Menu
2021-05-19T18:23:55-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros.
país em crise

Produção industrial cai 2,4% em março, segundo mês seguido de retração

Desempenho foi puxado principalmente pela queda de 8,4% na produção de veículos automotores, reboques e carrocerias, segundo o IBGE; setor está 16,5% abaixo do patamar recorde de maio de 2011

5 de maio de 2021
9:11 - atualizado às 18:23
indústria
Imagem: Shutterstock

A produção industrial caiu 2,4% em março em comparação ao mês anterior, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgados nesta quarta-feira (5).

O desempenho representa uma intensificação da perda de 1,0% registrada em fevereiro, quando houve a interrupção de nove meses de resultados positivos.

O recuo de março teve predomínio de taxas negativas entre as atividades industriais investigadas e foi puxado principalmente pela queda de 8,4% na produção de veículos automotores, reboques e carrocerias.

Com os resultados desse mês, o setor industrial encontra-se 16,5% abaixo do patamar recorde registrado em maio de 2011.

A indústria acumula no ano crescimento de 4,4% e, nos últimos 12 meses, queda de 3,1%.

O gerente da pesquisa do IBGE, André Macedo, diz que o aprofundamento do recuo do setor industrial é relacionado ao recrudescimento da pandemia.

Segundo ele, o avanço da covid-19 provocou interrupção das jornadas de trabalho, paralisações de plantas industriais e atrapalhou "toda a cadeia produtiva, levando ao encarecimento e à falta de insumos para o processo produtivo".

O pesquisador destaca que, de maio de 2020 a janeiro de 2021, houve ganho acumulado de 40,1%, o que fez a produção industrial superar o patamar pré-pandemia. "Nesse período, houve um ganho de 3,5% acima do patamar de fevereiro de 2020", diz.

"Mas, com as perdas de fevereiro e março deste ano, nós zeramos esse acumulado que tinha até o mês de janeiro. De modo que o patamar de março de 2021 é exatamente o mesmo do pré-pandemia”, explica Macedo.

Produção de veículos recua 8,4%

Principal influência negativa entre as atividades, o segmento de veículos automotores, reboques e carrocerias registrou -8,4%, terceiro resultado negativo consecutivo, acumulando nesse período perda de 15,8%.

Esse comportamento recente interrompe uma sequência de oito meses de taxas positivas que acumularam expansão de 1.196,9%.

Segundo Macedo, o recuo nos veículos automotores, reboques e carrocerias foi especialmente afetado pela redução na produção dos automóveis e de autopeças. "Houve nessa atividade uma série de interrupções de processos de produção, paralisações e férias sendo concedidas. Isso justifica a queda de 8,4%".

Ainda nas influências negativas, destacaram-se:

  • confecção de artigos do vestuário e acessórios (-14,1%);
  • outros produtos químicos (-4,3%);
  • produtos farmoquímicos e farmacêuticos (-9,4%);
  • couro, artigos para viagem e calçados (-11,2%);
  • produtos de borracha e de material plástico (-4,5%);
  • bebidas (-3,4%);
  • móveis (-9,3%);
  • produtos têxteis (-6,4%);
  • produtos de minerais não metálicos (-2,5%).

Os principais impactos positivos vieram das indústrias extrativas (5,5%), outros equipamentos de transporte (35%) e coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (1,7%).

"Essas atividades estão repondo perdas observadas em meses anteriores. Elas estão com taxas positivas nesse mês porque as perdas anteriores foram muito acentuadas e esse é um crescimento natural", diz o gerente da pesquisa do IBGE.

A queda de março foi acompanhada por três das grandes categorias econômicas e pela maioria dos ramos pesquisados.

A categoria bens de consumo semi e não duráveis caiu 10,2%, a maior perda desde abril de 2020, quando havia registrado -12,6%.

Os bens de consumo duráveis (-7,8%) e os bens de capital (-6,9%) intensificaram as perdas registradas no mês anterior. Já o setor produtor de bens intermediários (0,2%) foi o único a registrar taxa positiva.

Indústria cresce 10,5% frente a março de 2020

Na comparação com março de 2020, a produção industrial cresceu 10,5%, a taxa mais elevada desde junho de 2010 (11,2%). É o sétimo mês de crescimento consecutivo nesse indicador.

Macedo explica que o resultado se deve à base de comparação baixa, uma vez que o setor recuou 3,9% em março de 2020, e também ao efeito-calendário. Neste ano, o mês de março teve um dia útil a mais do que no ano anterior.

“No confronto interanual, a produção industrial mostra não somente uma taxa de crescimento de dois dígitos, mas também essa configuração de taxas positivas bastante disseminadas. Mas é preciso fazer essa ressalva: a base de comparação é baixa", diz o pesquisador.

O resultado positivo alcançou todas as quatro grandes categorias econômicas e a maior parte das atividades investigadas.

As principais influências nesse indicador vieram de:

  • veículos automotores, reboques e carrocerias (19,2%);
  • máquinas e equipamentos (27,5%);
  • produtos de minerais não metálicos (27,7%);
  • produtos de metal (24,5%);
  • produtos de borracha e de material plástico (20,3%);
  • metalurgia (10,9%).

Entre as influências negativas, a maior foi exercida por coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (-1,1%), atividade que foi pressionada pela queda na fabricação dos itens querosenes de aviação, naftas para petroquímica, álcool etílico e óleos combustíveis.

O segmento bens de capital (29,6%) registrou a maior expansão entre as grandes categorias econômicas, seguido por bens de consumo duráveis (12,0%), bens intermediários (9,9%) e bens de consumo semi e não duráveis (6,2%).

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Atenção acionista

Rede D’or anuncia pagamento de R$ 156,2 milhões de juros sobre capital próprio

O pagamento do valor anunciado será destinado aos acionistas que detiverem as ações da Rede D’or no próximo dia 24 de junho

Fome para crescer

Em mais uma aquisição, Magazine Luiza se fortalece em food services com a Plus Delivery

Segundo a varejista, plataforma de entrega de comida tem cerca de 1.500 restaurantes parceiros e atende mais de 250 mil clientes por mês

mercados hoje

Bolsa firma queda e perde os 128 mil pontos, à espera de fala de Powell; dólar avança

Mesmo com uma queda acentuada do petróleo nesta manhã, o setor vê a commodity nos maiores níveis desde o início da pandemia, com a retomada das atividades

O melhor do Seu Dinheiro

A rima das commodities, último capítulo da novela da MP da Eletrobras e outros destaques

A história não se repete, mas rima. Se Mark Twain fosse um analista do mercado financeiro, provavelmente seria um grande especialista em ciclos econômicos. Logo no começo da crise da covid-19, quem ousasse falar em investir em commodities ou ações de empresas produtoras de matérias-primas seria taxado de louco. As cotações de todas elas — […]

SINAIS DO BC

COMPARATIVO: Veja o que mudou na ata da reunião do Copom

Veja o que mudou e o que permanece igual na ata da última reunião do Copom — o BC elevou a Selic em 0,75 ponto percentual, para 4,25% ao ano

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies