Menu
2018-12-09T09:37:47-02:00
Técnico de carreira do Tesouro

Marcelo Guaranys será o número 2 de Guedes no Ministério da Economia

Com formação nas áreas de Economia e Direito, ele foi escolhido pelo futuro ministro como secretário executivo da pasta

9 de dezembro de 2018
9:37
Marcelo Guaranys
Guaranys hoje responsável pela análise de conteúdo das propostas de políticas públicas que chegam ao Planalto - Imagem: Ed Ferreira/Estadão Conteúdo

Escolhido para comandar um verdadeiro latifúndio na Esplanada dos Ministérios a partir de 2019 e sem conhecimento do cotidiano da máquina administrativa federal, o futuro titular da Economia, Paulo Guedes, reforçou seu time com técnicos de carreira. De seis nomes anunciados no sábado, 8, quatro já atuam hoje em postos importantes do governo de Michel Temer. Os nomes foram antecipados pelo jornal O Estado de São Paulo.

Para o posto número dois da pasta, o de secretário executivo, Guedes escalou Marcelo Pacheco dos Guaranys, um técnico de carreira do Tesouro Nacional que já foi diretor-geral da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) de 2011 a 2013 e atualmente é subchefe de Análise e Acompanhamento de Políticas Governamentais da Casa Civil da Presidência da República.

Com formação nas áreas de Economia e Direito, Guaranys é hoje responsável pela análise de conteúdo de todas as propostas de políticas públicas que chegam ao Palácio do Planalto. Ele vinha também atuando nos trabalhos para o cumprimento, pelo Brasil, das condições necessárias para o País poder ingressar como membro da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE). Ao que tudo indica, esse será um projeto importante também do futuro governo do Brasil.

Guaranys teve forte atuação nos entendimentos em torno do projeto da Lei Geral das Agências Reguladoras. A matéria já foi aprovada pelo Senado e atualmente está em análise na Câmara dos Deputados.

Indicações

Para comandar a Secretaria de Fazenda, Guedes escolheu Waldery Rodrigues Júnior, que há dois anos integra a assessoria especial do Ministério da Fazenda. Também tem longa experiência no setor público, tendo trabalhado no Instituto de Pesquisa Econômica Avançada (Ipea) e no Senado Federal. Waldery terá como adjunto Esteves Colnago, funcionário de carreira do Banco Central, e que atualmente é ministro do Planejamento.

O atual secretário executivo do Planejamento, Gleisson Rubin, também funcionário de carreira do governo federal, será adjunto da nova Secretaria de Desburocratização, Gestão e Governo Digital. O número um dessa secretaria será Paulo Uebel, que foi diretor executivo do Instituto Millenium, criado por Guedes.

Atuando desde o início na equipe de transição, o economista Carlos Costa foi confirmado como secretário-geral de Produtividade e Competitividade. Ele foi diretor de Planejamento, Crédito e Tecnologia do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e diretor do Ibmec em São Paulo.

A formação da equipe de Guedes ainda não está completa. O jornal O Estado de São Paulo informou em sua edição de ontem que ele avalia a criação de uma Secretaria de Previdência, a ser entregue ao relator da reforma trabalhista, deputado Rogério Marinho (PSDB-RN). A ideia continua em análise.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Dados atualizados

Mortes por coronavírus no Brasil vão a 34.973; infectados são 643.766

Na quinta-feira, havia 34.021 mortes registradas, segundo o Ministério da Saúde. O balanço diário totalizava 614.941 infectados

Números da pandemia

‘Acabou matéria no Jornal Nacional’, diz Bolsonaro sobre atraso em dados do coronavírus

Questionado sobre o terceiro dia com atraso seguido na divulgação de mortos e infectados pela covid-19 pelo Ministério da Saúde, o presidente Jair Bolsonaro afirmou, nesta sexta-feira, 5, que “acabou matéria no Jornal Nacional”, telejornal da TV Globo

seu dinheiro na sua noite

A crise do coronavírus vai ser uma marolinha?

Em 2008, ao ser questionado sobre a crise financeira, o ex-presidente Lula disse que o tsunami sobre a economia global chegaria ao Brasil como uma “marolinha”. O resultado você e eu conhecemos. Pois bem, com a rápida recuperação dos mercados nas últimas semanas já vejo muita gente resgatar a tese da marolinha. Na nova versão, […]

Marcelo Guaranys

Ninguém voltará para fila do Bolsa Família após fim do auxílio emergencial, diz secretário

Depois de o governo transferir quase R$ 84 milhões do Bolsa Família para publicidade institucional, secretários do Ministério da Economia disseram que o programa está com a fila zerada

Isso é que é alívio

Dólar despenca 6,52% na semana e fica abaixo de R$ 5,00; Ibovespa dispara mais de 8%

O dólar à vista terminou a semana a R$ 4,99, indo ao menor nível desde 26 de março, enquanto o Ibovespa cravou a sexta alta seguida e voltou ao patamar de 94 mil pontos. Entenda o que motivou toda essa onda de otimismo nos mercados

Secretário especial da fazenda

Bolsa Família não foi prejudicado com transferência de recurso à Secom, diz Waldery

Ele lembrou que o governo decidiu prorrogar o auxílio emergencial por duas parcelas “em princípio” e que, depois da medida provisória que previa o pagamento permanente do 13º para o Bolsa Família caducar, o governo analisará o espaço orçamentário para esse medida neste ano

Efeito coronavírus

Varejo de SP tem perdas de R$ 16 bilhões durante quarentena, diz Fecomercio

O cálculo é da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), levando em consideração 72 dias de quarentena até ontem

Menos frequência, mais gasto

Redes de supermercados e atacarejos faturam 12,5% a mais em maio

Os dados são de um levantamento da GS Ciência do Consumo, empresa de inteligência analítica e soluções de tecnologia para indústria e varejo

YDUQ3 salta 10% na bolsa

BTG mantém-se neutro sobre Yduqs, mas vê ‘gatilho valioso’ após aquisição de R$ 120 milhões

Yduqs salta mais de 10% no Ibovespa; para BTG, o fraco ímpeto de lucros da companhia e a falta de catalisadores ainda justificam a cautela na recomendação

Dono da Warner Music

Len Blavatnik: o bilionário que apostou na indústria fonográfica e se tornou um dos homens mais ricos do mundo

Com o bem-sucedido IPO da Warner Music, na Nasdaq, Blavatnik, que apostou na empresa quando a indústria fonográfica desmoronava, saltou quase 20 posições na lista dos mais ricos do mundo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements