Menu
2019-06-17T06:09:12+00:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Semana começa com ruídos políticos

Discussões sobre reforma da Previdência e decisão de juros pelo Copom e Fed são os destaques da semana, encurtada por feriado na quinta-feira

17 de junho de 2019
5:39 - atualizado às 6:09
mercadoacalmar
Pedido de demissão de Joaquim Levy, do BNDES, e troca de farpas entre Paulo Guedes e Rodrigo Maia agitam Brasília

A semana encurtada por um feriado nacional na quinta-feira divide as atenções dos investidores entre os eventos políticos em Brasília, em meio às discussões no Congresso sobre a reforma da Previdência, e o calendário econômico, que traz como destaque decisões de juros dos bancos centrais do Brasil e dos Estados Unidos, na quarta-feira.

Mas o dia começa com o mercado doméstico avaliando novos ruídos políticos no governo Bolsonaro. O pedido de demissão de Joaquim Levy da presidência do BNDES agitou o fim de semana, que já começou mais tenso após a troca de farpas entre o ministro Paulo Guedes (Economia) e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, ao final da última sexta-feira.

Guedes se queixou publicamente da proposta apresentada pelo relator, Samuel Moreira, na comissão especial, com várias mudanças nas novas regras para aposentadoria em relação ao texto original. Maia retrucou, dizendo que o projeto substitutivo faz parte de um processo democrático, ainda mais quando a articulação do Executivo com o Legislativo é fraca.

A fala de Guedes incomodou o mercado doméstico. Afinal, se o ministro se mostrou insatisfeito com o teor do relatório da reforma da Previdência, não há muito o que comemorar. Os debates na comissão nesta semana tendem a deixar os investidores na defensiva, em meio aos riscos de diluição e da eficácia fiscal da proposta (leia mais abaixo).

Fogo amigo

O problema é que o desgaste político também tem se dado dentro do governo. Dias após a queda do então secretário de governo, o general Santos Cruz, as desavenças por falta de alinhamento ideológico deixaram mais uma vítima. Levy pediu para sair, após o presidente Jair Bolsonaro estar “por aqui” com ele, colocando a “cabeça [do economista] a prêmio”.

Trata-se da primeira baixa dentro da equipe econômica que, até então, vinha sendo blindado dos desgastes políticos, em meio ao alinhamento dos escolhidos por Guedes com a agenda liberal. O estopim da crise foi a indicação de Marcos Barbosa Pinto, ex-assessor do BNDES no governo PT, para a diretoria de mercado de capitais do banco.

Entre os cotados para substituir Levy, estão alguns secretários de Guedes, como Salim Matar. Ou pode ser alguém da iniciativa privada. Mas os investidores terão de aprender a lidar com um governo instável e imprevisível, principalmente do ponto de vista ideológico, o que pode lançar dúvidas sobre o processo de mudanças estruturais e econômicas no país.

Na semana passada, deixaram o governo, os presidentes dos Correios, Juarez Aparecido de Paulo Cunha; e da Funai, Franklimberg Ribeiro de Freitas, além de Santos Cruz e Levy. Desde o início do mandato, também já saíram do governo os ex-ministros Ricardo Vélez (Educação) e Gustavo Bebianno (Secretaria-Geral), além de diretores da Apex e do Inep.

Próximos passos

E a política rouba a cena não apenas com mais uma crise desnecessária. Após a leitura do parecer da reforma da Previdência, na quinta-feira passada, a discussão sobre a proposta na comissão especial começa amanhã, elevando a expectativa dos investidores pelo andamento da proposta antes do recesso parlamentar.

Todos os 513 deputados podem se inscrever para falar nessa fase. Ao todo, devem ser feitas três sessões até a semana que vem, na tentativa de votar o texto ainda em junho, por volta do dia 25.
Contudo, o fator calendário parece ser o principal risco à votação da matéria na Câmara antes do recesso parlamentar, já que o fim do mês é marcado pelas tradicionais festas juninas. Além disso, mais ajustes podem ocorrer no projeto, mexendo com o humor do mercado doméstico, a depender dos impactos de possíveis mudanças no conteúdo.

Ainda assim, a proposta de novas regras para aposentadoria está caminhando com perspectiva de aprovação, mesmo sem uma base aliada sólida do governo no Congresso. O Legislativo segue com o intuito de angariar os louros pela aprovação da agenda de reformas, mostrando que tem responsabilidade em ajudar o país.

Exterior à espera do G-20

Enquanto o cenário político tende a continuar ditando o rumo dos ativos locais, o mercado internacional não deve ajudar muito a definir uma direção, já que lá fora os investidores estão em compasso de espera pela reunião do G-20, no Japão. Mais que isso, a expectativa é pelo encontro dos líderes Donald Trump e Xi Jinping sobre a guerra comercial.

Porém, o evento só acontece no fim deste mês, o que deixa os mercados na expectativa por outro grande evento, envolvendo o Federal Reserve (leia mais abaixo). Com isso, os investidores adotam a postura de esperar para ver como ficam a taxa de juros norte-americana e a disputa tarifária entre EUA e China.

As principais bolsas asiáticas encerraram a sessão em alta. Hong Kong subiu 0,5%, apesar de um novo protesto na ilha contra a lei de extradição chinesa. Os manifestantes exigem, agora, a renúncia da chefe de governo local, Carrie Lam. Xangai e Tóquio tiveram leve avanço.

Em Nova York, os índices futuros das bolsas de Nova York também exibem ganhos moderados, o que deixa a abertura do pregão europeu à deriva. Os investidores mostram cautela, receosos com uma eventual decepção por parte do Fed, que pode se esquivar de indicar um primeiro corte em breve.

Nos demais mercados, o petróleo tem poucas oscilações, após a Arábia Saudita expressar esperança de que o cartel de países exportadores (Opep) concordem em estender os cortes de produção da commodity para o segundo semestre. O dólar e os títulos norte-americanos também estão praticamente estáveis, à espera do Fed.

Decisão de BCs em destaque

A reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) e do Fed que começam amanhã e terminam, ambas, na quarta-feira é o grande destaque da agenda econômica desta semana. Nos dois casos, espera-se pela manutenção dos juros, mas também é grande a expectativa por sinais firmes de cortes à frente, já em julho.

Na última sexta-feira, o mercado doméstico aumentou a pressão e deu um recado claro ao BC, de que não aceitará um comunicado sem alterações mais suaves (“dovish”), indicando que o ciclo de alívio monetário está próximo. Aliás, para o mercado, o processo poderia começar já nesta semana, mas sabe-se que, primeiro, é preciso ajustar a comunicação.

Da mesma forma, a estimativa é de que o Fed sinalize que a flexibilização monetária está chegando, já na virada do primeiro para o segundo semestre. Para o mercado financeiro, trata-se de uma questão praticamente certa, mas há dúvidas de que o BC dos EUA esteja mesmo pronto para reduzir os juros pela primeira vez em mais de uma década.

Afinal, a inflação norte-americana segue muito comportada e o mercado de trabalho nos EUA continua robusto. O Fed, é bom lembrar, tem de cumprir um duplo mandato, sendo que o crescimento econômico não está entre os objetivos perseguidos. Tudo vai depender, então, das projeções contidas no gráfico de pontos, o chamado dot plot.

O mesmo pode-se dizer em relação ao Copom, que tem mandato único, ligado ao controle de preços. Apesar das recentes leituras fracas sobre a inflação e a atividade econômica, as expectativas para os preços neste ano e nos próximos seguem próximas às metas, dando ainda pouca margem para o BC enviar sinais de possíveis afrouxamentos.

Aliás, merece atenção já nesta segunda-feira o relatório de mercado Focus (8h25), que deve trazer novas revisões, para baixo, nas estimativas para a taxa básica de juros (Selic) e o crescimento econômico (PIB) neste ano - pela décima sexta vez seguida - e nos próximos. Já as previsões para o IPCA tende a oscilar, sem grandes alterações.

Ao longo da semana, a agenda econômica está bem fraca, sendo que o feriado na quinta-feira (Corpus Christi) pode adiar para a próxima semana a divulgação dos dados de maio sobre a arrecadação federal e sobre a geração de emprego formal. No exterior, o calendário está igualmente esvaziado.

Além do Fed, destaque também para as reuniões de política monetária dos BCs inglês (BoE) e japonês (BoJ), na quinta-feira. Já na região da moeda única, sai a leitura final da inflação ao consumidor (CPI), amanhã. Na sexta-feira, é a vez de dados de atividade no bloco comum e nos EUA, que traz também dados do setor imobiliário, ao longo da semana.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Entrevista

Com juro baixo “estrutural”, Paineiras está otimista com bolsa e título de longo prazo

Gestora que tem 12 anos de história avalia que Selic baixa veio para ficar e que dólar acima de R$ 4 não é impeditivo para valorização do Ibovespa

A Bula do Mercado

Mercado olha para o que vem depois da Previdência

Investidor confia na agenda econômica positiva, com nova pauta das reformas, leilões e privatizações

Dia histórico?

Novela da Previdência deve acabar hoje com final mais feliz que o esperado

Senado termina de votar emendas pela manhã e texto da reforma vai para o segundo turno de votação à tarde

Seu Dinheiro na sua noite

Um novo recorde na maratona da bolsa

No dia 12 de outubro, o queniano Eliud Kipchoge atingiu uma marca considerada por muito tempo impossível para um ser humano: correr os 42 quilômetros da maratona em menos de duas horas. O campeão olímpico dos Jogos do Rio cruzou a linha de chegada em uma prova não-oficial realizada em Viena, na Áustria, com o […]

Mudanças no funcionalismo público

Maia quer iniciar reforma administrativa até a próxima semana na Câmara

Estratégia traçada pelo presidente da Câmara, porém, ainda depende do aval de lideranças e também da equipe econômica

Só falta um passo

Sem mudanças no radar, conclusão da reforma da Previdência pode se estender até quarta-feira

O texto da reforma que será votado prevê uma economia fiscal de R$ 800 bilhões em dez anos

O poder das redes

Facebook, de Mark Zuckerberg, pega Rússia e Irã tentando intervir nas eleições dos EUA em 2020

Notícia vem em meio a uma ofensiva que a gigante das redes sociais tem feito para combater ataques nas eleições mundo afora

Dinheiro na mão mais cedo

Caixa antecipa saque imediato do FGTS. Tudo será pago em 2019

Calendário de saque para não correntistas que iria até março de 2020 foi antecipado. Assim, todo impacto da liberação, estimada em R$ 40 bilhões, acontecerá em 2019

chegando no gigante asiático

Tesla recebe sinal verde para fabricar veículos na China

Ministério da Indústria da China concedeu à montadora do bilionário Elon Musk a autorização para operar

Negócios da educação

Yduqs ganha nova cara e cresce em quantidade e qualidade com compra da dona do Ibmec

Aquisição de R$ 1,92 bilhões é a maior da história da antiga Estácio Participações, que passa a contar com um total de 680 mil alunos, e coloca as ações da Yduqs entre as maiores altas do Ibovespa. Saiba o que os analistas disseram sobre o negócio

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Pular para a barra de ferramentas