Menu
2018-10-09T10:48:42-03:00
Luis Ottoni
Luis Ottoni
Jornalista formado pela Universidade Mackenzie e pós-graduando em negócios pela Fundação Getúlio Vargas. Atuou nas editorias de economia nos portais G1, da Rede Globo, e iG.
Em queda

Produção industrial recua em seis estados em agosto

Média de produção do país caiu 0,3% em agosto ante julho, segundo o IBGE

9 de outubro de 2018
10:38 - atualizado às 10:48
Produção industrial
Produção no estado de SP, que representa o maior parque industrial do país, recuou 0,9%. - Imagem: shutterstock

A produção industrial recuou em 6 de 15 estados pesquisados em agosto ante julho, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgados nesta terça-feira, 9.

Na média do país, a produção caiu 0,3% em agosto frente ao mês anterior. No acumulado do ano, a indústria avançou 2,5%. Nos últimos 12 meses, perdeu fôlego e passou de um avanço de 3,3% em julho para 3,1% até agosto.

O estado de São Paulo, que representa o maior parque industrial do país, apresentou um recuo de 0,9%.

Veja quais estados também registraram queda:

  • Amazonas (-5,3%)
  • Pará (-1,1%)
  • Espírito Santo (-0,9%)
  • Santa Catrina (-0,7%)
  • Rio de Janeiro (-0,3%)

No caminho inverso, os seguintes estados avançaram:

  • Mato Grosso (3%)
  • Bahia (2,7%)
  • Pernambuco (2,6%)
  • Ceará (1,5%)
  • Região Nordeste (1,5%)
  • Rio Grande do Sul (0,8%)
  • Paraná (0,7%)
  • Minas Gerais (0,5%)
  • Goiás (0,2%)

Comparação anual

Quando levado em consideração o desempenho dos estados nos oitos primeiros meses do ano em relação ao mesmo período do ano passado, 11 dos 15 locais pesquisados.

Amazonas (10,9%)

Pará (9,2%)

Pernambuco (5,6%)

Santa Catarina (4,6%)

Rio de Janeiro (4,5%)

São Paulo (3,7%)

Rio Grande do Sul (3,7%)

O que puxou?

O avanço desses estados foi puxado pela expansão na fabricação de bens de capital, principalmente aos voltados para o setor de transporte e para construção. Além disso, influenciaram os bens intermediários, como minérios de ferro, celulose, óleo diesel, naftas para petroquímica, querosenes de aviação, siderurgia, derivados da extração da soja, preparações em xarope. Por fim, entram na lista os bens de consumo duráveis, semi e não duráveis, que incluem desde eletrodomésticos a carnes de bovinos congeladas e produtos de higiene pessoal.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

PANDEMIA NO PAÍS

Covid-19: Brasil tem 142 mil óbitos e 4,74 milhões de casos acumulados

Do total de contaminados, 86% se recuperaram da doença

seu dinheiro na sua noite

Cheiro de pedalada e de drible no teto de gastos

Caro leitor, O governo bem que tentou se safar manejando o cobertor curto, mas pelo menos para o mercado financeiro, não colou. O anúncio do programa social Renda Cidadã nesta segunda-feira lançou um combo de preocupações nos investidores e atirou o Ibovespa na lama, totalmente na contramão do resto do mundo. O dólar, por sua vez, voltou […]

dinheiro à vista

CCR paga R$ 373,2 milhões em dividendos em 30 de outubro

Empresa pagará o correspondente a R$ 0,18477410142 por ação ordinária

Na contramão

Bolsa cai e dólar dispara depois de governo revelar como pretende financiar Renda Cidadã

Ibovespa abriu em alta, mas virou em meio à frustração dos investidores com o financiamento do programa que sucederá o Bolsa Família

em anúncio do renda cidadã

Guedes: Política dá o timing e desoneração está sendo estudada

No anúncio do novo programa social do presidente Jair Bolsonaro, o Renda Cidadã, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que a proposta do governo foi feita com a busca da “verdade orçamentária”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements