Menu
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Reino Unido

União Europeia finalmente aprova acordo para o Brexit

Texto segue agora para a difícil aprovação pelo Parlamento britânico; Reino Unido deixa a UE em 29 de março de 2019

25 de novembro de 2018
9:34
Se não conseguir aprovar acordo no Parlamento, a premiê britânica Theresa May terá que negociar novos termos - Imagem: Drop of Light/Shutterstock.com

A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, e os líderes dos países-membros da União Europeia (UE) finalmente aprovaram, na manhã deste domingo, o acordo de 585 páginas que estabelece os termos do Brexit, a separação do país do bloco europeu.

O anúncio foi feito pelo presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, em sua conta oficial no Twitter:  "Os 27 membros da UE endossaram o Acordo de Retirada e a Declaração Política sobre as futuras relações entre UE e Reino Unido".

O acordo do Brexit segue agora para aprovação pelo Parlamento britânico, que deve votá-lo no começo de dezembro. Mas esta será a parte mais difícil. Tanto membros do Partido Conservador de May como do Partido Trabalhista já ameaçaram rejeitar o pacto.

Se a primeira-ministra não conseguir conquistar apoio, terá de renegociar os termos do acordo e aprová-lo antes que o Reino Unido tenha que deixar o bloco, em 29 de março de 2019.

Porém, os líderes da União Europeia já avisaram que, se o Parlamento britânico rejeitar o acordo, não serão oferecidas condições melhores.

Novas relações comerciais

Caso o acordo seja aprovado pelo Parlamento, o Reino Unido irá iniciar negociações para estabelecer novas relações de comércio e segurança com a UE, o que provavelmente levará anos.

O Brexit desfaz quatro décadas de tomadas de decisão conjuntas sobre leis e regulações que abrangiam desde o compartilhamento de informações sobre criminosos e terroristas, até normas alimentares e impostos.

*Com Estadão Conteúdo

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Para reduzir dívida

Casino fecha venda de 26 hipermercados e supermercados

Negócio é avaliado em 501 milhões de euros (US$ 569,2 milhões); pelo acordo assinado com a Fortress, o Casino receberá cerca de 392 milhões de euros no primeiro semestre do ano

Em dezembro

Indústria e varejo da China superam expectativas, mas avanço do PIB é o menor em 28 anos

Produção industrial chinesa subiu 5,7% em dezembro na comparação anual; analistas previam uma desaceleração, com ganho de 5,3%

Caso Queiroz

Flávio Bolsonaro reclama que não teve oportunidade de esclarecer movimentações

Nas entrevistas, o senador eleito afirmou que o pagamento de R$ 1.016.839 milhão de um título da Caixa Econômica Federal, registrado pelo Coaf como movimentação atípica, é referente ao valor da quitação da dívida de um apartamento

Dívida corporativa

Por que as debêntures devem ser as estrelas do investimento em renda fixa em 2019

Esse fenômeno já começou. Em 2018, as captações de recursos pelas empresas brasileiras diretamente de investidores no mercado de capitais atingiram quase R$ 200 bilhões, um crescimento de 19% e praticamente o dobro de 2016. Confira o que faz as perspectivas para este ano serem ainda melhores.

Renda fixa

O que você precisa saber antes de investir em uma emissão de debêntures

Investir em debêntures pode ser uma alternativa para quem busca mais de rentabilidade nas aplicações de renda fixa. Mas como tudo no mundo dos investimentos, o maior retorno vem acompanhado de mais riscos

A Bula do Mercado

Mercado entre China e Davos

PIB da China abre semana marcada por expectativa pela participação do governo Bolsonaro em Davos

Desânimo

Para JP Morgan, aumentou a chance de recessão nos EUA nos próximos 12 meses

Banco projeta uma probabilidade de 42,9% de contração na economia americana, contra uma projeção anterior de 40,8%

Indústria automobilística

Sindicato reage à ameaça de saída da GM do país, e montadora marca reunião com trabalhadores

Presidente da montadora para a América do Sul havia divulgado comunicado dizendo que “investimentos e o futuro” do grupo no país dependiam de volta da lucratividade em 2019

Sufoco

Empresas de alimentos concentram maior débito entre as mais endividadas

BRF, Marfrig e JBS tentam reduzir endividamento; siderúrgicas e outras empresas de infraestrutura também têm dificuldades

Alívio

Dívida das empresas abertas cai 17,7%, mas investimento ainda deve demorar

Movimento de reestruturação e redução das dívidas é puxado por Petrobras e Vale; cautela das empresas e capacidade ociosa, porém, ainda é grande

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu