Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-04-04T13:54:46-03:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Livro Bege do Fed

A economia dos EUA vai muito bem. E isso pode ser preocupante para o mercado brasileiro

Dados da situação econômica do país foram divulgados pelo Federal Reserve

24 de outubro de 2018
16:28 - atualizado às 13:54
Estados Unidos - EUA
Estados Unidos - Imagem: Shutterstock

A economia dos Estados Unidos, de uma forma geral, vai muito bem, obrigado, mas ainda há pontos a serem corrigidos. Pelo menos foi o que mostrou nesta quarta-feira, 24, o famoso Livro Bege do Federal Reserve (BC americano), um documento que detalha o desempenho da economia americana em cada distrito do Fed.

De maneira geral, a situação que foi mostrada é de uma economia aquecida e com fortes indícios de que vai permanecer dessa forma pelos próximos meses. Para você investidor, isso pode ser um motivo de atenção, já que uma aceleração acima do ideal da atividade pode gerar uma pressão inflacionária e abrir o caminho para uma alta mais forte dos juros pelo Fed.

Essa expectativa por um aperto monetário inclusive foi sentida hoje pelo mercado. As bolsas americanas ampliaram sua queda em um pregão pra lá de turbulento por conta das tentativas de terrorismo a figuras públicas dos EUA.

Destrinchando o livro

Os resultados relacionados à produção apontam para um desempenho de modesto a moderado nesses distritos. Enquanto Nova York e St, Louis tiveram leve crescimento, Dallas apresentou uma forte expansão puxada pela indústria local, o varejo e o setor de serviços não financeiros.

Avaliações parecidas foram feitas para a situação dos empregos, que também cresceram de forma modesta a moderada. Um destaque nesse quesito foi o distrito de São Francisco. Mas nem tudo são flores: os empregadores em todo o país seguem relatando dificuldades de contratar novos empregados, em meio a um mercado de trabalho restrito e com poucos trabalhadores qualificados.

Esse obstáculo em encontrar mão de obra qualificada impactou diretamente (e de forma negativa) no desempenho de alguns setores da economia americana. Para contornar essa situação, o Livro Bege aponta que empresas tiveram que utilizar estratégias como bônus e horários flexíveis para reter seus trabalhadores.

Preços em alta

Segundo o livro o Fed, os empresários americanos também dizem notar um aumento nos preços de bens finais devido à elevação nos custos de insumos, como metais, e a culpa disso seria do impacto de tarifas comerciais.

Os preços continuaram a subir em um ritmo modesto a moderado em todos os distritos no período encerrado no dia 15 de outubro. Varejistas de algumas localidades, porém, "aumentaram os preços de venda à medida que continuam a ver a alta dos custos de transporte e também se preocupam com aumentos iminentes de custos decorrentes das tarifas".

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

XP anuncia investimento na edtech Resilia

A Resilia é uma edtech que combina tecnologias que potencializam o aprendizado individualizado e em comunidade com um método de ensino que capacita potenciais talentos de uma forma mais rápida para o mercado digital

Análise

Investir em ações de banco ainda é uma boa? Veja 3 motivos que deixam a XP Investimentos cautelosa

Se no ano passado a postura era otimista, agora os analistas do setor financeiro da XP estão mais cautelosos, já que o cenário é de preços elevados dos ativos e uma concorrência e intervenções regulatórias preocupantes.

REFORMA TRIBUTÁRIA

PIB pode crescer 1,6% com redução de IR para empresas, indica estudo

O cálculo de 20% teve como base comportamento das empresas depois de um dos maiores aumentos na alíquota do imposto sobre dividendos no mundo – na França, em 2013, de 15,5% para 46%

ESG

‘Equidade racial se tornou prioridade dentro da Vivo’, diz presidente

Dentro da extensa agenda ESG, que concentra ações ambientais, sociais e de governança, a Vivo aposta na equidade racial

Clube do livro

Das tulipas ao bitcoin: conheça a história das crises financeiras de uma forma irreverente

O maior trunfo de “Crash”, de Alexandre Versignassi, é nos guiar pela história da economia mundial e brasileira traçando paralelos entre o passado e o presente

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies