Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2018-11-08T16:39:17-02:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Balanços

Bancões voltam a fazer dinheiro com seu principal negócio: dar crédito

Saldo dos financiamentos no Banco do Brasil, Itaú, Bradesco e Santander encerrou setembro em R$ 2,2 trilhões, uma alta de 7,3% em 12 meses. É importante ficar de olho no crédito porque provavelmente é daí que os bancos vão manter os seus lucros bilionários em alta – e fazer a alegria dos acionistas na bolsa

8 de novembro de 2018
16:01 - atualizado às 16:39
Bancos - Itaú - Santander - Bradesco - Banco do Brasil
Lucro dos quatro grandes bancos subiu 12% no trimestre, para R$ 18,4 bilhões Imagem: Montagem Andrei Morais / Estadão Conteúdo / Shutterstock

Depois de um longo inverno, os grandes bancos brasileiros voltaram a ser… bancos. Ou melhor, voltaram a fazer o que se espera deles, que é ganhar dinheiro com a concessão de crédito. Pelo menos foi o que os resultados do terceiro trimestre mostraram.

O saldo dos financiamentos nos balanços de Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Bradesco e Santander atingiu R$ 2,227 trilhões em setembro. Isso representa uma alta de 1,6% no trimestre e de 7,3% nos últimos 12 meses. O crescimento seria ainda maior não fosse o BB, que ainda segue em marcha lenta.

É importante ficar de olho no desempenho do crédito porque provavelmente é daí que os bancões vão manter os seus lucros bilionários em alta - e fazer a alegria dos acionistas na bolsa.

A margem financeira, linha do balanço onde entram as receitas com crédito (descontado o custo de captação), somou R$ 56,4 bilhões no terceiro trimestre nos quatro bancos.

Trata-se de uma alta de 2,2% quando se compara com o mesmo período do ano passado uma reversão da trajetória de queda que vinha até o trimestre anterior.

Durante a crise, os bancos fecharam a torneira dos financiamentos com o aumento dos calotes - e ainda jogaram as taxas nas alturas. Mas a queda da Selic colocou pressão para a redução dos spreads bancários. Isso significa que, para manter os resultados em alta, os bancos precisam emprestar mais.

“Achamos que o crédito continuará crescendo até mais vigorosamente no futuro”, disse o presidente do Itaú Unibanco, Candido Bracher, na teleconferência com jornalistas para comentar o balanço.

O Santander teve a vantagem de sair na frente, mas resta saber como o banco vai reagir ao avanço dos concorrentes maiores. Em entrevista na estreia do Seu Dinheiro, o presidente do banco, Sergio Rial, deu a receita: buscar clientes na base da pirâmide e no interior do país.

Rentabilidade

No terceiro trimestre, o resultado somado dos quatro grandes de capital aberto foi de R$ 18,4 bilhões. O número, que representa um avanço de 12% em relação ao mesmo período do ano passado, ficou 6% acima das projeções do mercado, de acordo com a Bloomberg.

Além do lucro, os bancões entregaram uma rentabilidade maior no trimestre. O Itaú se mantém tranquilo na liderança nesse quesito, mas a briga pelo segundo lugar entre Santander e Bradesco ficou ainda mais acirrada.

O Banco do Brasil segue na lanterna, mas vem melhorando o índice a cada trimestre na tentativa de reduzir a distância para os concorrentes privados.

De onde vieram os lucros?

A melhora no crédito representa principalmente uma sinalização para o futuro, mas o grosso dos resultados deste trimestre veio mesmo da melhora da inadimplência. As despesas de provisão para calotes os quatro bancos recuaram 22% na comparação com o período de julho a setembro do ano passado.

A expectativa é que os bancos ainda tenham alguma gordura para queimar nesse quesito, o que pode ajudar a melhorar os lucros dos próximos trimestres.

"Pelas novas safras de crédito que nós observamos devemos continuar tendo melhoria nessa linha", afirmou a jornalistas o presidente do Bradesco, Octavio de Lazari.

Taxas e tarifas

Com o crédito devagar, quase parando, durante a crise, os bancos buscaram ampliar as fontes de receita com prestação de serviços. Ou seja, com a cobrança de taxas e tarifas na conta corrente e em cartões, por exemplo.

Para os bancos, as receitas com serviços ainda trazem a vantagem de não consumir capital, o que torna a atividade potencialmente mais rentável.

O cenário só não é melhor para os bancos porque foi justamente daí que começaram a surgir os focos de concorrência mais evidentes de empresas independentes e de tecnologia financeira (fintechs).

Em meio à competição acirrada nos negócios de maquininhas de cartões e nas plataformas de investimento, os bancos tiveram de derrubar suas taxas na tentativa de defender seu mercado.

Outro caminho adotado é o da diversificação. O Itaú tem sido o mais atuante nessa vertente, com a compra da participação no capital da XP Investimentos e a entrada no negócio de benefícios com a aquisição de 11% da Ticket Serviços, além da associação com o PayPal em serviços de pagamento digital.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

VAREJO DECEPCIONADO?

Black Friday supera prévias, mas vendas do fim de semana ainda ainda perdem para os números registrados em 2019

Segundo índice calculado pela Cielo, as vendas cresceram 6,9% em relação ao ano passado, mas foram 3,8% inferiores ao período pré-pandemia

Adeus ano velho

Ano novo, impostos novos! Reforma do IR fica para 2022, confirma presidente do Senado

O governo Bolsonaro pressionava pela aprovação da proposta para financiar o Auxílio Brasil, mas não conseguiu apoio na Casa

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Bitcoin e bolsa se recuperam após susto com nova variante, Azul e Latam sobem o tom e outros destaques do dia

Pouco se sabe ainda sobre a nova variante do coronavírus detectada na África do Sul, mas o que veio à público até agora é muito melhor do que o mercado financeiro precificou na última sexta-feira (26). Sem o pânico visto na semana passada, o Ibovespa encontrou forças para abrir a semana em alta.  Um estudo […]

Fechamento do dia

Mercado supera susto com ômicron, e bolsas globais engatam recuperação; Ibovespa sobe com menos força, de olho na PEC dos precatórios

Pesando os desafios fiscais brasileiros, o Ibovespa fechou longe das máximas, mas se recuperou parcialmente do tombo de sexta-feira

UM ÚLTIMO TUÍTE

Do Twitter para o bitcoin? Jack Dorsey deixa comando da rede social e reacende rumores sobre projeto em criptomoedas

O fundador da rede social passará o cargo para Parag Agrawal, um veterano da empresa, depois de comandá-la de 2006 a 2008 e de 2015 até hoje

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies