Menu
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco) e “Abandonado” (Geração).
Governança corporativa

Está na hora de mudar o Novo Mercado? Cosan e Suzano têm visões opostas

Para Rubens Ometto, da Cosan, bolsa deve flexibilizar regras para permitir a criadores das empresas manterem o controle. Mas Walter Schalka, da Suzano, defende que todos os acionistas devem ter os mesmos direitos

29 de janeiro de 2019
13:30 - atualizado às 14:47
Imagem: Estadão Conteúdo / Shutterstock / Montagem Andrei Morais

O Novo Mercado, segmento da B3 de empresas com práticas mais rigorosas de governança corporativa, deve ser reformado? A resposta opôs dois grandes executivos que participaram de um evento para investidores promovido pelo Credit Suisse.

Para Rubens Ometto, presidente do conselho de administração da Cosan, está na hora de mudar a regra do Novo Mercado que permite a listagem apenas de empresas com ações ordinárias (ON, com direito a voto).

"No Novo Mercado, o criador e pessoa criativa em algum momento vai perder o controle acionário da empresa. Esse é um problema que tem que ser enfrentado", disse Ometto.

Ele destacou que em outros mercados, como o americano, existe a flexibilidade de as companhias contarem com ações de diferentes tipos. No ano passado, empresas brasileiras como a PagSeguro e a Stone, de maquininhas de cartões, abriram o capital em Nova York com esse tipo de estrutura acionária.

Vale lembrar que a própria Cosan tentou no passado criar uma holding na qual as ações do controlador teriam mais poderes que as dos demais, mas a operação sofreu forte resistência dos investidores.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Todos iguais

Do outro lado da "trincheira" ficou Walter Schalka, presidente da Suzano. A empresa de papel e celulose tomou o rumo oposto ao unificar suas classes de ações em 2017.

A operação foi feita sem o pagamento de "prêmio" para os detentores de ações ordinárias, como os controladores costumam demandar.

Depois da aquisição da Fibria, no ano passado, os controladores da Suzano passaram a deter uma participação de 46% na companhia.

Embora não detenha mais a maioria do capital, a família Feffer se manteve como acionista de referência da empresa.

"Enquanto o empreendedor estiver tomando boas decisões, o mercado vai apoiar", afirmou Schalka.

E você, o que acha das regras do Novo Mercado? Defende a flexibilização das regras para a criação de ações com "superpoderes" para os controladores? Dê sua opinião nos comentários logo abaixo ou me conta lá no Twitter.

Comentários
Leia também
Captação de US$ 15 milhões

Dos tijolos aos bytes, BTG Pactual lança criptoativo com lastro em imóveis

A ideia do banco é proporcionar aos investidores do ReitBZ retorno com a recuperação dos ativos e a venda por um valor superior ao preço de aquisição. Lançamento envolve parceria com os gêmeos Winklevoss, que atuaram na criação do Facebook

Nova crise?

Flávio Bolsonaro diz que revista faz “ilação irresponsável” ao vinculá-lo à milícia

Reportagem obteve dois cheques de Flávio assinados por Valdeci: um de R$ 3,5 mil e outro no valor de R$ 5 mil; em nota, Flávio afirma que Val Meliga é tesoureira geral do PSL

Com pressão do mercado

Se reforma vier da Câmara em abril, entra no recesso aprovada, diz Alcolumbre

Para presidente do Senado Federal, proposta de reforma da Previdência pode estar aprovada até junho, caso o texto seja aprovado pela Câmara dos Deputados em abril

Clima otimista no governo

Expectativa é que aprovação da reforma ocorra no primeiro semestre, diz Guedes

Ministro da Economia demonstrou confiança com a articulação política no congresso e disse estar “sentindo ventos de otimismo” com a tramitação da proposta

Exile on Wall Street

Uma boa hora para comprar ativos geradores de renda

“Se uma empresa nunca teve meme, posts no Reclame Aqui e erros no meio do caminho, só há uma possibilidade: nunca teve cliente também.”

Imóveis

Qual o tamanho do mercado imobiliário no Brasil?

Parceria entre governo, registradores de imóveis e Fipe começa a responder essa questão de forma objetiva, melhorando a nota do país no ranking de facilidade de negócios do Banco Mundial

Mudanças na Previdência

Deputados querem segurar tramitação da reforma até proposta para militares sair

Para líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir (GO), o governo deve ser rápido para não aparentar tratamento diferenciado

Exclusivo

O que pensa o deputado cotado para presidir a comissão especial da reforma da Previdência?

Deputado Mauro Benevides Filho defende alterações no regime de capitalização, aposentaria de professoras e BPC

Salto de 368%

Com Fibria, Suzano registra lucro de R$ 2,987 bilhões no 4º trimestre

Excluindo Fibria, companhia reverteu prejuízo e obteve lucro líquido de R$ 1,462 bilhão, indicando um salto de 308,5% ante lucro de R$ 358 milhões de igual período do ano anterior

Conteúdo patrocinado por Startse

Milionária sem sair da cama

O caso da inglesa que ficou milionária trabalhando de pijama no quarto – e o número de brasileiros que querem enriquecer da mesma forma.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu