Menu
2019-07-17T06:58:51-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
a bula do mercado

Expectativa com Livro Bege deve manter ativos locais à deriva

Fed divulgará o documento às 15h

17 de julho de 2019
6:33 - atualizado às 6:58
selo bula do mercado
Imagem: Seu Dinheiro

Os ativos financeiros locais devem passar grande parte da sessão de hoje à deriva enquanto investidores do mundo inteiro aguardam a divulgação do Livro Bege, relatório sobre a economia dos Estados Unidos que pode indicar os próximos passos do Federal Reserve Bank na condução da política monetária norte-americana.

Especialistas precificam pelo menos dois cortes de juros pelo banco central dos Estados Unidos até o fim de 2019. O que ainda não está claro é quando terá início a primeira rodada de corte de juros pelo Fed um uma década.

Há quem aposte em um corte de juros pelo Fed já na reunião de política monetária marcada para o fim deste mês. Nos últimos dias, porém, as sinalizações do presidente do Fed, Jerome Powell, foram tudo, menos claras.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Ontem, em declarações preparadas para um discurso em Paris, Powell repetiu que a autoridade monetária agirá “apropriadamente” para dar suporte à expansão da economia norte-americana

Apoio a corte entre diretores do Fed é crescente

O que se sabe é que cresce entre os diretores do Fed o apoio a uma rodada de corte de juros. E o que baseia essas discussões não é a situação atual da economia dos EUA, mas os efeitos potencialmente nocivos da política de guerra comercial do presidente Donald Trump para o país no futuro próximo.

Em um momento de desaceleração econômica global, os principais bancos centrais do mundo preparam-se para começar a cortar juros em breve, e isto inclui o Banco Central Europeu (BCE), o Banco da Inglaterra (BoE) e o Banco do Japão (BoJ).

No caso do Brasil, a expectativa é de que o Copom reduza a taxa Selic em pelo menos 1 ponto porcentual até o fim do ano, baixando-a gradualmente do atual piso histórico de 6,50% - nível no qual se encontra há mais de um ano - para 5,50%.

No decorrer dos últimos dois meses, os agentes dos mercados financeiros transferiram a pressão por cortes na Selic para os juros projetados nos contratos futuros, que têm mantido o viés de queda, muitas vezes correndo na contramão do dólar, e achatando a curva.

Trump volta à carga contra a China

O alívio nas tensões comerciais durou pouco, como era de se esperar. Pouco mais de duas semanas depois dos sorrisos e comentários amigáveis trocados entre Trump e o presidente Xi Jinping na reunião de cúpula do G-20 em Osaka, o mandatário norte-americano voltou à carga ontem.

Diante de notícias de que as negociações comerciais entre Washington e Pequim seriam retomadas em breve, Trump tratou de jogar um balde de água fria ao afirmar que “ainda resta um longo caminho a ser trilhado” antes de um eventual acordo.

As bolsas de valores asiáticas refletiram os temores dos investidores e fecharam em queda generalizada hoje. Os mercados de ações europeus também abriram no vermelho, enquanto os indicadores futuros de Wall Street sinalizavam alta.

Por aqui, depois de quatro fechamentos em queda - ainda que discretas - do índice Ibovespa, analistas de mercado ainda divergem entre a continuidade de uma pequena realização de lucros e uma retomada das altas em um momento no qual, diante do recesso parlamentar, o noticiário sobre as reformas está adormecido.

O que insiste em permanecer no radar dos investidores, embora sem impacto nos preços dos ativos pelo momento, é o noticiário negativo envolvendo o governo Jair Bolsonaro, agora com o ministro Dias Toffoli atendendo ao pedido dos advogados de Flavio Bolsonaro para suspender uma investigação sobre movimentações financeiras suspeitas.

Enquanto isso, o presidente se reunirá com os demais líderes do Mercosul em reunião de cúpula na cidade argentina de Santa Fé em meio a loas ao acordo comercial com a União Europeia, cuja implementação deve demorar bem mais que o previsto, principalmente pelas reações negativas de França e Itália ao pacto.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Recado ao mercado

O BC até pode cortar a Selic em 2020, mas deixou claro que o ciclo está perto do fim

O Copom deixou a porta aberta para mais um corte de 0,25 ponto na Selic em 2020. E, ao não se comprometer com o próximo passo, o BC passou a mensagem de que a onda de reduções nos juros está quase terminando

Seu mentor de investimentos

Caça ao tesouro: as joias descobertas em minha longa carreira no mercado financeiro

Ivan Sant’Anna lembra das grandes tacadas que deu em sua carreira como broker e fala sobre o processo de descobrimento dos tesouros enterrados no mercado

A Bula do Mercado

Copom se prepara para aterrissar e Brasil, para decolar

BC brasileiro indica que fim do ciclo de cortes da Selic está próximo, mas mantém porta aberta para novas quedas, enquanto S&P melhora perspectiva do rating do país

UM DOS IPOs DO ANO

Presidente da XP diz que não descarta listar a companhia na bolsa brasileira

O executivo disse que a ideia sempre foi fazer uma listagem no Brasil, visto que a empresa sempre se posicionou “como disruptora do mercado local, democratizando investimentos”

POLÍTICA

Justiça derruba suspensão de deputados do PSL; Joice pode perder liderança

Nesta quarta-feira, Joice foi confirmada líder do PSL na Câmara e em sua primeira coletiva no cargo afirmou que vai buscar uma pacificação na bancada

Até que enfim!

Agência de risco S&P eleva perspectiva para nota do Brasil para “positiva”

Embora atrasada, a decisão da S&P abre caminho para a recuperação no selo de bom pagador do país, perdido em setembro de 2015

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

A última superquarta do ano

Nesta última superquarta de 2019, o mercado ficou em compasso de espera pelas decisões de política monetária do Federal Reserve (Fed), o banco central americano, e do Banco Central brasileiro. No meio da tarde, o Fed anunciou a manutenção das taxas de juros, interrompendo um ciclo de três reduções consecutivas. Mas como o resultado já […]

Sessão tranquila

Sem surpresas com o Fed, dólar cai a R$ 4,11 e Ibovespa fecha em leve alta

A primeira parte do script imaginado pelos mercados foi cumprida à risca: o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) manteve a taxa de juros no país na faixa de 1,50% e 1,75% ao ano, conforme era esperado pelos agentes financeiros. E, sem nenhuma surpresa, o dólar à vista encontrou espaço para continuar caindo, enquanto […]

Menor juro da história

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 4,5% ao ano

Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras de renda fixa agora que o Banco Central cortou a Selic mais uma vez

Juros

Banco Central reduz juros para 4,5% ao ano, mas não garante novos cortes

Com a nova redução de 0,5 ponto percentual em decisão unânime tomada pelo Copom, a Selic renova a mínima histórica

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements