Menu
2019-09-04T11:50:21+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Análise

O teto que nos impede de virar uma Argentina pode vir abaixo

Briga entre equipe econômica e ala política do governo é uma das coisas mais relevantes para o seu bolso

4 de setembro de 2019
11:29 - atualizado às 11:50
Paulo Guedes
Ministro da Economia, Paulo Guedes - Imagem: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Política fiscal é um tema tedioso e o teto de gastos está entre os menos compreendidos. Mas é importante termos em mente uma relação simples. Sem esse estrito controle do gasto público não teríamos derrubado a inflação e jamais veríamos uma Selic de 6%, muito menos projeção de juros entre 4,5% a 5% até o fim de 2020.

Pode parecer exagero meu, mas essa briga de gabinetes que acontece aqui em Brasília e que estampa o “Estadão” de hoje é uma das coisas mais relevantes para o futuro do seu bolso. A discussão já tinha surgido em junho, como mostraram os colegas da “Bloomberg” na época, tendo pesado sobre o Ibovespa no pregão do dia 5 daquele mês.

Resumindo a questão e dando a dimensão do tema, o teto de gastos é o que nos impede de ter mesmo destino da Argentina. E o que está em discussão aqui é derrubar o teto para salvar o presidente. Natural que Paulo Guedes e equipe sejam contra, mas na ala política o cálculo é outro. O tempo lá é o da política e já se pensa em 2020 e 2022.

Essa é uma antiga maldição da América Latina, bem relatada e documentada por Roberto Campos: Abandonar prematuramente planos de estabilização sob o slogan de salvar o país da estagnação.

Teto compra tempo

Resumindo uma história um pouco mais complexa, o teto de gastos limitou pela primeira vez na história o crescimento do gasto público em termos reais. Todo o ano desde que se tem notícia, o gasto cresceu acima da inflação.

Quanto mais o governo gasta além do que arrecada, mais ele tem de tomar emprestado no mercado ou arrancar do seu bolso via imposto. Quanto mais tem de pegar emprestado, mais elevado o juro e maior sua contribuição para alta dos demais preços da economia.

O teto de gasto imposto no governo Michel Temer foi um divisor de água dentro da saída da crise gerada nas gestões petistas e sua Nova Matriz Macroeconômica (sem falar no roubo). O governo brasileiro passou um sinal ao mercado de que enfrentaria o problema fiscal.

Primeiro, limitando o gasto à inflação passada, eliminado o crescimento real. Segundo, acenando com uma reforma da Previdência e outros ajustes para conter o aumento das despesas obrigatórias.

O teto nos comprou tempo para fazer um ajuste fiscal gradual e nos obrigou a fazer a indigesta discussão do gasto obrigatório. Como bem resumiu o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, na semana passada: “Vamos levar uma década para fazer ajuste fiscal. Mesmo com essa situação grave, o mercado aceitou a tese de ajuste fiscal gradual, a ponto de conseguirmos vender título com juro real de 3,6%. Isso era impensável! Chegamos a vender com juro real de 9% faz poucos anos. Mercado confia no ajuste, mas tem dever de casa a ser feito.”

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Riscos e expectativas

O maior risco em uma flexibilização do teto nos moldes em que a discussão está posta é minar essa confiança, derrubar a expectativa de que o ajuste pelo lado da despesa continuará sendo feito.

Um bom exemplo do que é uma reversão de expectativas e como isso pode ser doloroso para seu bolso foi o pregão do dia 12 de agosto na Argentina, com uma queda da bolsa de 30% em moeda local e 50% em moeda americana e uma disparada de 38% na cotação do dólar.

Todo o esforço da equipe em defender o teto e pedir por reformas é para reduzir os gastos com funcionários públicos e com uma máquina estatal que cresceu tanto, perdeu seu sentido e está aí apenas para justificar sua existência.

Também em entrevista ao “Estadão”, a economista-chefe da XP, Zeina Latif, resumiu bem a questão. “Abrir esse precedente [mexer no teto] é o equivalente ao sujeito que é viciado e fala: ‘só mais um traguinho’”, diz Zeina.

Há uma discussão sendo feita por gente séria, como Fabio Giambiagi e o economista Guilherme Tinoco, sobre a sustentabilidade do teto no longo prazo. Mas na fala de Giambiagi ao “Estadão” fica clara a distinção entre essa discussão técnica e o ciclo político. “Nossa proposta, não mexe em 2021 e 2022. E também não está associada a posturas críticas na política fiscal que querem que se gaste mais agora”, diz Giambiagi.

Outra discussão pertinente sobre o teto é que no modelo atual o governo só tem controle sobre gastos que já controla, os chamados discricionários. Em síntese não faz sentido deixar de pagar bolsas de estudo e contas de luz se esse não é a raiz do problema.

O problema está nos gastos obrigatórios que estão amarrados por leis e lobby. Não por acaso, a própria equipe já trabalha em uma proposta para acionar  os “gatilhos” de ajuste "de verdade" como a proibição a aumentos salariais e a redução de jornada e remuneração de servidores. Assim, evita-se paralisia da máquina pública. Mas essa é um batalha que escapa à política e sempre acaba nos tribunais.

A dúvida é que ala do governo sairá vencedora desse embate. A equipe economia, que quer promover uma reforma do Estado, mas que é algo com elevado custo político, já que o crescimento não engrena e o desemprego segue alto. Ou a lógica da política, que é o poder concentrado em horizontes de quatro anos.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Olho na Vale

Polícia apresentará em breve acusações criminais por Brumadinho, diz fonte

Autoridades devem acusar formalmente entre oito e 12 pessoas pelo crime de falsa representação na primeira de uma série de acusações

Seu Dinheiro na sua noite

Sobre a bolsa, datas e fatos relevantes

No dia 17 de setembro de 2010, o Ibovespa fechou aos 67.089 pontos, em queda de 0,85%. Me arrisco a dizer que nada muito digno de nota tenha acontecido nesse pregão específico da bolsa. Mas para mim ocorreu um fato mais do que relevante: o nascimento da minha filha mais nova. Voltei à redação dias […]

Fica pra próxima

Sem acordo, senadores recuam em projeto que beneficiaria partidos

Relator da proposta no Senado, Weverton Rocha (PDT-MA), retirou todos os demais trechos do texto em uma nova versão de seu parecer

Linha VIP

Bradesco e Itaú preparam crédito imobiliário ajustado pelo IPCA para endinheirado

Bancos privados correm atrás da concorrente Caixa Econômica Federal, que ofereceu a modalidade para o público em geral

Grana solta

Onyx anuncia liberação de R$ 8,3 bilhões em recursos do Orçamento

Informações do ministro mostram que, do total desbloqueado, R$ 1,9 bilhão ficará para a Educação

De olho nas cotações

Preocupações com a alta do petróleo diminuem após declarações de ministro saudita

O ministro de Energia da Arábia Saudita, Abdulaziz bin Salman, afirmou que a oferta do petróleo voltou ao nível visto antes do ataque

Leilão em outubro

17 empresas se inscrevem para 16ª rodada de petróleo, diz ANP

Entre as inscritas, 15 são estrangeiras. Na 16ª Rodada de Licitações, vão ser oferecidos 36 blocos de pós-sal

De olho nos bons modelos

Por que Elon Musk acha que a Tesla tem que ser mais parecida com a Amazon?

Em uma ligação, Musk sugeriu que a Amazon não sobreviveria se utilizasse um modelo de entregas similar ao que a Tesla utiliza

boas novas

Desde lançamento, 20% dos financiamentos pela Caixa foram IPCA, diz CEO da Tecnisa

Linha de crédito atualizada pela inflação vale para imóveis residenciais enquadrados no Sistema Financeiro da Habitação (SFH) e no Sistema Financeiro Imobiliários (SFI)

Dicas valiosas

5 coisas que os ultrarricos estão fazendo (e que você deveria fazer) para proteger seu patrimônio

Pauta de uma recessão financeira entrou de vez na lista de grandes especialistas e proteger o seu patrimônio deve ser uma de suas prioridades

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements