Menu
2019-04-04T13:54:46-03:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Livro Bege do Fed

A economia dos EUA vai muito bem. E isso pode ser preocupante para o mercado brasileiro

Dados da situação econômica do país foram divulgados pelo Federal Reserve

24 de outubro de 2018
16:28 - atualizado às 13:54
Estados Unidos - EUA
Estados Unidos - Imagem: Shutterstock

A economia dos Estados Unidos, de uma forma geral, vai muito bem, obrigado, mas ainda há pontos a serem corrigidos. Pelo menos foi o que mostrou nesta quarta-feira, 24, o famoso Livro Bege do Federal Reserve (BC americano), um documento que detalha o desempenho da economia americana em cada distrito do Fed.

De maneira geral, a situação que foi mostrada é de uma economia aquecida e com fortes indícios de que vai permanecer dessa forma pelos próximos meses. Para você investidor, isso pode ser um motivo de atenção, já que uma aceleração acima do ideal da atividade pode gerar uma pressão inflacionária e abrir o caminho para uma alta mais forte dos juros pelo Fed.

Essa expectativa por um aperto monetário inclusive foi sentida hoje pelo mercado. As bolsas americanas ampliaram sua queda em um pregão pra lá de turbulento por conta das tentativas de terrorismo a figuras públicas dos EUA.

Destrinchando o livro

Os resultados relacionados à produção apontam para um desempenho de modesto a moderado nesses distritos. Enquanto Nova York e St, Louis tiveram leve crescimento, Dallas apresentou uma forte expansão puxada pela indústria local, o varejo e o setor de serviços não financeiros.

Avaliações parecidas foram feitas para a situação dos empregos, que também cresceram de forma modesta a moderada. Um destaque nesse quesito foi o distrito de São Francisco. Mas nem tudo são flores: os empregadores em todo o país seguem relatando dificuldades de contratar novos empregados, em meio a um mercado de trabalho restrito e com poucos trabalhadores qualificados.

Esse obstáculo em encontrar mão de obra qualificada impactou diretamente (e de forma negativa) no desempenho de alguns setores da economia americana. Para contornar essa situação, o Livro Bege aponta que empresas tiveram que utilizar estratégias como bônus e horários flexíveis para reter seus trabalhadores.

Preços em alta

Segundo o livro o Fed, os empresários americanos também dizem notar um aumento nos preços de bens finais devido à elevação nos custos de insumos, como metais, e a culpa disso seria do impacto de tarifas comerciais.

Os preços continuaram a subir em um ritmo modesto a moderado em todos os distritos no período encerrado no dia 15 de outubro. Varejistas de algumas localidades, porém, "aumentaram os preços de venda à medida que continuam a ver a alta dos custos de transporte e também se preocupam com aumentos iminentes de custos decorrentes das tarifas".

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

CRIPTOMOEDA

Bitcoin ultrapassa US$ 60 mil antes de abertura de capital da Coinbase Global

Criptomoeda teve alta de 4,87%, a quatro dias de IPO da maior corretora de moedas digitais dos EUA

pandemia

Mortes por Covid-19 cresceram 468% no Brasil entre janeiro e março, alerta Fiocruz

Para os novos casos, o aumento foi de 701%; Sul e Centro-Oeste tendem a cenário mais crítico nas próximas semanas.

IPCA DE MARÇO

Inflação vai a 0,93% e mercado vê risco de estourar meta

Taxa acumulada passou a 6,10% no mês passado, reforçando temor de que inflação oficial termine o ano acima do teto da meta, de 5,25%.

congresso X executivo

Orçamento tem guerra de pareceres

Câmara e Senado se armaram com notas técnicas para mostrar que o presidente Jair Bolsonaro pode sancionar o Orçamento sem vetos a emendas; Ministério da Economia já prepara próprio embasamento jurídico.

Aura e Aeris: veja o que dizem os CEOs das novatas da bolsa e outras notícias que bombaram na semana no Seu Dinheiro

Novidade na praça sempre causa burburinho. Na bolsa não é diferente. É bem verdade que as opiniões divergem:Lindas!Não são lá tudo isso…Não sei, nunca ouvi falarA bolsa brasileira recebeu 43 novas integrantes em 2020 e 2021. E a fila para entrar continua a aumentar. Para você, amigo leitor, isso é excelente. São mais ações na […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies