Menu
2019-04-05T10:23:45-03:00
Clima azedo lá fora

Cresce preocupação com efeitos da paralisação nos EUA e da indefinição do Brexit

Com esse pano de fundo, tem crescido a aposta dos investidores de que o Federal Reserve não deve subir os juros este ano, observa relatório do Instituto Internacional de Finanças (IIF)

20 de janeiro de 2019
8:27 - atualizado às 10:23
Bolsa de Nova York (NYSE) em setembro de 2011
Bolsa de NY (NYSE): guerra comercial e expectativa de desaceleração da economia mundial também contribuem para tensão nos mercados globais. Imagem: Shutterstock

O começo de 2019 tem sido marcado por forte aumento da incerteza com o ambiente político nos Estados Unidos e na Europa, avalia neste sábado o Instituto Internacional de Finanças (IIF), formado pelas 500 maiores instituições financeiras do mundo, com sede em Washington. Preocupações com as consequências políticas e econômicas da paralisação parcial do governo norte-americano, que já é a maior da história, estão "crescendo rapidamente", ressalta relatório.

No Reino Unido, as dúvidas sobre o que vai acontecer com o processo de separação da região da União Europeia, o Brexit, se avolumam e podem ter repercussões negativas na confiança de empresários e investidores, com repercussões que podem ir bem além da Europa, de acordo com o documento, assinado pelos economistas, Paul Della Guardia e Khadija Mahmood.

Estas preocupações políticas aliadas às dúvidas sobre como vão ficar as relações comerciais entre Washington e Pequim e renovados temores sobre a desaceleração da economia mundial têm tido forte influência no mercado financeiro mundial neste começo de 2019, especialmente nas bolsas de valores, que mostraram volatilidade alta nos últimos dias, ressalta o IIF. Com esse pano de fundo, tem crescido a aposta dos investidores de que o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) não deve subir os juros este ano, observa o relatório.

Um sinal de alerta sobre os rumos da atividade global pode ser observado nos balanços dos grandes bancos dos EUA, segundo o IIF. Um dos destaques foi o aumento das provisões para devedores duvidosos, o que revela preocupações destas instituições com os efeitos que a desaceleração da economia pode ter nas famílias e empresas. Além disso, alguns bancos estão prevendo crescimento mais moderado das receitas pela frente.

Em meio ao temor de desaceleração da economia mundial, o elevado endividamento de empresas representa uma crescente fonte de vulnerabilidade, alerta o IIF. Os passivos de companhias não financeiras atingiram 92% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial no terceiro trimestre de 2018, segundo os números mais recentes. O porcentual é recorde e parte importante do crescimento ocorreu pelo aumento das dívidas de empresas da China, segundo o relatório. Uma das razões para isso, avalia o IIF, pode ser o interesse de Pequim de estimular a atividade por meio do mercado de empréstimos, uma forma de ofuscar os efeitos negativos do conflito comercial com os EUA.

O crescimento do endividamento corporativo também ocorreu em empresas norte-americanas, que chegou a US$ 15 trilhões ao final do terceiro trimestre do ano passado - US$ 1,5 trilhão a mais do que era ao final de 2016, de acordo com o IIF.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

foco no nordeste

Desenvolvimento Regional autoriza R$ 30,7 milhões para saneamento em 17 Estados

Segundo a pasta, a maior fatia dos recursos foi destinada ao Nordeste (R$ 15,8 milhões), seguida pela região Norte (R$ 6,5 milhões)

caso das rachadinhas

Presidente do STJ decide colocar Queiroz em prisão domiciliar

O caso tramita sob segredo de Justiça. Preso desde 18 de junho, Queiroz é apontado como operador de um suposto esquema de “rachadinhas” – apropriação de salários de funcionários – no antigo gabinete do senador Flávio Bolsonaro

O dia dos mercados

Com cautela em NY, bolsa fecha em queda de 0,6% após voltar aos 100 mil pontos; dólar recua

Em sessão de volatilidade, bolsa retorna ao patamar de 100 mil, mas não consegue manter fôlego com cautela em bolsas americanas. Dólar tem leve queda e se aproxima de R$ 5,30

ALÉM DE MORTOS E FERIDOS...

Os ‘falidos’ do coronavírus: veja as empresas que quebraram na pandemia

Companhias aéreas foram as primeiras a sentir o baque, seguidas por empresas que dependem também do turismo ou de viagens corporativas. Varejistas com fraca presença no e-commerce também sofreram com a ausência de clientes.

dados do ministério da Economia

Estatais apresentaram resultado líquido de R$ 109,1 bilhões em 2019, alta de 53%

De acordo com balanço apresentado nesta quinta-feira pelo Ministério da Economia, isso representa um aumento de 53% em relação ao lucro de 2018 e é o maior valor desde 2008

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements