Menu
2021-02-08T17:03:28-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Lá em cima

Mercado espera Selic subindo e inflação alta ainda para este ano

Conforme divulgado no Boletim Focus nesta segunda-feira (8), a expectativa de crescimento do PIB caiu em relação à semana passada, enquanto o IPCA teve alta para o mesmo período

8 de fevereiro de 2021
10:42 - atualizado às 17:03
análise projeção focus
Imagem: Shutterstock

O relatório semanal do Banco Central trouxe uma piora dos índices de inflação e atividade econômica para esta semana. 

Conforme divulgado no Boletim Focus nesta segunda-feira (8), a expectativa de crescimento do PIB caiu em relação à semana passada, enquanto o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) teve alta para o mesmo período, consolidando cinco semanas seguidas de avanço. 

Confira os principais destaques:

Inflação

A expectativa dos economistas para o índice oficial de inflação do País foi revisada para cima pela quinta vez consecutiva. Desta vez, passou de 3,53% para 3,60%.

A bandeira amarela para a cobrança da conta de luz deve impulsionar ainda mais a inflação dos próximos meses. Com o baixo nível dos reservatórios, o uso de termelétricas encarece a produção de energia, o que afeta diretamente o consumidor final.

Para 2022, a projeção passou de 3,49% para 3,48%. 

Já o IGP-M, índice tradicionalmente usado para reajustar os contratos de aluguel, teve um salto em relação ao relatório do mês passado, subindo de 4,60% para 6,65%. 

Dólar

A moeda norte-americana deve fechar o ano ainda na casa dos R$ 5,00 (R$ 5,01, para ser mais exato) e deve seguir assim até o final de 2022. 

O ministro da Economia, Paulo Guedes, já afirmou que o câmbio alto é “bom para todo mundo” e que dólar alto e juros baixo vieram para ficar. Quando a moeda americana se valoriza, as exportações ficam mais rentáveis e as importações menos interessantes, como é o caso de carros e outros produtos importados. 

Em tese, essa troca favorece o mercado nacional, mas o que acaba acontecendo é que itens dolarizados, como farinha e outros insumos, encarecem para o mercado interno. 

Selic

Após renovar as mínimas históricas a 2,00% ao ano, o mercado está esperando uma elevação na taxa básica de juros ainda para este ano. 

Já é a segunda semana seguida que o Boletim Focus traz reajuste positivo da estimativa para a Selic. Ela passou de 3,25%, esperado há um mês, para 3,50%. 

Para o próximo ano, a expectativa é de que ela atinja os 5% e chegue aos 6% em 2023, mantendo esse patamar até 2024. 

O Banco Central costuma fazer alterações na Selic para controlar a inflação. Quanto menor o valor da taxa básica de juros, mais fácil é a tomada de crédito, o que injeta dinheiro na economia. 

Recentemente, o BC retirou o "forward guidance", que indicava que a taxa seria mantida baixa por um longo tempo. Mas com a inflação seguindo para valores acima da meta, a instituição não deve ficar presa a uma Selic tão baixa.

PIB

O PIB teve a projeção de crescimento reajustado para baixo, de 3,50% há uma semana para 3,47%, o que ainda é mais alto do que a expectativa de um mês atrás, de 3,41%. 

A meta para os próximos anos até 2024 é de manter o crescimento a 2,50%, mas tudo dependerá da retomada da economia após forte crise econômica, que se aprofundou após a pandemia de coronavírus.

A expectativa é de que a produção industrial suba no mesmo período, para 5%. Para o próximo ano, as expectativas seguem sendo de um crescimento de 2,50%, com uma leve queda na inflação (de 3,50% para 3,49%, nesta projeção semanal).

Resultado primário

O relatório também trouxe novidades para o resultado primário do PIB. Para 2020, houve uma diminuição da queda em relação às últimas quatro semanas, indo de 3% para 2,70%, enquanto o resultado para os próximos anos devem reduzir ainda mais a diferença, chegando a uma queda de 1% em 2024. 

O resultado primário reflete o saldo entre receitas e despesas do governo, antes do pagamento dos juros da dívida pública. 

Já o resultado nominal do PIB reflete o saldo após o pagamento de juros. Neste caso, a queda fica em 7% para este ano e 5,75% para 2024, também caindo progressivamente durante o período. 

Dívida do setor

Um dos pontos mais preocupantes para os analistas segue sendo a dívida do setor público em relação ao PIB. A expectativa é de que ela chegue a 64% da produção total do país até o final deste ano, uma queda em relação às especulações da última semana (64,45%) e do último mês (64,95%). 

Entretanto, esse valor deve aumentar para 2022 e chegar a até 65,80%  do PIB. Mesmo antes dos gastos com a pandemia, a dívida pública já era alta, por volta de 60% do PIB em março de 2020, mesmo com o teto de gastos. 

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Contra a pandemia

Câmara dos EUA aprova pacote de US$ 1,9 trilhão

Projeto de lei segue agora para o Senado

IPO registrado

Rio Branco Alimentos protocola pedido de registro de oferta pública de ações

Oferta será primária e terá como coordenador-líder o Citi, além da coordenação do Bank of America Merril Lynch e do BTG Pactual

Boleto salgado

Aneel mantém bandeira amarela em março; conta de luz continua com taxa adicional

É o terceiro mês consecutivo que o órgão regulador aciona bandeira neste patamar

Após críticas

Pisos de saúde e educação são mantidos na PEC emergencial

Desvinculação de despesas carimbadas com saúde e educação na União, Estados e municípios desencadeou enxurrada de críticas

5G

Empresas de telecom pretendem analisar edital detalhadamente

Objetivo é esclarecer como as companhias poderão participar corretamente do leilão

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies