Menu
2018-10-09T10:48:42-03:00
Luis Ottoni
Luis Ottoni
Jornalista formado pela Universidade Mackenzie e pós-graduando em negócios pela Fundação Getúlio Vargas. Atuou nas editorias de economia nos portais G1, da Rede Globo, e iG.
Em queda

Produção industrial recua em seis estados em agosto

Média de produção do país caiu 0,3% em agosto ante julho, segundo o IBGE

9 de outubro de 2018
10:38 - atualizado às 10:48
Produção industrial
Produção no estado de SP, que representa o maior parque industrial do país, recuou 0,9%. - Imagem: shutterstock

A produção industrial recuou em 6 de 15 estados pesquisados em agosto ante julho, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgados nesta terça-feira, 9.

Na média do país, a produção caiu 0,3% em agosto frente ao mês anterior. No acumulado do ano, a indústria avançou 2,5%. Nos últimos 12 meses, perdeu fôlego e passou de um avanço de 3,3% em julho para 3,1% até agosto.

O estado de São Paulo, que representa o maior parque industrial do país, apresentou um recuo de 0,9%.

Veja quais estados também registraram queda:

  • Amazonas (-5,3%)
  • Pará (-1,1%)
  • Espírito Santo (-0,9%)
  • Santa Catrina (-0,7%)
  • Rio de Janeiro (-0,3%)

No caminho inverso, os seguintes estados avançaram:

  • Mato Grosso (3%)
  • Bahia (2,7%)
  • Pernambuco (2,6%)
  • Ceará (1,5%)
  • Região Nordeste (1,5%)
  • Rio Grande do Sul (0,8%)
  • Paraná (0,7%)
  • Minas Gerais (0,5%)
  • Goiás (0,2%)

Comparação anual

Quando levado em consideração o desempenho dos estados nos oitos primeiros meses do ano em relação ao mesmo período do ano passado, 11 dos 15 locais pesquisados.

Amazonas (10,9%)

Pará (9,2%)

Pernambuco (5,6%)

Santa Catarina (4,6%)

Rio de Janeiro (4,5%)

São Paulo (3,7%)

Rio Grande do Sul (3,7%)

O que puxou?

O avanço desses estados foi puxado pela expansão na fabricação de bens de capital, principalmente aos voltados para o setor de transporte e para construção. Além disso, influenciaram os bens intermediários, como minérios de ferro, celulose, óleo diesel, naftas para petroquímica, querosenes de aviação, siderurgia, derivados da extração da soja, preparações em xarope. Por fim, entram na lista os bens de consumo duráveis, semi e não duráveis, que incluem desde eletrodomésticos a carnes de bovinos congeladas e produtos de higiene pessoal.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Mais uma opção

Empresa protocola na Anvisa pedido para uso emergencial da Sputnik V

Neste domingo, Anvisa se reunirá para tratar de pedidos para uso de vacinas CoronaVac e a da AstraZeneca/Oxford

Seguro obrigatório

Pagamento de indenizações do DPVAT passa a ser feito pela Caixa

Banco agora é o responsável pela gestão dos recursos do seguro e pelo pagamento das indenizações. A medida começa a valer a partir desta segunda-feira

Sinal verde

Bolsonaro não deve mais barrar a Huawei no leilão do 5G no Brasil

Segundo fontes do Palácio do Planalto e do setor de telecomunicações, o banimento da empresa chinesa provocaria um custo bilionário com a troca dos equipamentos

Impasse

Guedes monta operação ‘apara arestas’ para manter Brandão à frente do Banco do Brasil

Por enquanto, o presidente do BB está no “limbo” na avaliação de funcionários do próprio banco, sem uma manifestação pública do presidente e de Guedes

IPO

Espaçolaser pode arrecadar até R$ 3 bilhões em estreia na B3

Maior rede de clínicas de depilação do País lançou ontem sua oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês)

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies