Menu
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Bolsa e dólar hoje

Mesmo com vitória de Bolsonaro, Ibovespa cai 2,24% e dólar volta a R$ 3,70

Rali de comemoração durou puco; realização de lucros e declaração de Onyx Lorenzoni se somaram a bolsas em queda e dólar em alta no exterior

29 de outubro de 2018
11:06 - atualizado às 18:05
Mercado aguarda definição de equipe econômica e propostas de reformas - Imagem: Seu Dinheiro

No primeiro pregão depois da eleição de Jair Bolsonaro a presidente do Brasil, o Ibovespa fechou em queda de 2,24%, aos 83.796 pontos, contra as expectativas de rali que pairavam sobre a bolsa nesta segunda-feira (29). O dólar fechou em alta de 1,36%, a R$ 3,7022, seguindo o movimento internacional de fortalecimento da moeda americana frente a outras divisas.

A bolsa começou o dia em alta, celebrando a vitória de Bolsonaro e a perspectiva de um governo mais liberal na economia nos próximos quatro anos. O bom desempenho das bolsas americanas, que se recuperavam das perdas do último pregão, também ajudou os mercados locais.

Na máxima do dia, o Ibovespa chegou a ter alta de 3,10%, aos 88.377 pontos, esbarrando na máxima histórica de 88.400 pontos. Porém, na hora do almoço, o índice passou a cair, e o dólar, a subir. Depois de operar perto da estabilidade por algumas horas, a bolsa brasileira teve suas perdas acentuadas, junto com Wall Street.

Mesmo neste cenário, os juros futuros fecharam em queda, com a redução da percepção de risco em relação ao país e a antecipação da manutenção da Selic em 6,5% ao ano na reunião do Copom, na próxima quarta-feira.

O DI com vencimento em janeiro de 2021 caiu de 8,253% para 8,22%, e o DI com vencimento para janeiro de 2023 recuou de 9,353% para 9,33%.

Diversos fatores contribuíram para a bolsa brasileira virar o sinal. Lá fora, Nova York desacelerou os ganhos e passou a registrar perdas. Por aqui, vimos um movimento de realização dos lucros dos últimos dias.

Além disso, parece que as falas atrapalhadas da equipe de Bolsonaro continuam, e desta vez o mercado não vai perdoar.

Repercutiram mal declarações do deputado e futuro ministro da Casa Civil Onyx Lorenzoni à agência "Reuters" sobre uma possível definição de metas de inflação e juros para o Banco Central. Lorenzoni também teria falado em dar maior previsibilidade à taxa de câmbio.

O BC opera com apenas uma meta, a de inflação, e um instrumento, a taxa de juros. Previsibilidade de câmbio e meta de juros não constam da agenda liberal defendida pela candidatura de Bolsonaro ao longo da campanha. O repórter especial Eduardo Campos conta melhor essa história da "canelada" de Lorenzoni aqui.

Ações afetadas por cenário político despencaram

Ações de companhias beneficiadas por uma perspectiva de crescimento econômico e/ou de uma intervenção governamental potencialmente menor nas suas atividades começaram o pregão subindo forte, mas também tiveram uma virada

A Petrobras fechou em queda de 3,60% (PETR3) e 4,28% (PETR4), prejudicada ainda pela queda nos preços do petróleo. Eletrobrás teve perdas de 5,53% (ELET3) e 3,46% (ELET6).

Os bancos começaram o dia muito bem, mas também fecharam em baixa: BB (BBAS3) perdeu 1,30%, Bradesco teve baixa de 2,05% (BBDC3) e 1,88% (BBDC4), Itaú (ITUB4) caiu 1,84% e Santander (SANB11) teve queda de 1,25%.

A Vale (VALE3) fechou em queda de 4,50% e Bradespar (BRAP4), que investe nas ações da Vale, recuou 4,20%. A mineradora foi afetada pelos sinais de enfraquecimento do setor industrial chinês, que divulgou números aquém do esperado no fim de semana.

A desaceleração chinesa afetou também as ações de outras exportadoras, como Fibria (FIBR3), Suzano (SUZB3) e Klabin (KLBN11), mesmo depois de essas companhias terem divulgado resultados considerados bons pelo mercado. Esses papéis fecharam em queda de 0,56%, 4,00% e 1,95%, respectivamente.

As ações da Gol (GOLL4) caíram 6,48% em razão da valorização da moeda americana, uma vez que boa parte de seus custos e dívida são denominados em dólar.

Poucas ações sobreviveram

Poucas foram as ações que tiveram alta no Ibovespa nesta segunda. Os papéis da Sabesp (SBSP3), por exemplo, subiram 1,80% com a eleição do tucano João Doria em São Paulo.

Já as ações da MRV (MRVE3) fecharam em alta de 1,63% após anúncio de reorganização societária, com a confirmação dos planos de levar a Log Commercial Properties ao Novo Mercado.

O processo foi aprovado pelo conselho de administração hoje e prevê um comitê especial independente para negociar os termos da operação.

Rali contido

A virada no sinal da bolsa não era de todo inesperada. Apesar de a maioria dos analistas ter previsto um rali mais forte, alguns já falavam em ajuste.

A verdade é que a vitória de Bolsonaro estava amplamente precificada já antes do segundo turno. A bolsa ainda pode ganhar com o resultado das urnas, mas agora depende em grande medida dos nomes anunciados para a equipe econômica do novo presidente e das propostas para as reformas.

Ontem à noite, o real caía a R$ 3,60 no mercado futuro de Chicago, ao mesmo tempo em que o ETF (fundo de índice) das ações brasileiras no Japão chegou a subir 14% no primeiro pregão da semana no país asiático.

Mas nem na primeira hora do pregão de hoje o desempenho dos mercados locais foi tão bom quanto antecipava a negociação de ativos brasileiros no exterior.

Em entrevista ao "Broadcast",  o principal economista do Brasil e América Latina do BBVA Research, Ernesto dos Santos, salientou que muitos pontos sobre o programa econômico do presidente eleito ainda são desconhecidos. "Vai ser necessário muita notícia favorável para manter esse rali nos mercados", disse.

A agência de classificação de risco Moody's divulgou hoje relatório dizendo que o apoio do Congresso ao novo governo para a aprovação de reformas "permanece incerto". Além disso, o relatório destaca que "detalhes da política econômica da nova administração ainda não estão claros".

Outro fator de atenção é o desempenho das bolsas lá fora, que ultimamente vêm sendo impactadas por uma série de complicações que têm, como pano de fundo, o temor de uma desaceleração da economia mundial, ao mesmo tempo em que os EUA crescem de maneira robusta e podem acelerar o movimento de alta nos juros.

Os analistas estão entusiasmados com o novo governo e preveem que, se tudo der certo, o Ibovespa possa chegar aos 100 mil pontos até o fim do ano. Já se fala também em dólar chegando a R$ 3,50. Os mais otimistas veem bolsa em 125 mil pontos e dólar entre R$ 3 e R$ 3,20.

O investidor ainda tem diversas oportunidades para ganhar dinheiro tanto na renda variável quanto na renda fixa. Nosso colunista Alexandre Mastrocinque indica algumas ações para surfar a onda Bolsonaro.

Bolsas no exterior atrapalharam

As bolsas de Nova York também abriram em alta nesta segunda-feira, se recuperando dos tombos do último pregão, o que dava uma ajudinha para os mercados locais.

Mas por lá as coisas também começaram a desacelerar no início da tarde, até passarem para o campo negativo novamente. O Dow Jones fechou em queda de 0,99%, aos 24.443 pontos; o S&P500 fechou com recuo de 0,66%, aos 2.641 pontos; e a Nasdaq terminou o pregão em baixa de 1,63%, aos 7.505 pontos.

Pesou sobretudo o mau desempenho das ações do setor de tecnologia, em razão de más notícias que pipocaram hoje.

O Departamento de Comércio americano restringiu negócios de empresas locais com uma fabricante estatal de chips chinesa, com o argumento da defesa da segurança nacional.

Além disso, o Reino Unido passará a taxar serviços digitais - como redes sociais, ferramentas de busca e marketplaces on-line - em 2% da sua receita ligada a usuários do país, a partir de abril de 2020.

Outro fator que abalou as bolsas americanas hoje foi a possibilidade de os EUA imporem nova rodada de tarifas a US$ 257 bilhões de dólares em importações chinesas no início de dezembro.

Na Europa, as bolsas fecharam em alta, com os investidores otimistas com a manutenção da nota de classificação de risco da Itália em BBB pela S&P, o que impulsionou as ações de bancos.

A Itália passa por uma crise fiscal e já foi rebaixada pela Moody's. O bom resultado trimestral do HSBC também ajudou as ações bancárias europeias.

O anúncio da chanceler da Alemanha, Angela Merkel, de não concorrer à reeleição de seu cargo não chegou a influenciar os ativos de risco europeus, mas pesou sobre o euro.

Dos dois lados do Atlântico, o setor automotivo recebeu impulso depois de circular no mercado a informação de que a China reduziria o imposto sobre importações de veículos pela metade.

Dólar tem perdas limitadas ante o real

O otimismo em torno da vitória de Bolsonaro não foi suficiente para fazer o dólar recuar hoje. Embora tenha começado o dia em queda, a moeda americana teve as perdas limitadas por conta da espera dos mercados locais por uma maior definição nas diretrizes econômicas do novo governo, além de ter se fortalecido frente a outras moedas após a divulgação de dados de inflação acima do esperado em setembro.

Uma inflação mais alta pode levar a um aperto monetário mais forte, o que leva o dólar para cima.

O índice de preços de gastos com consumo (PCE, na sigla em inglês) dos Estados Unidos foi de 0,1% em setembro ante agosto e 2% em 12 meses. O PCE é a medida de inflação preferida do Fed, o banco central americano, que tem meta de inflação justamente de 2% neste ano.

O núcleo do PCE, que desconta variações sazonais, avançou 0,2% em setembro ante agosto, frente a uma expectativa de 0,1%. Na comparação anual, o avanço foi de 2%.

Além disso, os americanos gastaram 0,4% a mais com consumo em setembro, em relação ao mês anterior. Já a renda pessoal subiu 0,2% ante agosto, mas a projeção do mercado era de 0,3%.

*Com Estadão Conteúdo

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Nada animador

Tesla derrete na bolsa de Nova York após anunciar corte de 7% no quadro de funcionários

Após o anúncio feito pelo CEO da empresa, Elon Musk, através de um email, os papéis da montadora registravam queda de 12% na Nasdaq

Caso Queiroz de volta?

Marco Aurélio Mello dá sinais de que vai rejeitar a suspensão das investigações envolvendo Flávio Bolsonaro

Ministro do STF disse que a “lei vale para todos” e lembrou que, em casos semelhantes, negou seguimento aos processos

Indo pro mercado

Governo de São Paulo anuncia que fundo imobiliário do Estado sairá em março

Segundo o governador João Doria, comercialização do fundo terá início em março deste ano

Nova fase da petroleira

Petrobras anuncia enterro de empréstimos feitos junto aos bancos públicos

Presidente da estatal, Roberto Castello Branco, disse que a petroleira não pegará mais dinheiro com BNDES e Banco do Brasil

Testando a equipe

Por que Davos será decisivo para Bolsonaro?

Sem a presença de Trump, Macron, Macri e Xi Jinping, presidente brasileiro terá um espaço privilegiado no evento

Estreia do novo governo

Discurso de Bolsonaro em Davos defenderá reformas e pilares do liberalismo de Guedes

Apesar do rascunho do discurso já estar pronto, a versão final só deve sair após uma ajudinha de Paulo Guedes

Seu mentor de investimentos

O que você precisa de fato entender na hora de investir seu dinheiro

Nos mercados mundo afora, pouco importa se você é um expert da tecnologia ou das commodities. Na hora H, o que vale mesmo é saber de preço

Ministro da Casa Civil

Para Onyx, família Bolsonaro é vítima de tentativa de desgaste

Vice-presidente do Supremo, ministro Luiz Fux, atendeu a um pedido da defesa de Flávio Bolsonaro e determinou a suspensão da investigação sobre movimentações de Queiroz

Tá ruim? Injeta dinheiro que melhora!

Mercado azedou? A bolsa caiu? Chama o Fed!

Mudança de discurso do Banco Central americano explica boa parte desse rali das bolsas de valores neste começo de 2019. A questão é: isso vai durar?

Impactou nos papéis

Copel e Sanepar não devem ser vendidas, diz governador do Paraná

Ratinho Júnior sugeriu que as empresas poderiam seguir o exemplo da Compagas, que já conta com uma parceria com grupos privados

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu