Menu
2019-08-29T12:16:55+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
um pouco otimista

Mansueto: Resultado do PIB não permite soltar fogos, mas traz alívio

Segundo secretário do Tesouro, aprovação de medidas de ajuste permite queda da inflação e juros baixos. País que faz lição de casa, cresce mais

29 de agosto de 2019
12:16
Mansueto
Secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida - Imagem: Gustavo Raniere/ASCOM/Ministério da Economia

Não dá para soltar fogos com o resultado de um trimestre, mas um número acima do que o mercado estava esperando, o dobro, é um certo alívio. A avaliação é do secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, que fez um breve comentário sobre o Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre, que cresceu 0,4%.

“Ter um dado de PIB maior que o esperado é algo positivo. Agora, não se deve soltar fogos porque é um resultado e eles passam por revisões. Tem que continuar o trabalho, focar na pauta de reformas”, disse.

Enquanto Mansueto fazia seus comentários, a Secretária de Política Econômica (SPE), do Ministério da Economia, divulgava nota afirmando que a estratégia adotada pelo governo, de crescimento com responsabilidade fiscal, “vai se mostrando acertada”.

Ainda de acordo com a SPE, apesar do forte ajuste nas contas públicas, representado por uma queda de 1% no consumo do governo, o crescimento no trimestre foi positivo e acima das projeções de mercado.

“O cenário econômico continua desafiador: o ajuste fiscal em curso, a baixa produtividade da economia brasileira e a incerteza da conjuntura internacional sugerem ainda um longo caminho a percorrer. Mas não deixa de ser importante frisar que a despeito desses desafios, a conjuntura brasileira hoje mostra-se mais favorável do que era alguns meses atrás.”

Lenta retomada

Mansueto ponderou que embora o processo de recuperação seja o mais lento visto em nossa história, a recessão de 2015/2016 também teve uma magnitude que ninguém esperava. Dois anos com queda de PIB, lembrou, só aconteceu na Crise de 1930, nem na “década perdida” dos 1980, isso ocorreu.

O ponto ressaltado pelo secretário, é que a sociedade como um todo e o Congresso vêm discutindo e aprovando medidas de ajuste, de controle de despesas e nova orientação aos bancos públicos.

Esse cenário, segundo Mansueto, permite que vejamos uma convergência da inflação para menos de 4%, levando as taxas de juros para mínimas históricas.

Essa queda da inflação e dos juros, lembrou o secretário, têm relevante impacto sobre os dados fiscais, especialmente na conta de juros do governo geral. Hoje temos uma dívida bruta de 80% do PIB e gastaremos 5% em juro, esse patamar de 5% de juro não era visto desde quando a dívida estava na linha dos 55% do PIB. “Tem um ganho enorme da conta de juros.”

Lição de casa

Ainda de acordo com o secretário, país que faz a lição de casa tem como consequência crescer mais. Parte dessa lição de casa é a continuidade das medidas fiscais. E um grande debate defendido pelo secretário é revisar as despesas obrigatórias.

Sãs os gastos obrigatórios que ameaçam o teto de gastos, medida que sinaliza ao mercado que o país é solvente e permite que seja feito um ajuste gradual nas contas.

Mansueto lembrou que países europeus fizeram ajustes fiscais de 6 pontos a 7 pontos do PIB em seis anos. Aqui, vamos caminhar para uma década com déficits primários (até 2022).

“Vamos levar uma década para fazer ajuste fiscal. Mesmo com essa situação grave, o mercado aceitou a tese de ajuste fiscal gradual, a ponto de conseguirmos vender título com juro real de 3,6%. Isso era impensável! Chegamos a vender com juro real de 9% faz poucos anos. Mercado confia no ajuste, mas tem dever de casa a ser feito”, concluiu.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Epidemia na Ásia

Coreia do Sul inicia abate de porcos após confirmação de febre suína

Cerca de 4 mil porcos de três fazendas da região afetada serão abatidos ainda nesta terça. Também haverá um esforço de limpeza em outras unidades produtivas das cercanias

não é bem assim...

Oi diz que desconhece interesse da Telefônica, após reportagem

Companhia encaminhou um ofício para a B3; reportagem dizia que tele espanhola estaria interessada nos ativos da companhia brasileira – em especial, nas redes de telefonia e dados móveis, que integram as tecnologias 3G e 4G

A bula do mercado

Ataques na Arábia Saudita impõem incerteza aos mercados

Analistas ainda tentam determinar os efeitos do incidente ocorrido no final de semana sobre o petróleo

Entrevista

Esqueça Brasília, quem dita o rumo do Brasil e do mundo é a China, diz Volpon do UBS

Em livro recém-lançado, economista do UBS e ex-diretor do BC, Tony Volpon, também nos conta que a crise financeira não foi culpa dos homens de olhos azuis nem da tal ganância dos mercados

Entrevista

Bolsonaro: Petrobras não deve mudar o preço dos combustíveis

Presidente falou que tendência é seguir preço internacional, mas que como movimento é atípico, Petrobras manterá preços. CPMF saiu de vez dos planos

Jogando para o mercado

Infraero: venda de fatia em 4 aeroportos deve ocorrer em 2020

Companhia está em fase de contratação da consultoria que fará a avaliação dos ativos para colocá-los no mercado

Seu Dinheiro na sua noite

Um evento pode mudar tudo (ou não)

Se você tivesse a oportunidade de perguntar a qualquer analista de mercado na última sexta-feira o que esperar para os preços do petróleo, ele provavelmente responderia “queda”. Havia de fato todas as razões para acreditar na baixa. A guerra comercial entre Estados Unidos e China, o risco de recessão da economia internacional e o excesso […]

Pagando as contas

Tesouro diz que União honrou R$ 633,71 milhões em dívidas de GO, MG, RJ e RN em agosto

Nos primeiros oito meses de 2019, o governo federal precisou desembolsar R$ 5,252 bilhões para honrar dívidas garantidas pela União desses quatro Estados

No Oriente Médio

Ataque pode ser considerado um ’11 de setembro’ no petróleo, diz diretor da ANP

Ao fazer a declaração via redes sociais, Décio Oddone levou em consideração o risco ao mercado de petróleo

Será que vinga?

Papéis da Cielo fecham com alta de 6%, após notícia de conversas com a rival Stone

As ações da Stone, que são negociadas na Nasdaq, também foram impactadas positivamente. Os papéis da companhia terminaram o dia cotados em US$ 33.49, com uma alta de 1,82%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements