Menu
2019-04-04T13:55:26-03:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Nova pasta do governo

Bolsonaro anuncia Tarcísio Gomes de Freitas como ministro da Infraestrutura

Ministério foi criado pela equipe do presidente eleito e vai assumir as funções do atual Ministério dos Transportes

27 de novembro de 2018
17:29 - atualizado às 13:55

Como já virou costume, o presidente eleito Jair Bolsonaro usou sua conta no Twitter nesta terça-feira, 27, para anunciar o mais novo membro da sua equipe de governo. Tarcísio Gomes de Freitas assumirá o Ministério da Infraestrutura.

Tarcísio é atualmente um dos principais nomes do programa de concessões em infraestrutura do governo federal. Ele ocupa a Secretaria de Coordenação de Projetos do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), onde conduz processos para a entrega para a exploração, pela iniciativa privada, de portos, aeroportos, ferrovias, rodovias. Também atua na preparação dos leilões nas áreas de energia, entre outras.

Engenheiro formado pelo Instituto Militar de Engenharia (IME), foi chefe da seção técnica da Companhia de Engenharia do Brasil na Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti.

O novo ministro chegou à cúpula do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) em 2011, quando a então presidente Dilma Rousseff promoveu uma "faxina" no órgão, depois da revelação de esquemas de corrupção. Na época, era funcionário de carreira da Controladoria-Geral da União (CGU). Foi o número dois do general Jorge Fraxe, que ocupou o posto de diretor-geral do Dnit com a missão de resgatar a imagem do governo. Em 2014, sucedeu a Fraxe no comando do Dnit. Tarcísio é também consultor concursado da Câmara dos Deputados.

No PPI, está desde a formação inicial do que considera uma "força-tarefa" para destravar as concessões em infraestrutura. De estilo direto, ele afirmou diversas vezes que as empresas fizeram lances "irresponsáveis" nas concessões leiloadas no governo de Dilma Rousseff, por isso enfrentam dificuldades financeiras.

Mais recentemente, travou uma queda de braço com o atual ministro dos Transportes, Valter Casimiro, por causa da data do leilão dos 12 aeroportos no Norte, Nordeste e Centro-oeste. Pressionou para que fosse este ano. No entanto, os certames só ocorrerão no primeiro trimestre de 2019.

Vale lembrar que atualmente não existe o Ministério da Infraestrutura. A ideia da equipe do capitão é de que essa nova pasta assuma as funções que hoje estão a cargo do Ministério dos Transportes.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

MELHORANDO

Mesmo com avanço do faturamento, prejuízo do IRB cresce em novembro

Perda de R$ 124,5 milhões foi atribuída pelo ressegurador ao aumento das despesas financeiras após mudanças regulatórias

o melhor do seu dinheiro

A bolsa não é a Serra Pelada

Sebastião Salgado se consagrou no mundo da fotografia com uma série de retratos que fez sobre a Serra Pelada. Na década de 1980, milhares de pessoas invadiram a região de Curionópolis, no sudeste do Pará, em busca de enriquecimento rápido através do garimpo do ouro.  Leia também: LUPA DOS FUNDOS: Um pente-fino nas melhores gestoras […]

Piorou

FGV: confiança da indústria cai 3,5 pontos em janeiro ante dezembro, diz prévia

Houve redução da satisfação em relação ao momento presente, mas também piora das expectativas sobre os próximos meses, apontou a FGV.

Briga de peixe grande

BTG Pactual capta mais R$ 2,6 bilhões com oferta de ações e entra de vez na disputa dos bancos digitais

O preço por unit (certificado de ações) do banco foi definido em R$ 92,52, o que representa um pequeno desconto de 0,32% em relação ao fechamento dos papéis ontem na B3

Prazo de 60 dias

TCU cobra crédito dado a bancos públicos

A devolução envolve também os aportes feitos nas instituições por meio de um instrumento híbrido de capital e dívida, chamado de IHCD.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies