Menu
2019-08-09T14:52:21+00:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Balanço

Onde os brasileiros investiram no primeiro semestre de 2019

Investidores pessoas físicas ultrapassaram a marca de R$ 3 trilhões em investimentos pela primeira vez; apesar de poupança ainda ser forte, volume investido em renda variável e debêntures aumentou bastante

9 de agosto de 2019
14:52
Pessoa conta notas de dinheiro de 100 reais
Participação da renda variável nas carteiras aumentou em grande parte pela valorização desses ativos no semestre. - Imagem: Shutterstock

Os investidores pessoas físicas brasileiros ultrapassaram, pela primeira vez, a marca dos R$ 3 trilhões investidos no primeiro semestre de 2019.

E os sinais da Selic baixa já se fazem sentir no perfil das suas carteiras: embora a poupança ainda seja forte, sobretudo entre os investidores de menor volume (varejo), a renda variável e as debêntures cresceram bastante na primeira metade do ano.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Levantamento feito pela Anbima, a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais, mostrou que, no primeiro semestre, o volume investido pelas pessoas físicas dos segmentos de varejo, varejo alta renda e private subiu 5% em relação ao segundo semestre de 2018.

O varejo tradicional, no entanto, viu perdas de 4,8% no volume investido nessa comparação semestral. O segmento private, dos endinheirados, viu um crescimento de 8,8% no período.

De acordo com José Rocha, presidente do fórum de distribuição da Anbima, essa redução no varejo tradicional tem a ver com sazonalidade, dado que esse segmento costuma investir mais no segundo semestre, em razão do recebimento de rendas extras, como o 13º salário.

O maior crescimento, de 11%, se deu no varejo alta renda, segmento que geralmente engloba os investidores com renda superior a R$ 5 mil ou R$ 10 mil, dependendo da classificação da instituição financeira.

Somando varejo e varejo alta renda, as aplicações na poupança perderam espaço. O volume diminuiu 0,1% em relação ao semestre anterior, enquanto as aplicações em títulos e valores mobiliários e fundos ganharam participação, com altas de 4,2% e 5,1% em relação ao segundo semestre de 2018.

Onde os investidores de varejo investiram

E onde essa galera investiu? Os gráficos a seguir mostram a distribuição dos tipos de investimento em volume no varejo tradicional e no varejo alta renda no primeiro semestre:

Onde os brasileiros investiram no primeiro semestre de 2019 - varejo

No varejo tradicional, a poupança ainda tem um papel muito importante e inclusive aumentou sua participação no primeiro semestre em relação ao mesmo período do ano anterior.

Os investidores de menor renda tendem a valorizar mais a solidez do investimento que o retorno, disse José Rocha. Mas mesmo eles viram um aumento na participação das ações na carteira.

Já a distribuição dos recursos do varejo alta renda evidenciam a busca desses investidores por aplicações mais rentáveis.

Menos poupança e mais ações, multimercados e investimentos como debêntures, CRI, CRA, fundos imobiliários, fundos de ações, títulos públicos (alguns se valorizaram com a queda dos juros), entre outras aplicações que se beneficiam do cenário de juro baixo ou em queda.

No varejo como um todo, os tipos de ativos que tiveram maior crescimento no volume investido no primeiro semestre de 2019 frente ao mesmo período de 2018 foram os fundos de ações (+38,6%), fundos imobiliários (+36,5%), ações (+28,1%) e debêntures (+19,1%). A poupança foi a única aplicação com redução de volume nesta base de comparação.

Onde os clientes private investiram

E os endinheirados, onde puseram seu dinheiro no primeiro semestre?

Onde os brasileiros investiram no primeiro semestre - private

Os fundos multimercados são o principal investimento dos clientes private, seguidos das ações e das LCI e LCA. Porém, os multimercados e LCI e LCA perderam espaço em relação ao primeiro semestre do ano passado.

No segmento private, os ativos que mais cresceram em volume no primeiro semestre de 2019 em relação ao mesmo período do ano passado foram os fundos de ações (+19,8%), as ações (+17,4%) e as debêntures (+13,6%).

Segundo José Rocha, o grande crescimento da renda variável tem muito a ver não só com novos aportes nesses ativos, mas também com a sua valorização ao longo do primeiro semestre, o que fez sua participação relativa nas carteiras crescer.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Seu Dinheiro no domingo

Liberais não fazem pacotes

Dentro de mais alguns dias conheceremos o Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre. O resultado será magro e há quem fale em recessão técnica. Na sequência veremos uma nova onda de críticas e demandas na linha: “o governo tem quem fazer alguma coisa! Tem que impulsionar a demanda! Esse BC está errado!”. Sinto desapontar […]

Trilhando caminhos

Jovens precisam ter resiliência e iniciativa, dizem executivos sobre ser um novo empresário

Executivos falam sobre os comportamentos que um jovem ingressante numa grande empresa deve ter para trilhar um caminho profissional de sucesso

Crise partidária

Pedro Simon, ex-governador do RS: ‘existe o risco de o MDB desaparecer’

Em entrevista ao Estadão, o filiado ao MDB desde 1965 diz que seu partido precisa fazer uma “profunda reflexão”

Barrado na embaixada?

Consultoria do Senado diz que indicação de Eduardo Bolsonaro configura nepotismo e senadores se articulam para rejeitar seu nome

Parecer foi embasado no entendimento da Súmula Vinculante nº 13, do Supremo Tribunal Federal, que trata sobre nepotismo

Analisando a situação dos hermanos

Crise Argentina, feitiço do tempo

Os grandes desafios econômicos de Maurício Macri também parecem reimpressões de velhos e bem conhecidos problemas argentinos

O HOMEM MAIS RICO

Jeff Bezos: paciência para esperar o lucro da Amazon fez o maior bilionário do mundo

Como o empresário transformou uma pequena livraria online em uma das maiores varejistas do mundo e desbancou Bill Gates da lista da Forbes com uma fortuna estimada em US$ 148 bilhões.

Demissão anunciada

Ministro da Fazenda da Argentina renuncia ao cargo e traz novas turbulências ao mercado internacional

Anúncio foi feito por meio de uma carta enviada a Mauricio Macri em que Nicolás Dujóvne justifica a necessidade de uma renovação na área econômica

Bandeira branca no radar?

EUA devem estender licença da chinesa Huawei para atender clientes do país

Movimento dos EUA pode ser visto como positivo para o fim da guerra comercial com a China já que a companhia foi um dos focos de tensões entre os gigantes

Governador de Minas

‘Governo entra em pautas minúsculas’, avalia Romeu Zema

Em entrevista, governador de MG nega que esteja sendo “tutelado” pelo partido Novo e avaliou que o presidente Jair Bolsonaro deveria “focar em coisas maiores, grandiosas”

Corrida contra o tempo

Tarifa de importação do Mercosul pode cair já em 2020

Com receio de que o grupo político da ex-presidente da Argentina Cristina Kirchner volte ao poder, o governo brasileiro tem pressa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements