Menu
2019-05-03T09:31:50+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
A política como ela é

O caso do deputado Paulinho da Força e o #CentrãoBlocoDeLadrao

Paulinho não mentiu, seu “erro” foi justamente dizer a verdade, coisa que o grosso da população sempre cobra de um político

3 de maio de 2019
9:31
Paulinho da Força e Eduardo Cunha
Ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e deputado Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força (SD-SP) - Imagem: Alex Ferreira / Câmara dos Deputados

O deputado Paulinho da Força (SD-SP) cometeu um ato de política explícita ao falar que o famigerado grupo de partidos reunidos no “Centrão” quer uma reforma da Previdência que não garanta a reeleição de Jair Bolsonaro.

A declaração dada no Dia do Trabalho pode ser vista como um episódio dentro de uma série “A política como ela é”, tendo como inspiração Nelson Rodrigues e a sua “A vida como ela é”.

As pessoas sempre ficam horrorizada ao descobrir que a lógica da política é o poder. Sim, esse é um jogo sujo e quanto menos a política for idealizada, mais fácil para se compreender o que se passa aqui em Brasília.

Grande parte da população ainda mantém uma visão imaculada da “política”, que teria de ser uma moça pura, altruísta, que age sempre pensando em um bem maior, o bem do povo. Mas com diz Nelson, não existe família sem adúltera.

Ao comentar o episódio com um amigo e argumentar que a frase do Paulinho simplesmente desnuda a lógica da política, ele me questionou de volta: “Mas não se fala isso abertamente, né?”

Cobramos da política um pouco de vergonha, um certo rubor nas faces. Mas isso não vai acontecer.

Antes que o leitor me agrida, quero deixar claro que não concordo ou defendo essa lógica da política, meu esforço está em apenas tentar explicar como ela funciona.

Sincericídio

Ilustrando que Paulinho cometeu o pecado mortal da sinceridade, outros políticos saíram a rebater suas declarações.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse não acreditar que a fala de Paulinho seja uma posição de todo o Centrão, refirmou que vai trabalhar por uma economia de R$ 1 trilhão com a reforma da Previdência e que não está preocupado com a eleição de 2022.

O líder do governo na Câmara, major Vitor Hugo (PSL-GO) foi ao “Twitter” dizer que “as alegações mais vis serão explicitadas.. já estão sendo... valorize seu voto...”

Mas o melhor exemplo de que embora suja, a política é necessária veio da líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann (PSL-SP), que disse que a frase do Paulinho não reflete a opinião da maioria e que “precisamos dos partidos de Centro para aprovar o texto”. Ela ainda pediu “mais foco e menos beligerância”.

O tuíte da deputada veio no meio da revolta das redes, com a expressão “#CentrãoBlocoDeLadrao” entre os assuntos mais comentados do dia de ontem. Pelos comentários ao tuíte, não parece ter acalmado os ânimos de ninguém.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Instrumentos da política

A negociação, a barganha e o repudiado “toma lá, dá cá” não são uma exclusividade brasileira. O que muda de país a país é o grau em que isso ocorre e como esses instrumentos são utilizados para se atingir algum objetivo.

Esses são meios de fazer política e não o fim da política e isso parece estar sendo aprendido tanto pelo governo, quanto pela classe política depois da revolta da população que transpareceu nas eleições passadas. O “toma lá, dá cá” atingiu proporções assustadoras, sem relegar objetivo senão da política pela política.

O próprio Maia já disse em entrevista que não adianta nada ele ficar voltado para dentro do Parlamento apenas fazendo a política se não tiver o respeito da população.

Bolsonaro ensaiou uma ruptura com a lógica da política, mas ela é inescapável e ele está, agora, construindo o que parecer ser um meio termo entre instrumentos políticos e objetivos de política (como as reformas).

Isso transparece na mudança de postura e do discurso. O presidente apela para um sentimento maior do Parlamento em fazer uma reforma que o Brasil precisa, mas sabe que ninguém da política vai se mexer se não houver perspectiva ou efetiva divisão de poder e de dividendos eleitorais.

Paulinho não mentiu, seu “erro” foi justamente dizer a verdade, coisa que o grosso da população sempre cobra de um político.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Disputa com Centauro

Magazine Luiza contra-ataca e eleva oferta pela Netshoes para US$ 93 milhões

A varejista decidiu elevar a oferta pelo site de produtos esportivos para US$ 3,00 por ação depois que a Centauro entrou na disputa com uma oferta hostil lançada na quinta-feira

Nas ruas do país

“Pergunta para o povo”, diz Bolsonaro, sobre manifestações

Perguntado sobre a quantidade de pessoas nas ruas, Bolsonaro declarou que as “imagens valem mais do que mil palavras”

Nas ruas do país

Atos pró-Bolsonaro chegam a 93 municípios de 25 Estados e DF

Em São Paulo, a manifestação a favor do governo ocorre na Avenida Paulista e os participantes estão distribuídos por sete quarteirões

Entrevista

“Reforma tem boa chance de passar. Talvez não no prazo ideal”, diz Pedro Parente

Ex-ministro e atual presidente da BRF, Parente vê com naturalidade a atual desarticulação entre o presidente Jair Bolsonaro e o Congresso

Dia de manifestações

Bolsonaro posta no Twitter vídeos de atos pró-governo

A conta do presidente na rede social trouxe três vídeos de manifestantes nas cidades do Rio de Janeiro, em São Luís, no Maranhão, e em Juiz de Fora, no interior de Minas

Trabalho para os liberais

Kleber Bambam e o twitter de Bolsonaro: por que a economia não sai do paredão?

Para Adolfo Sachsida, secretário de política econômica do Ministério da Economia e fã do Big Brother Brasil, problema está no desajuste fiscal herdado das gestões petistas, e não nas polêmicas do Twitter

Das redes ao asfalto

Manifestações nas ruas testam apoio a Bolsonaro

Receio da equipe de Bolsonaro é de que, se não houver uma adesão de peso às manifestações, isso seja interpretado como um sinal de perda de popularidade

Armas

Novo decreto de Bolsonaro mantém brecha para compra de fuzis

Governo mudou texto para evitar venda de fuzis a civis, que fez as ações da Taurus dispararem na semana passada. Mas Procuradoria diz que novo decreto mantém essa possibilidade

Cannabusiness

O dia não tão distante em que os supermercados americanos venderão produtos feitos com planta de maconha

Todos querem sua fatia de uma indústria que deve ultrapassar os US$ 2 bilhões nos EUA até o próximo ano, uma vez que pesquisas vêm mostrando que os consumidores estão dispostos a pagar preços mais altos pelos produtos

Reduzindo os gargalos

Judiciário prepara pacote de medidas para acelerar recuperações judiciais

Em média, em São Paulo, são 567 dias (cerca de um ano e meio) entre a Justiça aceitar o pedido de recuperação de uma empresa e apreciar o plano de reestruturação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements