Menu
2019-07-23T11:41:28-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Sem recessão

FMI estima crescimento mundial de 3,2% em 2019; Brasil terá um magro 0,8%

Projeções foram atualizadas hoje. Para 2020, mundo cresce 3,5% e Brasil avança 2,4%. Risco é de baixa e decorre da guerra comercial e tecnológica

23 de julho de 2019
10:25 - atualizado às 11:41
FMI
FMI - Imagem: Shutterstock

O Fundo Monetário Internacional (FMI) apresentou uma nova edição do seu “World Economic Outlook” onde faz uma breve revisão para baixo nas projeções de crescimento econômico mundial, que deve ser de 3,2% em 2019 e 3,5% em 2020, 0,1 ponto menor que o estimado em maio.

O que chama atenção é a baixa contribuição da América Latina nesse total. A projeção de crescimento para região caiu de 1,4% para magros 0,6%. Quem puxa a média para baixo somos nós, que devemos crescer 0,8%, projeção em linha com a do Banco Central e do mercado por aqui. Até abril, o FMI acreditava em 2,1%. Ainda na região, o México também teve projeções colocada para baixo, de 1,6% para 0,9%.

Para 2020, o cenário é de recuperação. O Brasil deve crescer 2,4%, enquanto o México deve registrar avanço de 1,9%.

Quem deve continuar sustentando o crescimento mundial, segundo o FMI são os emergentes da Ásia, com crescimento de 6,2% neste ano e de 6% no próximo. Entre os desenvolvidos, o crescimento projetado é de 1,9% neste ano, recuando a 1,7% em 2020.

Riscos

O FMI alerta que os riscos às projeções são de baixa e incluem novos embates dentro da guerra comercial e tecnológica (que envolve notadamente EUA e China) e uma redução nos investimentos.

O corpo técnico do órgão também alerta para movimentos de aversão ao risco em âmbito mundial, algo que pode expor vulnerabilidades financeiras construídas ao longo de uma década de juros baixos.

Também estão na lista pressões desinflacionarias e o limitado espaço da política monetária para atuar contra cenários de desaceleração.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Visão do FMI

Para o FMI, ações nacionais e multilaterais são “vitais” para melhor o crescimento mundial. Essas ações devem buscar reduzir as tensões comerciais e resolver tratados de comércio internacionais, como Reino Unido e União Europeia e EUA, México e Canadá.

Os países não devem utilizar tarifas ou metas de balanços comerciais bilaterais como substitutos ao diálogo como forma de pressões para reformas macroeconômicas.

Com debilidade da demanda e inflação sob controle, o FMI vê com “apropriada” a adoção de políticas monetárias acomodativas em países emergentes e desenvolvidos que mostram expectativas de inflação bem ancoradas (caso brasileiro).

A política fiscal deve ter objetivos múltiplos, como estimular demanda, proteger os mais vulneráveis, impulsionar o crescimento via gastos que suportem mudanças estruturais, além de assegurar a sustentabilidade das contas públicas no médio prazo.

Se o crescimento se mostrar mais fraco que o estimado, as políticas macroeconômicas terão de se tornar mais estimulativas. A prioridade, segundo o FMI, é ampliar a inclusão social e lidar com potenciais restrições ao crescimento.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Recado ao mercado

O BC até pode cortar a Selic em 2020, mas deixou claro que o ciclo está perto do fim

O Copom deixou a porta aberta para mais um corte de 0,25 ponto na Selic em 2020. E, ao não se comprometer com o próximo passo, o BC passou a mensagem de que a onda de reduções nos juros está quase terminando

Seu mentor de investimentos

Caça ao tesouro: as joias descobertas em minha longa carreira no mercado financeiro

Ivan Sant’Anna lembra das grandes tacadas que deu em sua carreira como broker e fala sobre o processo de descobrimento dos tesouros enterrados no mercado

A Bula do Mercado

Copom se prepara para aterrissar e Brasil, para decolar

BC brasileiro indica que fim do ciclo de cortes da Selic está próximo, mas mantém porta aberta para novas quedas, enquanto S&P melhora perspectiva do rating do país

UM DOS IPOs DO ANO

Presidente da XP diz que não descarta listar a companhia na bolsa brasileira

O executivo disse que a ideia sempre foi fazer uma listagem no Brasil, visto que a empresa sempre se posicionou “como disruptora do mercado local, democratizando investimentos”

POLÍTICA

Justiça derruba suspensão de deputados do PSL; Joice pode perder liderança

Nesta quarta-feira, Joice foi confirmada líder do PSL na Câmara e em sua primeira coletiva no cargo afirmou que vai buscar uma pacificação na bancada

Até que enfim!

Agência de risco S&P eleva perspectiva para nota do Brasil para “positiva”

Embora atrasada, a decisão da S&P abre caminho para a recuperação no selo de bom pagador do país, perdido em setembro de 2015

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

A última superquarta do ano

Nesta última superquarta de 2019, o mercado ficou em compasso de espera pelas decisões de política monetária do Federal Reserve (Fed), o banco central americano, e do Banco Central brasileiro. No meio da tarde, o Fed anunciou a manutenção das taxas de juros, interrompendo um ciclo de três reduções consecutivas. Mas como o resultado já […]

Sessão tranquila

Sem surpresas com o Fed, dólar cai a R$ 4,11 e Ibovespa fecha em leve alta

A primeira parte do script imaginado pelos mercados foi cumprida à risca: o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) manteve a taxa de juros no país na faixa de 1,50% e 1,75% ao ano, conforme era esperado pelos agentes financeiros. E, sem nenhuma surpresa, o dólar à vista encontrou espaço para continuar caindo, enquanto […]

Menor juro da história

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 4,5% ao ano

Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras de renda fixa agora que o Banco Central cortou a Selic mais uma vez

Juros

Banco Central reduz juros para 4,5% ao ano, mas não garante novos cortes

Com a nova redução de 0,5 ponto percentual em decisão unânime tomada pelo Copom, a Selic renova a mínima histórica

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements