Menu
2018-10-09T10:48:42-03:00
Luis Ottoni
Luis Ottoni
Jornalista formado pela Universidade Mackenzie e pós-graduando em negócios pela Fundação Getúlio Vargas. Atuou nas editorias de economia nos portais G1, da Rede Globo, e iG.
Em queda

Produção industrial recua em seis estados em agosto

Média de produção do país caiu 0,3% em agosto ante julho, segundo o IBGE

9 de outubro de 2018
10:38 - atualizado às 10:48
Produção industrial
Produção no estado de SP, que representa o maior parque industrial do país, recuou 0,9%. - Imagem: shutterstock

A produção industrial recuou em 6 de 15 estados pesquisados em agosto ante julho, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgados nesta terça-feira, 9.

Na média do país, a produção caiu 0,3% em agosto frente ao mês anterior. No acumulado do ano, a indústria avançou 2,5%. Nos últimos 12 meses, perdeu fôlego e passou de um avanço de 3,3% em julho para 3,1% até agosto.

O estado de São Paulo, que representa o maior parque industrial do país, apresentou um recuo de 0,9%.

Veja quais estados também registraram queda:

  • Amazonas (-5,3%)
  • Pará (-1,1%)
  • Espírito Santo (-0,9%)
  • Santa Catrina (-0,7%)
  • Rio de Janeiro (-0,3%)

No caminho inverso, os seguintes estados avançaram:

  • Mato Grosso (3%)
  • Bahia (2,7%)
  • Pernambuco (2,6%)
  • Ceará (1,5%)
  • Região Nordeste (1,5%)
  • Rio Grande do Sul (0,8%)
  • Paraná (0,7%)
  • Minas Gerais (0,5%)
  • Goiás (0,2%)

Comparação anual

Quando levado em consideração o desempenho dos estados nos oitos primeiros meses do ano em relação ao mesmo período do ano passado, 11 dos 15 locais pesquisados.

Amazonas (10,9%)

Pará (9,2%)

Pernambuco (5,6%)

Santa Catarina (4,6%)

Rio de Janeiro (4,5%)

São Paulo (3,7%)

Rio Grande do Sul (3,7%)

O que puxou?

O avanço desses estados foi puxado pela expansão na fabricação de bens de capital, principalmente aos voltados para o setor de transporte e para construção. Além disso, influenciaram os bens intermediários, como minérios de ferro, celulose, óleo diesel, naftas para petroquímica, querosenes de aviação, siderurgia, derivados da extração da soja, preparações em xarope. Por fim, entram na lista os bens de consumo duráveis, semi e não duráveis, que incluem desde eletrodomésticos a carnes de bovinos congeladas e produtos de higiene pessoal.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Direto na conta

Caixa começa a pagar hoje segunda parcela do auxílio emergencial

Nascidos em janeiro receberão nas contas poupança digitais

ESTRADA DO FUTURO

As ações de tecnologia estão caras ou baratas? Saiba como os analistas fazem as contas

Com o tempo, a análise dessas empresas migrou da abordagem de tradicional para um modelo de probabilidades e grandes números

Pandemia

Número de óbitos por covid-19 passa de 434 mil; casos passam de 15,5 milhões

Mais de 2 mil mortes e 67 mil novos casos foram registrados nas últimas 24 horas

Polui menos

Petrobras bate recorde de vendas de diesel S-10

Impacto ambiental do derivado é menor

Acabou a mamata?

Congresso reage a supersalários da cúpula do governo

Medida beneficia diretamente o presidente Jair Bolsonaro e seu vice, Hamilton Mourão

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies