2019-01-31T12:34:33-02:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Balanços

Vai acelerar. Bradesco tem lucro de R$ 21,6 bilhões e projeta alta de até 13% do crédito em 2019

Resultado do segundo maior banco privado brasileiro aumentou 13,4% no ano passado e ficou acima das expectativas do mercado. Rentabilidade atingiu 19,7% no quarto trimestre

31 de janeiro de 2019
6:57 - atualizado às 12:34
Bradesco: expectativas do mercado para lucro do Bradesco eram altasImagem: Montagem Andrei Morais / Estadão Conteúdo / Shutterstock

Com a volta do crédito depois de praticamente "jogar parado" nos últimos anos, o Bradesco registrou lucro líquido de R$ 21,6 bilhões em 2018, um aumento de 13,4%. E sinalizou que vai acelerar na concessão de financiamentos neste ano.

Depois de bons números apresentados no terceiro trimestre e do balanço do Santander divulgado ontem, as expectativas do mercado para os resultados do Bradesco eram altas.

Mas o lucro do banco superou as projeções dos analistas, que apontavam para R$ 21,0 bilhões, de acordo com dados da Bloomberg. O lucro de R$ 5,8 bilhões nos últimos três meses do ano também ficou acima da expectativa do mercado.

Não é Usain Bolt

Com o lucro maior, o segundo maior banco privado brasileiro entregou uma rentabilidade de 19,7% aos acionistas no quarto trimestre. No ano como um todo, o retorno saltou de 18,1% para 19%.

"Temos convicção de continuar entregando níveis ainda mais elevados de retorno", afirmou o presidente do Bradesco, Octavio de Lazari, em teleconferência com jornalistas para comentar o balanço.

Lazari disse que a busca por maior retorno "não é uma corrida de Usain Bolt, mas de longo prazo". Ele não citou concorrentes, mas a afirmação pode ser uma referência ao Santander, que teve um salto na rentabilidade no quarto trimestre do ano passado e se aproximou do Itaú Unibanco.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente

Crédito de volta

Um dos destaques do balanço foi o crédito. O saldo dos financiamentos atingiu R$ 531,6 bilhões em dezembro passado.

Trata-se de um avanço de 1,6% no trimestre e de 7,8% em 12 meses. O resultado ficou acima da estimativa feita pelo banco no início do ano, de um aumento de 3% a 7% na carteira de crédito.

Para este ano, o banco pretende acelerar na concessão de financiamentos. A expectativa é que o crédito apresente uma expansão entre 9% e 13%.

Com a volta do crédito, a instituição reverteu a trajetória de queda da margem financeira, que atingiu R$ 63,3 bilhões ano no passado, alta de 0,3%.

Inadimplência em queda

Embora tenha ficado atrás do Santander em rentabilidade, o Bradesco manteve a tendência de redução da inadimplência no balanço, ao contrário do concorrente.

O índice de atrasos acima de 90 dias na carteira do banco encerrou o ano em 3,5%, uma redução de 0,1 ponto percentual no trimestre e de 1,2 ponto em relação a dezembro de 2017.

"Ainda entendemos que a inadimplência está em um patamar um pouco elevado e vemos espaço para redução, principalmente nas linhas de grandes empresas", afirmou Lazari.

A queda nas despesas de provisão para calotes do banco foi um fator fundamental para a melhora no lucro do banco. Elas recuaram 29,6% no ano passado, para R$ 14,5 bilhões. No trimestre, porém, houve uma alta de 4,9%.

A alta nos últimos três meses do ano não deve ser uma tendência. A expectativa do Bradesco para 2019 é que, na pior das hipóteses, as provisões fiquem no mesmo nível do ano passado.

Tarifas e despesas

A cobrança de tarifas na conta corrente e outros serviços rendeu R$ 32,4 bilhões ao Bradesco no ano passado, um aumento de 5,2% em relação a 2017 e acima da inflação do período. Do lado das despesas, o avanço foi de apenas 1,7%.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

O melhor do Seu Dinheiro

Mais um alarme de preço baixo, Tesla em queda, bear market do bitcoin, novo fundo do Itaú e outras notícias que mexem com o seu bolso

Apesar de resultados sólidos no quarto trimestre, papéis de construtoras seguem em queda. Confira se é hora de comprar ações do setor e quais informações você precisa levar em conta antes de decidir

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas no exterior tentam se recuperar da queda após decisão do Fed e Ibovespa busca manter ritmo de alta mesmo com risco fiscal no radar

Depois de tocar os 112 mil pontos ontem (26), a bolsa brasileira precisa enfrentar o ajuste de carteiras ao novo cenário de juros altos

Exclusivo

Na “caça aos unicórnios”, Itaú lança fundo para aplicar em gestores de investimentos alternativos

O banco acaba de abrir para captação o Polaris, fundo com objetivo de retorno de até 25% ao ano e foco em investimentos que vão bem além do “combo” tradicional de bolsa, dólar e juros

CONSTRUTORAS COM DESCONTO

Vendas de imóveis em alta, ações em baixa. A queda das incorporadoras abriu uma oportunidade de compra na bolsa?

Os resultados do quarto trimestre mostram que as empresas do setor entregaram desempenhos sólidos, mas as ações caminham na direção contrária

COMPRA PROGRAMADA

‘Vale Gás’: Ultragaz cria cartão que permite ‘congelar’ o preço e parcelar a compra do gás de cozinha

O GLP é um dos derivados de petróleo afetado pela alta do dólar frente ao real e pela valorização da commodity no mercado internacional