Menu
2019-06-07T18:48:17+00:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Papéis subiram mais de 7%

‘Estácio a distância’ empolga o Itaú BBA — e as ações da educacional vão às alturas

O Itaú BBA elevou sua recomendação e preço-alvo para as ações da Estácio, mostrando otimismo com a estratégia da empresa para o segmento de ensino a distância. E, como resultado, as ações lideraram os ganhos do Ibovespa nesta sexta-feira (7)

7 de junho de 2019
14:31 - atualizado às 18:48
fachada de faculdade da Estácio
Itaú BBA está otimista com a Estácio - Imagem: Liz Guimarães/Estadão Conteúdo

Num passado não tão distante, o setor de educação era um dos queridinhos da bolsa brasileira. O futuro parecia promissor: os incentivos governamentais ao ensino superior e a demanda cada vez maior por cursos universitários colocavam empresas como Estácio, Kroton e Ser Educacional entre as joias da coroa do mercado acionário.

Mas esse cenário desbotou de uns tempos para cá. Os cortes no Fies funcionaram como um balde de água fria, já que o programa de financiamento estudantil era peça fundamental na engrenagem dessas companhias. E, com a máquina emperrada, o mercado colocou o setor de escanteio.

Restou às empresas educacionais apostarem em outros modelos de negócio, com destaque para o ensino a distância (EAD). Essa modalidade tem crescido de maneira exponencial e trazido ânimo novo ao setor — e uma empresa parece estar bem posicionada para captar a demanda por cursos dessa natureza: a Estácio.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Ao menos, é o que pondera o Itaú BBA. Em relatório, os analistas Susana Salaru e Vitor Tomita mostram-se bastante otimistas quanto ao potencial de crescimento do EAD da Estácio. E, como resultado, elevaram a recomendação para as ações da empresa, passando de "neutro" para "outperform" (acima da média do mercado).

A nova modelagem do Itaú BBA ainda passa por uma elevação do preço-alvo para os papéis da empresa. Agora, o banco prevê que as ações da Estácio encerrarão o ano na faixa de R$ 40,00.

Como resultado, os ativos ON da companhia (ESTC3) operaram em forte alta nesta sexta-feira e lideraram a ponta positiva do Ibovespa, fechando o pregão com valorização de 7,44%, a R$ 29,45. Ou seja: mesmo com os ganhos de hoje, o Itaú ainda vê espaço para uma valorização adicional de 35,8% até o fim do ano.

Estácio a distância

É preciso destacar, antes de tudo, as características do mercado brasileiro de educação. O acesso ao ensino superior ainda é baixo, mas os preços cobrados por um curso universitário presencial são impeditivos para uma grande parte da população — criando um gargalo de resolução complicada.

Nesse cenário, o Itaú BBA pondera que os programas de ensino a distância se tornaram um fator importante para as companhias do setor de educação, já que conseguem atender parte da demanda por ensino a preços acessíveis.

E é nesse ponto que os analistas elogiam a Estácio e a estratégia adotada pela companhia. "Para participar de maneira completa no mercado de educação superior, a Estácio está expandindo rapidamente sua unidade de EAD", ressalta o Itaú BBA. "Esse crescimento no segmento de ensino a distância está encaminhado para se tornar um fator-chave para as receitas da empresa".

O banco ainda ressalta que a flexibilidade financeira da Estácio permite que a empresa desenvolva um portfólio cada vez mais diverso de cursos de EAD. Essa característica, somada à escala da companhia, faz com que o Itaú BBA classifique a empresa como uma das vencedoras no processo de expansão do mercado de ensino a distância — e sem perder a rentabilidade.

Foco no EAD

Os resultados da Estácio no primeiro trimestre vão em linha com as ponderações feitas pelo Itaú BBA. Entre janeiro e abril deste ano, a captação total da empresa chegou a 187,1 mil alunos, um crescimento de 12,8% ante o mesmo período do ano passado.

Desse montante, 98 mil estudantes foram matriculados no segmento EAD — um avanço de 28,6% na mesma base de comparação —, enquanto os outros 89,1 mil alunos foram captados em cursos de graduação presencial — uma queda de 0,5%.

A Estácio encerrou o primeiro trimestre deste ano com 561,3 mil alunos em sua base, uma alta de 2,8% na comparação anual. Novamente, o EAD sustentou esse crescimento: no ensino a distância, a base aumentou 19,9%, para 239,2 mil estudantes; na modalidade presencial, houve queda de 7%, para 322,1 mil alunos.

O ticket médio mensal do ensino presencial no primeiro trimestre foi de R$ 819,9, valor 3,8% maior que o registrado nos primeiros três meses de 2018. No EAD, esse valor é bem mais baixo: R$ 278, cifra 4% superior à registrada no primeiro trimestre do ano passado.

Em termos de indicadores financeiros, a Estácio terminou o período entre janeiro e março deste ano com lucro líquido de R$ 246,7 milhões, um crescimento de 25% ante o mesmo intervalo de 2018. O Ebitda — isto é, o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização — caiu 0,2%, para R$ 329,6 milhões, e a receita líquida caiu 0,3%, para R$ 932,6 milhões.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

O HOMEM MAIS RICO

Jeff Bezos: paciência para esperar o lucro da Amazon fez o maior bilionário do mundo

Como o empresário transformou uma pequena livraria online em uma das maiores varejistas do mundo e desbancou Bill Gates da lista da Forbes com uma fortuna estimada em US$ 148 bilhões.

Bandeira branca no radar?

EUA devem estender licença da chinesa Huawei para atender clientes do país

Movimento dos EUA pode ser visto como positivo para o fim da guerra comercial com a China já que a companhia foi um dos focos de tensões entre os gigantes

Governador de Minas

‘Governo entra em pautas minúsculas’, avalia Romeu Zema

Em entrevista, governador de MG nega que esteja sendo “tutelado” pelo partido Novo e avaliou que o presidente Jair Bolsonaro deveria “focar em coisas maiores, grandiosas”

Corrida contra o tempo

Tarifa de importação do Mercosul pode cair já em 2020

Com receio de que o grupo político da ex-presidente da Argentina Cristina Kirchner volte ao poder, o governo brasileiro tem pressa

Agora vai?

Governo enviará ao Congresso na próxima semana projeto para destravar privatização da Eletrobras

Proposta deve conter os mesmos itens que estavam na Medida Provisória 879, que não foi votada pela Câmara

Olha quem apareceu

Rede de varejo Le Biscuit, da Vinci Partners, estreia no comércio online

Entrada da empresa no mundo online ocorrerá em etapas e segue uma tendência mundial

Olha a oportunidade aí

Movimentos para ofertas de ações no 2º semestre aceleram

Reuniões com os bancos de investimento se intensificam e companhias começam a fechar acordos para levar as ofertas adiante

Eita!

Chefes da Receita Federal ameaçam entrega de cargos por interferência política

De acordo com apuração, seis subsecretários do órgão estão fechados nessa posição

À beira do abismo

Sob pressão financeira, Oi procura bancos para encontrar saída

Operadora precisa levantar R$ 2,5 bilhões, mas ainda não tem ideia de como fará essa captação de recursos

Batalha contra a desaceleração

China divulga reforma de juros para reduzir custo de financiamento de empresas

Movimento anunciado deve reduzir ainda mais as taxas de juros reais para as companhias do país

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements