Menu
2019-06-21T13:02:20-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
"Mexidão" dos números

Cardápio dos balanços: Itaúsa, Cosan, Eletrobras e JBS divulgam resultados do 1º trimestre

Itaúsa, holding de investimentos que controla o Itaú Unibanco, registrou um lucro líquido de R$ 2,486 bilhões no 1º trimestre. Os resultados das demais empresas estão previstos para sair ainda hoje

13 de maio de 2019
19:27 - atualizado às 13:02

A última semana da temporada de balanços do 1º trimestre de 2019 começa com a divulgação dos resultados de quatro companhias listadas no Ibovespa.

Itaúsa, Cosan, Eletrobras e JBS divulgam seus dados, e para você não ficar perdido em meio à tantos números, o Seu Dinheiro separou uma lista com os principais resultados. Enquanto isso, você também pode conferir a prévia dos balanços desta semana e ficar por dentro das expectativas do mercado.

Itaúsa

A holding de investimentos que controla o Itaú Unibanco registrou um lucro líquido de R$ 2,486 bilhões no 1º trimestre. O resultado representa uma alta de 3,6% na comparação com o mesmo período do ano passado. Os ativos totais da empresa somaram R$ 54,323 bilhões, alta de 1,2%, e o patrimônio líquido subiu 3,9%, para R$ 50,402 bilhões. Nos últimos anos, a Itaúsa saiu às compras de outros ativos, como a Alpargatas, fabricante das Havaianas, e uma participação na NTS - Nova Transportadora do Sudeste, gasoduto cujo controle foi vendido pela Petrobras.

Cosan

A Cosan divulgou lucro líquido de R$ 395,7 milhões no primeiro trimestre de 2019 (alta de 14,5% ante R$ 345,7 milhões do mesmo período do ano passado). O período, entre janeiro e março deste ano, corresponde ao quarto e último trimestre da safra 2018/2019 de cana-de-açúcar, um dos principais ramos de atividade da companhia.  A Cosan relatou lucro ajustado proforma de R$ 401,3 milhões (alta de 11,3%). O Ebitda somou R$ 1,447 bilhão (alta de 21,4%). O Ebitda ajustado proforma atingiu R$ 1,459 bilhão, alta de 11,2% na mesma base de comparação.

Eletrobras

A Eletrobras fechou o primeiro trimestre de 2019 com um lucro líquido de R$ 1,347 bilhão, 178% maior que o de R$ 484 milhões no mesmo período do ano anterior. O resultado com operações continuadas foi de R$ 1,570 bilhão, queda de 34% ante o primeiro trimestre de 2018, e com as descontinuadas, ou seja, as distribuidoras, houve um prejuízo líquido de R$ 223 milhões. O prejuízo de R$ 1,176 bilhão da Amazonas D foi compensado parcialmente pelo lucro de R$ 94 milhões da Ceal e o resultado da venda da elétrica de Alagoas de R$ 859 milhões.

JBS

A JBS teve lucro líquido de R$ 1,09 bilhão no primeiro trimestre de 2019, alta de 116% ante o mesmo período de 2018. O resultado foi ajudado pelo efeito do câmbio sobre as operações no exterior e sobre as exportações. O lucro veio acima do esperado pelos analistas, que previam lucro líquido de R$ 464,5 milhões, de acordo com a Bloomberg. A receita líquida da empresa de alimentos controlada pela família Batista avançou 11,5% para R$ 44,3 bilhões no trimestre, com avanço em todas as unidades de negócios, tanto no exterior quanto no Brasil. Segundo a companhia, a desvalorização média do real frente ao dólar no primeiro trimestre foi de 14%.

 

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Ninguém escapa

Cenário turbulento afeta até mesmo os IPOs da saúde, um dos setores preferidos dos investidores

Empresas com ofertas ambiciosas tiveram de reduzir suas estimativas de preços ou adiar datas para seguir com as operações

Disparada

No embalo do recorde do bitcoin, ações da Coinbase disparam mais de 70% na estreia na Nasdaq

O CEO da empresa, Brian Armstrong, comentou mais cedo sobre a abertura de capital da Coinbase ao portal CNBC

Fura-teto?

Criticado, governo vai rever PEC que livra obras do teto

O texto não caiu bem entre economistas, parlamentares e membros do próprio governo federal

Relembre a história

Crime e castigo: Bernie Madoff, responsável pela maior pirâmide financeira da história, morre na cadeia

Condenado a 150 anos de prisão, financista que fraudou US$ 20 bilhões e enganou milhares de investidores morreu em desgraça aos 82 anos. Conheça sua história e relembre seus crimes.

Atividade em queda

Indicador da FGV mostra contração da economia em março com agravamento da pandemia

A queda nas expectativas dos consumidores foi um dos destaques negativos entre os componentes do indicador

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies