Menu
2018-12-04T19:49:22-02:00
Estadão Conteúdo
Novas mudanças trabalhistas no radar

‘Hoje em dia é muito difícil ser patrão no Brasil, não há dúvida’, diz Bolsonaro

Presidente eleito defendeu um aprofundamento da reforma trabalhista, com medidas favoráveis aos empregadores

4 de dezembro de 2018
19:49
Jair Bolsonaro
Bolsonaro: "na última reforma trabalhista, que votei favorável, já tivemos reflexo positivo, número de ações trabalhistas caiu pela metade" - Imagem: Jose Cruz /Agencia Brasil

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, reafirmou nesta terça-feira, 4, em coletiva de imprensa, que "hoje em dia continua muito difícil ser patrão no Brasil". Bolsonaro defendeu um aprofundamento da reforma trabalhista em seu governo, com medidas mais favoráveis aos empregadores para estimular novas contratações. A ideia também foi apresentada a parlamentares do MDB e do PRB em reuniões no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), sede da equipe de transição.

"Na última reforma trabalhista, que votei favorável, já tivemos reflexo positivo, número de ações trabalhistas caiu pela metade. Mas hoje em dia continua sendo muito difícil ser patrão no Brasil", criticou o presidente.

No ano passado, o Congresso aprovou projeto do presidente Michel Temer que muda trechos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e prevê pontos que poderão ser negociados entre empregadores e empregados e, em caso de acordo coletivo, passarão a ter força de lei.

Bolsonaro não quis entrar em detalhes sobre como seria feito o aprofundamento. "Estamos estudando. Não basta ter direitos e não ter empregos, esse é o grande problema que existe", declarou em conversa com jornalistas.

O presidente eleito também contou que tem recomendado a empregadores que "entrem na guerra" pela mudança da legislação. "Tenho dito que vão ter que entrar nessa guerra, não dá para deixar só com governo. Alguns dizem que podemos nos aproximar da legislação de outros países como os Estados Unidos, mas acho que seria aprofundar demais."

Segundo ele, em reuniões com representantes do setor produtivo há reclamação de que "com a legislação trabalhista ainda está complicado empregar no Brasil". "Eles têm dito que o Brasil é o país dos direitos, mas não tem emprego. Então isso tem que ser equacionado um dia. Eles têm dito, não sou eu, o trabalhador vai ter que decidir, um pouquinho menos de direitos e emprego ou todos os direitos e desemprego."

Sobre a dissolução do atual Ministério do Trabalho, ele disse que a pasta funcionava como "sindicato do trabalho, e não como ministério". "Nenhum trabalhador vai perder direitos ou ser prejudicado tendo em vista a não existência do ministério do trabalho", garantiu.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

SEXTOU COM O RUY

O que uma pesquisa no Google diz sobre as ações com maior potencial na reabertura da economia

De maneira geral, as pessoas estão com vontade de sair de casa, até mesmo para fazer coisas que nem gostavam tanto assim — como ir ao teatro, no meu caso

balanço do dia

Covid-19: Brasil tem 430.417 mortes e 74.592 novos casos da doença

O Brasil bateu a marca das 430 mil vidas perdidas para a pandemia do novo coronavírus. Nas últimas 24 horas foram registradas 2.383 novas mortes. Com isso, o total de vítimas que não resistiram à covid-19 chegou a 430.417. Ainda há 3.671 óbitos em investigação. Isso ocorre porque há casos em que um paciente morre, […]

Digital em alta

Vendas do Magazine Luiza saltam 62% no trimestre; e-commerce é 70% do total

O Magazine Luiza mostrou crescimento nas linhas de receita, Ebitda e lucro; a participação do e-commerce nas vendas totais segue aumentando

1º TRI

Petrobras reverte prejuízo do 1º trimestre anterior e lucra R$ 1,6 bilhão; Ebitda sobe mais de 30%

O resultado foi beneficiado pela alta do barril de petróleo no mercado internacional, mas sentiu o peso da valorização do dólar.

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

A inflação americana na Broadway e outros destaques

O dilema dos Bancos Centrais renderia um musical na Broadway. Um enredo cheio de intrigas e drama; personagens em conflito, cientes de que suas decisões impactam o mundo todo. Subir ou não subir os juros, eis a questão. A inflação americana, afinal, começa a aumentar num ritmo preocupante — e muito por causa da postura […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies