Menu
2021-05-12T12:11:56-03:00
Estadão Conteúdo
Serviços no Brasil

Volume de serviços prestados cai 4,0% em março ante fevereiro, revela IBGE

Confira outros destaques da pesquisa mensal divulgada hoje

12 de maio de 2021
12:11
Delivery,Services,Courier,During,The,Coronavirus,(covid-19),Pandemic,,Courier,Wearing
Imagem: Shutterstock

O volume de serviços prestados caiu 4,0% em março ante fevereiro, na série com ajuste sazonal, segundo os dados da Pesquisa Mensal de Serviços divulgados na manhã desta quarta-feira, 12, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

No mês anterior, o resultado do indicador foi revisto de uma alta de 3,7% para avanço de 4,6%.

Na comparação com março do ano anterior, houve elevação de 4,5% em março de 2021, já descontado o efeito da inflação. A taxa acumulada no ano de 2021 foi de redução de 0,8%.

Em 12 meses, os serviços acumulam queda de 8,0%. A receita bruta nominal do setor de serviços caiu 0,4% em março ante fevereiro, segundo informou o IBGE. Na comparação com março de 2020, houve avanço de 6,1% na receita nominal.

Atividades em queda

Três das cinco atividades de serviços registraram perdas na passagem de fevereiro para março, segundo os dados da Pesquisa Mensal de Serviços. Na média global, o volume de serviços prestados caiu 4,0% em março ante fevereiro.

O destaque foi o tombo de 27,0% nos serviços prestados às famílias, a queda mais intensa desde abril de 2020 (-45,6%).

Os demais resultados negativos ocorreram nos transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (-1,9%) e serviços profissionais, administrativos e complementares (-1,4%).

Na direção oposta, houve avanços nos setores de informação e comunicação (1,9%) e de outros serviços (3,7%).

Comparação interanual

Quatro das cinco atividades de serviços registraram avanços em março de 2021 em relação a março de 2020, segundo os dados divulgados pelo IBGE.

O volume do setor de serviços cresceu 4,5%, após 12 taxas negativas consecutivas. Houve crescimento em 45,2% dos 166 tipos de serviços investigados.

Os principais avanços ocorreram nos transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (8,8%) e nos serviços de informação e comunicação (6,2%). Também houve aumentos nos outros serviços (7,3%) e nos profissionais, administrativos e complementares (0,7%).

A única perda ocorreu nos serviços prestados às famílias (-17,1%), puxada pela queda em restaurantes; hotéis; serviços de bufê; e atividades de condicionamento físico.

Serviços sobem 2,8% no primeiro trimestre

A pesquisa ainda trouxe que o volume de serviços prestados no País cresceu 2,8% no primeiro trimestre de 2021 ante o quarto trimestre de 2020.

Na comparação com o trimestre imediatamente anterior, o setor de serviços registrou perdas no primeiro trimestre de 2020 (-2,8%) e no segundo trimestre (-15,3%), mas passou a ter avanços no terceiro trimestre (9%) e no quarto trimestre (5,8%).

"Tem crescimento nos últimos três trimestres, crescimentos cada vez menos intensos", ponderou Rodrigo Lobo, gerente da pesquisa do IBGE.

Na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior, o volume de serviços prestados caiu 0,8% no primeiro trimestre de 2021.

"Foi o quinto trimestre seguido de taxa negativa nesse tipo de comparação, o que significa que todos os trimestres de 2020 tiveram taxas negativas", lembrou Lobo.

Abaixo do nível pré-pandemia

A queda de 4,0% no volume de serviços prestados no País em março ante fevereiro fez o setor de serviços voltar a operar em patamar inferior ao de fevereiro de 2020, no pré-pandemia.

Após alcançarem um nível 0,9% superior ao pré-pandemia em fevereiro, os serviços chegaram a março a patamar 2,8% inferior ao de fevereiro de 2020. Os dados são da Pesquisa Mensal de Serviços, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Os transportes passaram a operar 1,4% acima do nível pré-pandemia, de fevereiro de 2020, enquanto os serviços prestados às famílias ainda estavam 44,4% abaixo.

Os serviços de informação e comunicação estão 4,7% acima do pré-pandemia, e o segmento de outros serviços está 4,7% além. Os serviços profissionais e administrativos estão 3,6% abaixo do patamar de fevereiro de 2020.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Fome para crescer

Em mais uma aquisição, Magazine Luiza se fortalece em food services com a Plus Delivery

Segundo a varejista, plataforma de entrega de comida tem cerca de 1.500 restaurantes parceiros e atende mais de 250 mil clientes por mês

mercados hoje

Bolsa opera com alta volatilidade, à espera de fala de Powell; dólar avança

Mesmo com uma queda acentuada do petróleo nesta manhã, o setor vê a commodity nos maiores níveis desde o início da pandemia, com a retomada das atividades

O melhor do Seu Dinheiro

A rima das commodities, último capítulo da novela da MP da Eletrobras e outros destaques

A história não se repete, mas rima. Se Mark Twain fosse um analista do mercado financeiro, provavelmente seria um grande especialista em ciclos econômicos. Logo no começo da crise da covid-19, quem ousasse falar em investir em commodities ou ações de empresas produtoras de matérias-primas seria taxado de louco. As cotações de todas elas — […]

SINAIS DO BC

COMPARATIVO: Veja o que mudou na ata da reunião do Copom

Veja o que mudou e o que permanece igual na ata da última reunião do Copom — o BC elevou a Selic em 0,75 ponto percentual, para 4,25% ao ano

Outro escorregão

Bitcoin perde os US$ 30 mil, menor patamar desde janeiro; Confira como anda o mercado cripto

Isso motivou a queda das dez principais criptomoedas do mercado, em especial do Dogecoin, que cai quase 25%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies