Menu
2019-04-05T14:22:06+00:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Entrevista

“É uma arte, não uma ciência”: conheça o trabalho do CFP® e saiba o que fazer para ter um consultor financeiro com selo de qualidade

Eu e a colunista Luciana Seabra (que também é CFP®) batemos um papo com Jan Karsten, presidente da Planejar, responsável pela certificação de planejadores financeiros no Brasil. Ele nos contou sobre as vantagens de ser assessorado por um CFP®

13 de fevereiro de 2019
5:30 - atualizado às 14:22
Jan Karsten, presidente da Planejar, entidade responsável pela certificação CFP® no Brasil
Jan Karsten, presidente da Planejar - Imagem: Divulgação

Se você já é investidor, talvez já tenha se deparado com algum profissional da área financeira cuja assinatura venha seguida da sigla CFP®. Mas você sabe o que ela significa?

O CFP®, ou Certified Financial Planner, nada mais é que o planejador financeiro certificado, um profissional que passou por várias etapas de estudos, provas, experiência profissional e adesão a uma série de boas práticas e um código de ética para cuidar da vida financeira de pessoas físicas.

Diferentemente de outras certificações do mercado financeiro, o selo CFP® não é obrigatório para o exercício da função de planejador, consultor ou assessor financeiro. Funciona mais como um atestado de qualidade.

O trabalho do CFP® não se restringe aos investimentos. Dependendo da necessidade do cliente, aliás, pode nem ser o caso. Este profissional analisa toda a vida financeira do cliente, incluindo aspectos mais pessoais, para indicar os melhores caminhos no planejamento financeiro.

Isso pode envolver diversas funções, como ajudar o cliente a se livrar das dívidas, aprender a poupar, escolher os melhores investimentos, otimizar o pagamento de impostos, escolher as coberturas de seguro mais adequadas e fazer planejamento sucessório, que é a transmissão dos bens aos futuros herdeiros da forma mais econômica e eficiente possível.

Eu e a colunista do Seu Dinheiro Luciana Seabra - que, por sinal, é CFP® - fomos entrevistar o Jan Karsten, presidente da Planejar, a Associação Brasileira dos Planejadores Financeiros.

Ele nos falou sobre as funções e os diferenciais do profissional de planejamento financeiro, a importância de nós, investidores, buscarmos profissionais certificados, e sobre os planos da Planejar para o futuro.

A seguir, você confere os melhores trechos da entrevista e fica sabendo de tudo sobre a função de planejador financeiro certificado no Brasil.

O que é o CFP®

O CFP® é uma certificação internacional criada nos Estados Unidos, sem caráter obrigatório, regulatório ou de licença. É, portanto, um selo de distinção.

“O CFP® é um selo de qualidade do profissional que traz os quatro Es: experiência, educação, exame e adesão ao código de ética. É um profissional que passou por um crivo demorado, de dedicação, tempo, energia e estudo”, começou Jan Karsten.

Para tirar a certificação, o profissional precisa preencher uma série de requisitos:

  • Educação: ter curso superior e completar, no mínimo, 30 créditos de Educação Continuada a cada dois anos;
  • Experiência profissional: comprovar experiência profissional mínima de um a três anos no relacionamento direto com clientes pessoas físicas em uma ou mais áreas do escopo da certificação (planejamento financeiro, gestão de investimentos, planejamento de aposentadoria, gestão de riscos e seguros, planejamento fiscal e/ou planejamento sucessório);
  • Exame: aprovação em uma prova, para a qual há material didático e cursos específicos;
  • Ética: adesão ao Código de Conduta Ética e Responsabilidade Profissional da Planejar.

A certificação é voluntária. Eu ainda não tirei CFP® (pretendo fazê-lo num futuro não muito distante), mas meus colegas que já passaram pelo processo garantem que a prova não é fácil!

“Não temos meta de quantidade de CFP® no Brasil porque temos medo que o nível dos profissionais caia. Não queremos deixar a prova mais fácil. Pelo contrário, a taxa de aprovação vem caindo, justamente porque tem mais gente indo despreparada para a prova”, contou Karsten.

A Planejar é a responsável por aplicar o exame, conceder o selo CFP® no Brasil, controlar a atividade de planejador financeiro pessoal e representar os profissionais certificados. Hoje, são 4 mil profissionais com CFP® no país.

A associação é uma entidade de autorregulação, não governamental e sem fins lucrativos, e única afiliada brasileira ao Financial Planning Standards Board (FPSB), responsável pela divulgação, gerenciamento e controle do uso das marcas CFP® fora dos Estados Unidos.

“O profissional associado paga uma anuidade, e uma parte dela é revertida para o FPSB, que é responsável por manter uma certa unicidade do que é ser CFP® ao redor do mundo”, diz o presidente da Planejar.

Como funciona o planejamento financeiro

A atuação de um CFP® deve seguir etapas e abranger áreas pré-definidas, que seguem padrões internacionais.

Basicamente, e escopo de conhecimento do planejador financeiro certificado abrange seis áreas: planejamento financeiro e ética; gestão de investimentos; planejamento da aposentadoria; gestão de riscos e seguros; planejamento fiscal; e planejamento sucessório.

Portanto, não necessariamente o CFP® será um profissional focado em investimentos. Tanto que não há limitação para a formação e área de atuação do candidato à certificação, desde que ele comprove a experiência e o conhecimento necessário.

Há profissionais mais focados em investimentos, outros em informação, planejamento financeiro, planejamento sucessório, contabilidade, direito e por aí vai.

“Não é uma licença, então tanto faz se o profissional é agente autônomo, consultor, gestor de carteira ou distribuidor de fundos, por exemplo”, diz o presidente da Planejar.

Um dos serviços oferecidos pelo planejador financeiro certificado é o diagnóstico, a primeira consulta, que costuma durar algo entre uma hora e meia e duas horas.

“Tem quem cobre de R$ 500 a R$ 2 mil por esse encontro. Quem passa por uma reunião dessas já aprende os principais pontos do processo. Se for mais ou menos disciplinado consegue se cuidar dali em diante”, diz Karsten.

O processo começa com o fluxo de caixa. O cliente precisa informar a renda e levar todas as contas. “As pessoas acham que essa coisa de fazer fluxo de caixa é bobagem, mas se você não puser na ponta do lápis, você não sabe exatamente quanto você gasta”, completa.

Onde eu encontro profissionais com CFP®

Os profissionais com CFP® são mais comuns nas áreas de private dos bancos, atendendo aos clientes de altíssima renda, até porque neste segmento há metas de percentual de profissionais certificados.

Entre os gestores de patrimônio também há uma meta de ter pelo menos 75% dos profissionais certificados até o final de 2021.

Para os investidores de varejo alta renda também há oferta de profissionais certificados, tanto nos bancos como em corretoras e distribuidoras de valores.

Agentes autônomos também podem ser certificados, apesar de não poderem recomendar investimentos específicos para os clientes. “Eu acho bom o agente autônomo ter CFP®, até para ele saber fazer as perguntas. Para entender e saber diagnosticar o cliente”, diz Karsten.

Finalmente, há os consultores independentes, remunerados diretamente pelo cliente e sem vínculo com alguma instituição financeira específica. Hoje, 30% dos CFP® são independentes. Os demais 70% são ligados a instituições financeiras, sendo que 40% deles estão no segmento de private banking.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Jan Karsten diz que a Planejar não tem foco específico em tipo de profissional ou de instituição financeira à qual ele seja ligado.

Mas o trabalho do CFP® não é só para quem tem muito dinheiro para investir. Mesmo o pessoal do varejo tradicional e aqueles que têm dívidas podem se utilizar dos serviços de um planejador financeiro para se livrar do endividamento e aprender a poupar.

“O trabalho que a Planejar faz dentro da Estratégia Nacional de Educação Financeira (ENEF) é 100% voltado para as pessoas que não conseguem poupar. Analisar seu fluxo de caixa, quanto elas ganham e gastam, as dívidas etc. E é de graça”, explica Karsten.

Se você quiser procurar um planejador financeiro certificado, a orientação do presidente da Planejar é entrar no site da entidade, onde há uma lista com todos os profissionais. Lá, você consegue o profissional por especialidade, tipo de atendimento (se presencial ou à distância) e localidade.

Mas Karsten assegura que, neste mercado, o marketing boca a boca é predominante. “É impressionante, porque é transformacional”, diz.

O diferencial de um CFP®

Segundo o presidente da Planejar, o profissional certificado tem basicamente dois diferenciais.

O primeiro é que o CFP® precisa seguir as seis etapas do planejamento financeiro estabelecidas para tirar a certificação:

  • Estabelecer e definir o relacionamento com o cliente;
  • Coletar as informações do cliente;
  • Analisar e avaliar a situação financeira do cliente;
  • Desenvolver e apresentar as recomendações de planejamento financeiro ao cliente;
  • Implementar as recomendações de planejamento financeiro do cliente;
  • Revisar a situação do cliente.

“É como uma receita de bolo. O cliente tem a garantia de que o profissional foi treinado e vai seguir à risca esse processo. É uma arte, não é uma ciência. Cada caso é um caso. Mas o esperado é que o resultado de um CFP® seja melhor do que o de um profissional sem a certificação”, diz Karsten.

O segundo é a adesão a um código de ética. Segundo Karsten, se o CFP® não estiver seguindo as regras do ponto de vista ético, o cliente pode entrar em contato com a Planejar.

“É uma proteção, quase uma ouvidoria. Não é um papel de regulador, mas sim de uma instituição que está preocupada que 4 mil profissionais carreguem o CFP® dentro de um certo padrão”, diz.

Segundo o presidente da Planejar, um problema que pode acontecer quando o profissional não é certificado e que o selo CFP® evita é a recomendação unicamente com base no questionário de suitability, sem que o profissional conheça mais a fundo o ciente.

“Há perguntas pessoais que não são relevantes para o suitability, mas que são importantes para as recomendações. Por exemplo, pensando no poupador: quanto você gera de renda por ano? Você continua poupando, ou esse patrimônio é tudo que você tem? Qual o objetivo desse dinheiro? Pergunta-se o retorno, mas é o contrário, o retorno é função do objetivo. Um cliente que queira morar fora do Brasil dentro de dez anos é totalmente diferente de um que queira comprar um carro e se aposentar daqui a 15 anos.”

Remuneração e conflitos de interesses

O CFP® pode ser remunerado diretamente pelo cliente ou, caso ligado a instituições financeiras, por comissão pelos produtos e serviços que oferece.

Para Karsten, não há problema em ser ligado a instituições financeiras, nem seria necessário que o cliente consultasse mais de um profissional na hora de escolher produtos financeiros, desde que haja transparência.

“O que eu acho mais difícil é, no caso do profissional ligado a banco, em relação a produtos de crédito. Nesse ponto eu acho que seria necessário sim consultar um profissional independente. Por exemplo, trocar uma dívida cara de cartão de crédito por dívidas mais baratas ou colocar um imóvel quitado como garantia de um empréstimo para pagar juros menores”, diz.

Karsten nos contou que, nos Estados Unidos, os consultores enviam para os clientes por e-mail a confirmação da transação realizada e o valor que o profissional está recebendo de comissão, independentemente do produto. “Acho que vamos acabar caminhando nessa direção, estamos trabalhando para isso”, diz.

Como é o planejamento financeiro no resto do mundo

“O Japão e os Estados Unidos provavelmente são os países mais avançados nesse sentido. Quem está crescendo absurdamente é a China, um negócio incrível. Índia também”, diz o presidente da Planejar.

Ele conta que a remuneração direta pelo cliente tem ficado mais comum, até porque, em países desenvolvidos, como Japão e EUA, os juros andam baixos há bastante tempo. Fora o imposto sobre heranças, que tem uma alíquota enorme. “Nos Estados Unidos você deixa quase metade do seu patrimônio para o Estado, se não se planejar”, observa.

E os planos da Planejar para o futuro?

Para este ano, a Planejar tem dois grandes projetos. Um é a confecção de uma cartilha para os CFP® distribuírem para os clientes, a fim de esclarecer os principais pontos do planejamento financeiro.

O outro é a confecção de uma espécie de manual para os profissionais certificados que desejem montar seu próprio negócio, como agente autônomo ou planejador financeiro independente.

“Que modelo de contrato esse profissional pode ter com o cliente? Quanto e como cobrar? Qual a constituição da empresa? Quais licenças são necessárias? Como eu apresento os resultados para o cliente? Seria realmente um kit ‘monte o seu negócio’”, explica o presidente da Planejar.

No lado da educação financeira, o plano é incrementar o atual curso à distância da entidade com novos casos e mais módulos. “A gente quer ampliar a gama de ofertas, não só para os profissionais, mas também para o público final”, diz.

Embora descarte a possibilidade de colocar metas de profissionais certificados para a entidade, Karsten gostaria que, num futuro mais distante, houvesse algum tipo de meta para o trabalho da Planejar.

A ideia seria medir, por meio de pesquisas, o quanto os brasileiros conhecem o trabalho do CFP® e ir aumentando esse percentual.

“Nosso trabalho é educar e mostrar para o brasileiro poupador que a certificação é importante na hora em que você escolhe alguém para te assessorar”, diz.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

um unicórnio entre os jovens

Tiktok: o app que faz sucesso entre a geração z e fez da sua dona a startup mais valiosa do mundo

ByteDance é considerada a startup com o maior valor de mercado do mundo – são US$ 75 bilhões; estratégia se divide em diversas frentes, incluindo um app que ganha cada vez mais força entre jovens nascidos em meados dos anos 90 para cá

guerra comercial não para

Trump ameaça usar autoridade de emergência contra a China

Anúncio chinês de elevar as tarifas sobre US$ 75 bilhões em importações norte-americanas deixou o presidente dos EUA enfurecido

analisando a conjuntura

Recuperação esperada da economia global não aconteceu, diz presidente do Banco da Inglaterra

Mark Carney falou logo depois que o presidente Trump anunciou que estava endurecendo as tarifas sobre as importações chinesas

vem mais mudanças por aí?

Equipe econômica estuda atrelar remuneração da poupança à inflação

Após criar crédito imobiliário corrigido pelo IPCA, governo quer dissociar a rentabilidade da caderneta da Selic, para que a poupança acompanhe os indicadores usados nos empréstimos para a compra da casa própria

bombou na semana

MAIS LIDAS: Loucura, loucura, loucura!

De todos os programas criados pelos governos petistas, um dos mais polêmicos sem dúvida é o Bolsa Empresário, como ficou conhecida a política de financiamentos do BNDES a grandes empresas com juros bem camaradas. A estimativa é que os subsídios, ou seja, os recursos públicos usados para tornar esses empréstimos mais baratos, superaram os de […]

dinheiro na conta

Zuckerberg vende US$ 296 milhões em ações do Facebook em um mês

Desde abril, o CEO do Facebook não disponibilizava os papéis que detinha ao mercado; no ano, o bilionário vendeu 2,9 milhões de ações

olhos lá na frente

SulAmérica vende operações à Allianz por R$ 3 bi e ganha fôlego para crescer

Investimento é o maior já feito pela seguradora no Brasil e a coloca no patamar mais alto do que já teve

acusação de jornal

Amazon vende milhares de produtos irregulares nos EUA

Wall Street Journal diz que identificou na loja online brinquedos e medicamentos que eram vendidos sem os devidos avisos sobre os riscos de saúde a crianças

na tv

Bolsonaro pede que incêndio não seja pretexto para sanções ao Brasil

Em tom mais ameno, presidente disse em rede nacional que número de queimadas está “na média”, mas que governo atuará para conter os focos

Novas regras

Afinal, quanto rende o FGTS? Saiba o que mudou no retorno do fundo

Com nova regra de remuneração, fundo de garantia pode superar a caderneta de poupança, mas retorno não é garantido

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements