Menu
2019-08-09T11:26:15+00:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Perdas gigantes

A Uber teve um prejuízo de US$ 5,24 bilhões no trimestre. Sim, US$ 5,24 bilhões

A Uber registrou aumento na receita e na base de usuário no segundo trimestre deste ano. Mas nada disso impediu que a empresa reportasse um prejuízo bilionário

8 de agosto de 2019
20:03 - atualizado às 11:26
Uber
A Uber teve mais um prejuízo bilionário no segundo trimestre deste ano - Imagem: Shutterstock

Os mercados financeiros embarcaram num carro da Uber em 10 de maio, quando as ações da empresa começaram a ser negociadas na bolsa de Nova York. E o trajeto dessa viagem sempre esteve bem definido: sair do prejuízo e chegar ao lucro — de preferência, sem pegar muito congestionamento.

Só que balanço da companhia no segundo trimestre mostrou que esse percurso está longe de ser uma linha reta, e que essa corrida pode demorar bem mais que o previsto. Afinal, a Uber não só continuou no vermelho entre abril e junho deste ano — ela registrou um salto nas perdas.

No início da noite desta quinta-feira (8), a empresa reportou um prejuízo líquido de US$ 5,24 bilhões — sim, US$ 5,24 bilhões — no segundo trimestre de 2019. A cifra é muito maior que a verificada no mesmo período do ano passado, quando a perda foi de US$ 878 milhões.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Vale ressaltar que esse prejuízo massivo se deve, em grande parte, às compensações de despesas relacionadas ao processo de abertura de capital, que chegaram a US$ 3,9 bilhões. Ainda assim, descontado esse efeito, a Uber teria registrado perdas de US$ 1,3 bilhão no trimestre.

O resultado implica num prejuízo por ação de US$ 4,72, mais que o dobro do registrado em igual intervalo de 2018, de US$ 2,01. O número ficou aquém da expectativa do mercado — a média das estimativas compiladas pela Bloomberg apontava para um prejuízo por ação de US$ 3,23, já considerando as despesas com o IPO.

O aumento nas perdas ocorreu mesmo com o crescimento de 12% da receita líquida na mesma base de comparação, para US$ 2,87 bilhões. Além dos custos ligados ao IPO, a Uber reportou crescimentos expressivos nas despesas gerais e administrativas e nos gastos com vendas e marketing.

E, de qualquer maneira, a receita líquida também decepcionou: de acordo com a Bloomberg, o mercado projetava que essa linha atingiria US$ 3,05 bilhões neste trimestre.

As reservas brutas — ou seja o valor total arrecadado pela Uber em todas as suas modalidades de serviço — foram outro fator de desapontamento, somando US$ 15,75 bilhões no trimestre. A cifra representa um crescimento de 31% na base anual, mas também ficou abaixo das expectativas dos analistas.

Tarifa dinâmica

Mas nem tudo foi ruim no balanço da Uber: foi vista com bons olhos a evolução no número de usuários ativos por mês nas diferentes plataformas da empresa, que passou de 76 milhões no segundo trimestre de 2018 para 99 milhões entre abril e junho deste ano — um salto de 30%.

Com isso, o desempenho das ações da Uber no after market de Nova York — uma espécie de prorrogação do pregão regular — oscilou bastante, embora sempre no campo negativo. Logo após a divulgação dos resultados, os papéis da empresa chegaram a desabar mais de 12%, mas se afastaram do momento de maior estresse.

Ponderando a informação do aumento na base de usuários, os ativos reduziram o ritmo de perdas e, por volta de 19h45 (horário de Brasília), recuavam 6,28% no after market, a US$ 40,30.

E, no pregão desta sexta-feira (9), as ações da Uber sofrem intensa pressão: por volta de 11h25, operavam em baixa de 7,68%, a US$ 39,68 — com o desempenho do momento, os papéis da companhia acumulam baixa de 11,8% em relação ao preço do IPO, de US$ 45,00.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Seu Dinheiro no domingo

Liberais não fazem pacotes

Dentro de mais alguns dias conheceremos o Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre. O resultado será magro e há quem fale em recessão técnica. Na sequência veremos uma nova onda de críticas e demandas na linha: “o governo tem quem fazer alguma coisa! Tem que impulsionar a demanda! Esse BC está errado!”. Sinto desapontar […]

Trilhando caminhos

Jovens precisam ter resiliência e iniciativa, dizem executivos sobre ser um novo empresário

Executivos falam sobre os comportamentos que um jovem ingressante numa grande empresa deve ter para trilhar um caminho profissional de sucesso

Crise partidária

Pedro Simon, ex-governador do RS: ‘existe o risco de o MDB desaparecer’

Em entrevista ao Estadão, o filiado ao MDB desde 1965 diz que seu partido precisa fazer uma “profunda reflexão”

Barrado na embaixada?

Consultoria do Senado diz que indicação de Eduardo Bolsonaro configura nepotismo e senadores se articulam para rejeitar seu nome

Parecer foi embasado no entendimento da Súmula Vinculante nº 13, do Supremo Tribunal Federal, que trata sobre nepotismo

Analisando a situação dos hermanos

Crise Argentina, feitiço do tempo

Os grandes desafios econômicos de Maurício Macri também parecem reimpressões de velhos e bem conhecidos problemas argentinos

O HOMEM MAIS RICO

Jeff Bezos: paciência para esperar o lucro da Amazon fez o maior bilionário do mundo

Como o empresário transformou uma pequena livraria online em uma das maiores varejistas do mundo e desbancou Bill Gates da lista da Forbes com uma fortuna estimada em US$ 148 bilhões.

Demissão anunciada

Ministro da Fazenda da Argentina renuncia ao cargo e traz novas turbulências ao mercado internacional

Anúncio foi feito por meio de uma carta enviada a Mauricio Macri em que Nicolás Dujóvne justifica a necessidade de uma renovação na área econômica

Bandeira branca no radar?

EUA devem estender licença da chinesa Huawei para atender clientes do país

Movimento dos EUA pode ser visto como positivo para o fim da guerra comercial com a China já que a companhia foi um dos focos de tensões entre os gigantes

Governador de Minas

‘Governo entra em pautas minúsculas’, avalia Romeu Zema

Em entrevista, governador de MG nega que esteja sendo “tutelado” pelo partido Novo e avaliou que o presidente Jair Bolsonaro deveria “focar em coisas maiores, grandiosas”

Corrida contra o tempo

Tarifa de importação do Mercosul pode cair já em 2020

Com receio de que o grupo político da ex-presidente da Argentina Cristina Kirchner volte ao poder, o governo brasileiro tem pressa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements