2019-04-03T18:18:51-03:00
Estadão Conteúdo
Separação difícil

Reino Unido pode encarar crise pior que de 2008 com o Brexit

Analistas do governo britânica preveem queda de 3,9% do país até 2034 enquanto uma onda de incerteza avança sobre diversos setores da economia

29 de novembro de 2018
6:38 - atualizado às 18:18
Bandeiras do Reino Unido e da União Europeia
Imagem: shutterstock

O Reino Unido ficará mais pobre nos próximos 15 anos, seja qual for o tipo de acordo sobre o Brexit. O diagnóstico foi feito por analistas do governo e do Tesouro britânico, que levaram em conta a negociação para uma saída abrupta, conciliatória ou total da União Europeia. Um alerta emitido nessa quarta-feira, 28, pelo Banco da Inglaterra, indica que a separação desordenada poderia causar uma crise econômica pior do que a registrada em 2008.

O relatório divulgado ontem, 28, por analistas do governo britânico estima que o PIB do Reino Unido será até 3,9% menor em 2034 em relação a como seria se não houvesse Brexit. Para o cálculo, foi levado em consideração o acordo proposto pela primeira-ministra britânica, a conservadora Theresa May, e aprovado pela União Europeia no fim de semana.

Em um cenário com o chamado “hard Brexit”, termo usado para designar uma saída abrupta da União Europeia, a partir de 29 de março do ano que vem, os analistas estimam que o PIB do Reino Unido possa ser 7,7% menor. No pior cenário, em que não haverá canais migratórios ou de circulação de bens, a economia britânica seria até 9,3% menor.

“Se você olhar de um ponto de vista exclusivamente econômico, haverá um custo para deixar a União Europeia, porque haverá restrições ao nosso comércio bilateral”, afirmou o ministro das Finanças britânico, Philip Hammond, acrescentando que um divórcio conciliatório minimizaria os danos. Para ele, o plano de May “entrega uma saída que é muito próxima dos benefícios de permanecer no bloco.”

Nova crise

Ontem, o Banco da Inglaterra alertou que um Brexit desordenado causaria uma crise econômica pior do que a de 2008 - e, provavelmente, a mais grave da história moderna do país. Em relatório de 88 páginas, o banco estima que uma saída sem acordo do bloco encolheria a economia britânica em até 8%, causaria queda do mercado imobiliário, dobraria a taxa de desemprego e levaria a inflação a 6,5%.

Uma reportagem do jornal Daily Telegraph, publicada antes da divulgação do relatório, mostrou que, em produção econômica no período de 15 anos, o Reino Unido pode perder 150 bilhões de libras (cerca de R$ 743 bilhões) se deixar a União Europeia sem um acordo.

Segundo o jornal Daily Telegraph, o plano do Brexit defendido por May custaria, por outro lado, 40 bilhões de libras (cerca de R$ 200 bilhões) no mesmo período. As análises foram divulgadas no momento em que a primeira-ministra luta para conseguir convencer os parlamentares britânicos a apoiar o acordo com Bruxelas. A votação no Parlamento ocorrerá no dia 11 e já é considerada uma das mais importantes em décadas.

“O futuro de estradas, ferrovias, do acesso marítimo e aéreo à Europa depois do Brexit ainda não está claro e o Ministério dos Transportes tem um trabalho crítico para garantir que o Reino Unido esteja preparado”, afirmou a presidente da comissão, Meg Hillier. “Ainda há muito o que fazer. Os riscos associados a uma falta de acordo são graves. No entanto, os planos para evitar uma alteração nos principais portos do país, em particular, estão assustadoramente pouco adiantados.”

Novo referendo

O Reino Unido deixará a União Europeia no ano que vem e entrará em um período de transição, que vai até o fim de 2020, durante o qual ambas as partes esperam negociar uma nova relação comercial e de segurança em caráter definitivo.

Enquanto o governo britânico tenta se preparar para a separação, cresce a defesa, por parte de setores da oposição, de uma nova votação sobre o Brexit. O porta-voz de Finanças do Partido Trabalhista, John McDonnell, admitiu ontem, 28, que outro referendo sobre o assunto é uma opção possível, caso um voto de não confiança não derrube antes o governo de Theresa May ou provoque uma nova eleição geral.

“Nossa política é: se não pudermos antecipar a eleição geral, então, a outra opção que sempre mantivemos sobre a mesa é o voto popular, um novo referendo sobre o Brexit”, afirmou McDonnell, em entrevista à rede britânica BBC

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

FORTES SINAIS

Por que você deveria olhar a disparada de juros dos empréstimos imobiliários dos EUA com o risco iminente de recessão? Eles levaram à crise de 2008 e voltaram a subir

Os juros de financiamentos de até 30 anos saíram de 2,75% para mais de 6% em relação ao mesmo mês de 2021

skin in the game

Como os criadores do podcast Stock Pickers querem fazer a cabeça do mercado com o Market Makers

Em parceria com a Empiricus, Thiago Salomão e Renato Santiago lançam novo podcast e querem começar clube de investimentos

SÁBADO EM CRIPTO

Bitcoin acumula alta de 10% na semana, ethereum sobe 20% e criptomoedas tentam aproveitar alívio do noticiário para avançar hoje; confira

Entre os destaques dos últimos dias estão a nova parceria da Binance no Brasil, o ataque ao site do Tether (USDT) e os problemas na Celsius

OLHA A FOGUEIRA

Me ajuda, São João! Itens de festas juninas ficaram 13,52% mais caros do ano passado para cá; confira produtos que subiram mais

Os principais itens são aqueles relacionados às commodities, influenciadas pelas cotações internacionais e dólar

FOLLOW-ON

Novas ações da Eneva (ENEV3) começam a ser negociadas na terça-feira e aumentam o caixa da empresa R$ 4 bilhões

O preço por ação ficou em R$ 14,00, levemente abaixo do desempenho dos papéis em negociação da empresa, que fecharam a sexta-feira cotados a R$ 14,73

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies