a Regra de Ouro. Um acordo com os presidentes Rodrigo Maia (Câmara) e Davi Alcolumbre (Senado) deve acelerar as pautas do ajuste fiscal, permitindo fechar as contas públicas deste ano.

Confira a seguir os principais destaques desta semana, dia a dia:

Segunda-feira: A semana começa com a tradicional publicação do dia, a saber, o relatório de mercado Focus (8h25). Já os dados semanais da balança comercial ficaram para o dia seguinte, trazendo os números consolidados de setembro.

Terça-feira: Indicadores sobre a atividade industrial no Brasil, na zona do euro e nos EUA marcam o dia. A reforma da Previdência deve ser votada na CCJ do Senado, sendo encaminhada para o plenário da Casa, se aprovada. O feriado na China paralisa o país por uma semana, dando início às comemorações dos 70 anos da Revolução Comunista.

Quarta-feira: O Senado pode concluir o primeiro turno da votação da reforma da Previdência e o STF retoma o julgamento sobre o alcance da tese das alegações finais. A China segue comemorando o feriado nacional, mas a Bolsa de Hong Kong volta a funcionar.

Quinta-feira: Novos dados de atividade, desta vez, referente ao setor de serviços na zona do euro e nos EUA, recheiam a agenda. O feriado na China mantém a Bolsa de Xangai fechada.

Sexta-feira: A geração de postos de trabalho nos EUA, a taxa de desemprego no país e o rendimento médio do trabalhador estão em destaque. Merece atenção também o discurso de Powell, do Fed. A Bolsa de Xangai permanece fechada devido ao feriado na China.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL

Recuperação extrajudicial da Triunfo é suspensa pela 1ª Câmara do Tribunal de Justiça de São Paulo

Hoje, os papéis da companhia terminaram o dia cotados em R$ 2,07, o que representa uma alta de 11,29%. Apenas em janeiro, os papéis da Triunfo já subiram 22,49%

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Petrobras à beira da privatização

Caro leitor, São grandes as expectativas do mercado em torno das vendas de ativos estatais para o setor privado durante o governo Jair Bolsonaro. Recentemente, o secretário especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados, Salim Mattar, disse que a meta do governo federal é levantar R$ 150 bilhões em privatizações apenas em 2020. Mas Bolsonaro já […]

De volta aos 118 mil pontos

Noticiário corporativo dá as cartas e Ibovespa sobe mais de 1%; dólar cai a R$ 4,17

Num dia de calmaria no exterior, o Ibovespa fechou em alta firme, impulsionado pelo bom desempenho das ações das siderúrgicas, da Eletrobras e do setor de papel e celulose.

PETRÓLEO

Campo de Lula permanece em 2019 como o maior produtor de petróleo do Brasil

Primeiro campo supergigante brasileiro, Lula foi descoberto em 2006, representando hoje 34,2% da produção do País

PETRÓLEO

Produção de petróleo no Brasil cresce 7,78% em 2019, diz ANP

A maior alta foi registrada pela produção de petróleo na região do pré-sal, de 21,56%, para 633,9 milhões de barris, segundo agência

MAIS ESCLARECIMENTOS

Contrato para abrir ‘caixa-preta’ é da gestão Temer, diz presidente do BNDES

“Não foi esta diretoria que contratou a auditoria. Chegamos em julho no banco e 90% do relatório estava pronto”, afirmou Montezano

OLHO NO VAREJO

XP diz que ações de varejistas não estão caras e coloca Lojas Renner, Via Varejo e Vivara entre as apostas para setor

Para o analista, a alta nos múltiplos é reflexo do aumento das expectativas dos investidores com a melhora do consumo e expansão das varejistas. Mas ponderou que, ao mesmo tempo, tal fato diminui a margem de erro por parte das empresas

Altas e baixas

Eletrobras, siderúrgicas, Marfrig, JBS e Klabin: os destaques do Ibovespa nesta quarta-feira

As ações da Eletrobras reagiram positivamente à recomendação de compra pelo Itaú BBA. Siderúrgicas e Klabin também subiram, enquanto Marfrig e JBS caíram

em compasso de espera

Gol nega revés após Boeing adiar novamente retorno do 737 MAX

Modelo foi suspenso por autoridades em todo o mundo após dois acidentes deixarem centenas de mortos no fim de 2018 e início de 2019

de olho na avaliação

Aprovação de Bolsonaro cai para 47,8% em um ano, diz CNT/MDA

O chefe do Planalto, no entanto, se recuperou quando a comparação ocorre entre a última pesquisa, em agosto, e agora

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements