Menu
2019-05-20T16:47:48+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
novo trade no mercado

Comprado em Guedes/Maia e vendido em Bolsonaro? O trade de quem aposta em um ‘parlamentarismo branco’

Congresso costura agenda própria para as reformas, isolando Jair Bolsonaro, e ensaiando um parlamentarismo branco. Mas como fica a vaidade política do presidente em um momento de ebulição nas redes sociais?

20 de maio de 2019
9:26 - atualizado às 16:47
Presidente, Jair Bolsonaro, e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia no CCBB.
Presidente, Jair Bolsonaro, e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia no CCBB. - Imagem: Antonio Cruz/ Agência Brasil

O fim de semana foi de intenso noticiário e debates políticos e começamos a segunda-feira com uma tese que está ganhado força e que pode ter impacto no preço dos ativos negociados nos mercados brasileiros. Estaríamos assistindo à migração do nosso presidencialismo para um parlamentarismo branco?

Explico (ou melhor, tento explicar e não defender). Com Jair Bolsonaro se isolando politicamente, o Congresso, ou boa parte dele, na figura do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, acena que vai passa por cima do Executivo e de sua agenda e fazer uma reforma da Previdência com o DNA da Casa e que garanta o almejado R$ 1 trilhão do ministro da Economia, Paulo Guedes.

Na ótica do mercado, faz sentido, pois a percepção é de que Bolsonaro seria um entrave à reforma ao não conseguir ou mesmo não querer construir algum relacionamento com o Legislativo.

Em tese, como a proposta está sendo costurada entre Maia, o presidente da Comissão Especial, Marcelo Ramos (PP-AM), e o relator Samuel Moreira (PSDB-SP), ela deixaria de ser uma reforma de Bolsonaro ou mesmo de Guedes e passaria a ser uma reforma do Congresso. Sendo da Casa, a resistência seria muito menor, agilizando o tempo de tramitação. Bom para os ativos de risco.

A questão é: e Bolsonaro? O presidente vai assistir a isso passivamente? Ainda mais se a história transparecer que tem a anuência de Paulo Guedes, que terá reunião nesta segunda-feira com esses parlamentares. Como fica a vaidade política? O presidente vai se sentir traído? Vai aceitar ser tutelado?

O primeiro ministro

Já tinha dito, na semana passada, que o único a se fortalecer com os desencontros políticos e a evidente fraqueza econômica era o próprio Rodrigo Maia, que conta com a lealdade de parlamentares de ampla gama partidária.

Está se desenhando algo que vem sendo aventado desde os tempos de campanha. Bolsonaro vai usar sua popularidade e as redes sociais para pressionar o Congresso, que está reagindo como “corpo”, lançando mão de um dos instintos políticos mais básicos, o instinto de preservação.

Na sexta-feira, Maia disse que a Câmara e o Senado vão ter uma agenda muito racional, muito objetiva de reestruturação do Estado brasileiro e completou dizendo que: “Não vamos ficar olhando a internet e guerrilhas virtuais. É uma confusão enorme essa coisa de rede social. Se a gente ficar olhando rede social, não faz a Previdência.”

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Depois, vimos notícias de Ramos reforçando o que vem sendo chamado de “recuperar o protagonismo” do Congresso, ao dizer que Bolsonaro aposta no caos para construir uma saída autoritária e que a hora é de isolar gestos pouco republicanos do presidente.

Reforçando a avaliação de que o cálculo político mudou, tivemos uma nota no “O Globo” dizendo que é possível sim passar uma reforma de R$ 1 trilhão e que isso não seria a garantia de uma reeleição a Bolsonaro. Algo no exato oposto do sincericídio vocalizado por Paulinho da Força no 1º de maio.

A avaliação, agora, é de que Bolsonaro se desgasta sozinho e nesse ritmo não chegaria competitivo às próximas eleições. Nada mais “a política como ela é” do que isso. A lógica da política, o poder, é incontornável.

Fogo nas redes

Enquanto os políticos fazem a política, as redes sociais se inflamaram com a convocação de uma manifestação favorável ao presidente Bolsonaro no dia 26 de maio. Já há até o esboço de uma “resposta” do que seria a “oposição”, para o dia 30.

Como tudo que acontece na rede, diversas bandeiras foram levantadas. Os mais radicais querem invadir o Congresso e o Supremo Tribunal Federal (STF). Diante disso, apoiadores de Bolsonaro começam a brigar entre si, com parte deles pedindo a coisa mais escassa quando se trata de comportamento de massa: racionalidade. Jânio Quadros já ensinou que o povo ama odiar...

A deputada estadual por São Paulo, Janaina Paschoal, disse que o presidente confunde discussões democráticas com toma lá, dá cá, e que ruas vazias no dia 26 levarão o presidente a parar de fazer drama e trabalhar. Esse é um exemplo, mas basta dar um passeio por “Twitter” e “Facebook” e veremos diversas “cenas lamentáveis” envolvendo parlamentares do próprio PSL.

Nas redes fica claro o embate que temos entre os diferentes círculos de apoio que tornaram a eleição de Bolsonaro possível. Tem a “tia do zap”, o “indignado”, o “olavista”, o povo que acha que o general Mourão quer dar um golpe, aqueles que como os petistas acham que a Globo é a raiz de todo mal e por aí vai...

O presidente disse em sua diplomação que: “o poder popular não precisa mais de intermediação. As novas tecnologias permitiram uma relação direta entre eleitor e seus representantes”. Também afirmou que: “a construção de uma nação mais justa e desenvolvida requer uma ruptura com práticas que, historicamente, retardaram o nosso progresso”.

Agora, qual poder popular o presidente ouvirá? Os mais radicais, que querem a ruptura na marra? Os mais moderados, que avaliam a política como a arte do possível? Ou o presidente vai ser pragmático e ouvir os milhões de desempregados e subempregados, construindo uma relação hígida com os demais Poderes, reduzindo a incerteza que trava a economia? Com economia crescendo e gerando emprego não ficaria mais fácil lutar a guerra cultural, resgatar valores familiares e levar adiante uma agenda conservadora?

Tentando olhar a questão de um ângulo diferente. O momento é muito interessante. Bolsonaro está fazendo exatamente o que disse que faria. E isso deixa muita gente apavorada. A eleição de Bolsonaro e esse começo de governo são uma afronta ao que Milton Friedman chama de “tirania do status quo”. Haverá vencedores?

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Entrevista

Ex-diretor do BC diz que só o corte de juro não destrava economia do país

José Júlio Senna, economista do Ibre-FGV, diz que empresários já têm à disposição dinheiro mais barato. “E nem por essa razão há fila de empresários querendo tomar crédito.”

A Bula do Mercado

Semana promete novidades sobre guerra comercial e Previdência

Donald Trump e Xi Jinping devem se reunir durante o G20 para tratar da disputa tarifária e a comissão especial na Câmara deve votar o parecer da reforma da Previdência

Vídeo

Como investidor, eu devo me preocupar com o Brexit?

No próximo domingo (23), a escolha pelo Brexit completa três anos, mas o processo ainda se arrasta, e a saída do Reino Unido da Unidão Europeia foi adiada para outubro; mas qual o impacto que isso pode ter no seu bolso?

ENTREVISTA

“Assistimos a um parlamentarismo branco na reforma”, diz economista

O economista Fabio Giambiagi, especialista no tema, está “relativamente otimista” com a aprovação da mudança constitucional

Bancos públicos

CPI vê falhas no BNDES em operações no exterior

Entre os principais pontos levantados até agora estão ausência de critérios para rebaixamento de risco antes de conceder o crédito e a falta de auditoria para fiscalizar a aplicação do dinheiro

Agricultura

Chinês Qu Dongyu é eleito diretor-geral da FAO; Tereza Cristina comemora

O vice-ministro chinês assume o mandato a partir de 1º de agosto, no lugar do brasileiro José Graziano da Silva, que ocupa o cargo desde 2012

Pedido negado

Fachin nega habeas a ex-dirigente da Petrobras condenado a 10 anos na Lava Jato

Em fevereiro de 2018, o ex-gerente da estatal petrolífera foi condenado pelo então juiz federal Sérgio Moro

PRAGMATISMO

O ex-comunista que tem fé na reforma da Previdência

O deputado federal Marcelo Ramos (PL-AM), presidente da Comissão Especial da Reforma da Previdência, diz agradar ao mesmo tempo o governo e a oposição

DEIXA VOAR

Carrefour vende controle de suas atividades na China para Suning.com

A transação, que será paga em dinheiro, avalia o Carrefour China em um valor de empresa de 1,4 bilhão de euros

RALI

Bitcoin ultrapassa US$ 10 mil e vai ainda mais longe. O que explica?

Alguns fatores têm catalisado a alta do preço das criptomoedas nos últimos dias. Desde o início do ano, o bitcoin bateu com folga os principais índices do mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements